Factors associated to the gestational age of prematuros inhibited in a neonatal intensive therapy unit / Fatores associados à idade gestacional de prematuros internados em unidade de terapia