Social representation of the violence of men and women using the family health strategy / Representação social da violência de homens e mulheres usuários da estratégia saúde da família

Main Article Content

Victoria Leslyê Rocha Gutmann
http://orcid.org/0000-0002-3457-7620
Camila Nunes Cabral
http://orcid.org/0000-0001-9514-1233
Julia Severo dos Santos
http://orcid.org/0000-0003-0138-6737
Carolina Coutinho Costa Vallejos
http://orcid.org/0000-0002-1093-5366
Cristiane Lopes Amarijo
http://orcid.org/0000-0002-4441-9466
Camila Daiane Silva
http://orcid.org/0000-0002-0739-4984

Resumo

Objetivo: identificar a representação social da violência de homens e mulheres usuários da Estratégia Saúde da Família. Método: pesquisa qualitativa e descritiva, fundamentada na Teoria das Representações Sociais, realizada com 32 pessoas usuárias da Estratégia Saúde da Família, 16 homens e 16 mulheres, por meio de entrevista semiestruturada, analisadas com o auxílio do software IRAMUTEQ. Resultados: os homens retrataram a violência urbana, enquanto as mulheres a doméstica. De modo geral, os participantes demonstraram dificuldade na intervenção da violência, citando os motivos para manutenção de um relacionamento violento e as possíveis formas de prevenção dessas situações. Conclusão: a pesquisa contribuiu ao dar voz e evidenciar a representação social de homens e mulheres usuários da Estratégia Saúde da Família acerca da violência e, assim, possibilita a criação de ações e estratégias mais direcionadas em relação ao enfrentamento e prevenção da violência.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Rocha Gutmann VL, Cabral CN, dos Santos JS, Vallejos CCC, Amarijo CL, Silva CD. Social representation of the violence of men and women using the family health strategy / Representação social da violência de homens e mulheres usuários da estratégia saúde da família. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 9º de junho de 2022 [citado 13º de agosto de 2022];14:e-10956. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/10956
Seção
Research
Biografia do Autor

Victoria Leslyê Rocha Gutmann, Universidade Federal do Rio Grande

Enfermeira. Especialista em Saúde da Família. Integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Enfermagem, Gênero e Sociedade/GEPEGS e do Grupo de Pesquisa, Ensino e Extensão Viver Mulher

Camila Nunes Cabral, Universidade Federal do Rio Grande

Enfermeira formada pela Universidade Federal do Rio Grande 

Julia Severo dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande

Graduação em Enfermagem pela Universidade FEderal do Rio Grande

Carolina Coutinho Costa Vallejos, Universidade Federal do Rio Grande

Enfermeira

Cristiane Lopes Amarijo, Universidade Federal do Rio Grande

Enfermeira

Camila Daiane Silva, Universidade Federal do Rio Grande

Enfermeira

Plum Analytics

Referências

Mendonça CS, Machado DF, Almeida MAS, Castanheira ERL. Violência na Atenção Primária em Saúde no Brasil: uma revisão integrativa da literatura. Cien Saude Colet. 2020;25(6):2247-57. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232020256.19332018.

Pinto IV, Bevilacqua PD, Ribeiro AP, Santos AP dos, Bernal RTI, Malta DC. Agressões nos atendimentos de urgência e emergência em capitais do Brasil: perspectivas do VIVA Inquérito 2011, 2014 e 2017. Rev Bras Epidemiol. 2020;23(1). DOI: https://doi.org/10.1590/1980-549720200009.supl.1.

Piuchi VFA, Barleta C, Real JM. Violência de gênero, viés social e drogas. Rev enferm UFPE on line. 2020;14:e243345. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2020.243345.

Sikweyiya Y, Addo-Lartey AA, Alangea DO, Dako-Gyeke P, Chirwa ED, Coker-Appiah D, et al. Patriarchy and gender-inequitable attitudes as drivers of intimate partner violence against women in the central region of Ghana. BMC Public Health. 2020;20(682). DOI: https://doi.org/10.1186/s12889-020-08825-z.

Santos AAO dos, Moreira MC. Feminicídio: uma análise sobre a construção das masculinidades e a violência contra a mulher. Cadernos de Psicologia. 2020 [citado 2021 mar 12];1(2):389-409. Disponível em: https://seer.cesjf.br/index.php/cadernospsicologia/article/view/2500/1633#.

Minayo MCS, Souza ER de, Silva MMA da, Assis SG de. Institucionalização do tema da violência no SUS: avanços e desafios. Cien Saude Colet. 2018;23(6):2007-16. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018236.04962018.

Rodrigues EAS, Tavares R, Melo VH, Silva JM da, Melo EM de. Violência e Atenção Primária à Saúde: percepções e vivências de profissionais e usuários. Saúde debate. 2018;42(4):55-66. DOI: https://doi.org/10.1590/0103-11042018s404.

Moscovici S. Social representations: exporations in social psychology. New York: New York University Press, 2001.

Santos EI dos, Gomes AMT, Oliveira DC de. Representations of vulnerability and empowerment of nurses in the context of HIV/AIDS. Texto Contexto Enferm. 2014;23(2):408-16. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-07072014000700013.

Sousa YSO, Gondim SMG, Carias IA, Batista JS, Machado KCM de. O uso do software Iramuteq na análise de dados de entrevistas. Pesquisas & Práticas Psicossociais. 2020 [citado 2021 mar 12];15(2):1-19. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-89082020000200015&lng=pt&nrm=iso.

Dahlberg LL, Krug EG. Violence a global public health problem. Cien Saude Colet. 2006;11(2):277-92. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232006000200007.

Niolon PH, Kearns M, Dills J, Rambo K, Irving S, Armstead TL, et al. Preventing intimate partner violence across the lifespan: a technical package of programs, policies, and practices. Atlanta: National Center for Injury Prevention and Control, Centers for Disease Control and Prevention, 2017 [citado 2021 mar 12]. Disponível em: https://www.cdc.gov/violenceprevention/pdf/ipv-technicalpackages.pdf.

Cerqueira D, Bueno S, Lima RS de, Neme C, Ferreira H, Alves PP, et al. Atlas da Violência 2019. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2019 [citado 2021 mar 12]. Disponível em: https://www.ipea.gov.br/atlasviolencia/download/19/atlas-da-violencia-2019.

Lucena KDT de, Deininger LSC, Coelho HFC, Monteiro ACC, Vianna RPT, Nascimento JA do. Analysis of the cycle of domestic violence against women. J Hum Growth Dev. 2016;26(2):139-46. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.119238.

Santos WJ, Oliveira PP, Viegas SMF, et al. Domestic Violence Against Women Perpetrated by Intimate Partner: Professionals’ Social Representations in Primary Health Care. Rev Fund

Care Online. 2018;10(3):770-777. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2018.v10i3.770-777.

Both LM, Favaretto TC, Freitas LHM. Cycle of violence in women victims of domestic violence: qualitative analysis of OPD 2 interview. Brain and Behavior. 2019;9(11). DOI: https://doi.org/10.1002/brb3.1430.

Batista VC, Marcon SS, Peruzzo HE, Ruiz AGB, Reis P dos, Silva AMN da, et al. Prisoners of suffering: perception of women on violence practiced by intimate partners. Rev Bras Enferm. 2020;73(1). DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2019-0219.

Buller AM, Hidrobo M, Peterman A, Heise L. The way to a man’s heart is through his stomach?: a mixed methods study on causal mechanisms through which cash and in-kind food transfers decreased intimate partner violence. BMC Public Health. 2016;16(488). DOI: https://doi.org/10.1186/s12889-016-3129-3.

Madureira AB, Mantovani MF, Silva ATM, Souza PB de, Ferraz MIR, Raimondo ML. Social representations of agressive men denounced for violence against women. Rev Bras Enferm. 2020;73(2). DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0824.

Fazel S, Smith EN, Chang Z, Geddes JR. Risk factors for interpersonal violence: an umbrella review of meta-analyses. BrJPsychiatry. 2018;213(4):609-14. DOI: https://doi.org/10.1192/bjp.2018.14.

Fernandes H, Horta ALM. Enfermagem e tecnologias leves para uma cultura de paz na família. Rev Bras Enferm. 2018;71(6):2854-57. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0756.

Moura NA, Monteiro ARM, Freitas RJM. Adolescents using (il)licit drugs and acts of violence. Rev enferm UFPE on line. 2016;10(5):1685-93. DOI: http://dx.doi.org/10.5205/reuol.9003-78704-1-SM.1005201614.

Santos MS, Silva JG, Branco JGO. O enfrentamento à violência no âmbito da estratégia saúde da família: desafios para a atenção em saúde. Rev Bras Promoç Saúde. 2017;30(2):229-38. DOI: http://dx.doi.org/10.5020/18061230.2017.p229.

Greene CA, Haisley L, Wallace C, Ford JD. Intergenerational effects of childhood maltreatment: a systematic review of the parenting practices of adult survivors of childhood abuse, neglect, and violence. Clinical Psychology Review. 2020;80. DOI: https://doi.org/10.1016/j.cpr.2020.101891.

Reis DM, Prata LCG, Parra CR. O impacto da violência intrafamiliar no desenvolvimento psíquico infantil. Psicologia.PT. 2018 [citado 2021 mar 12]. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1253.pdf.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)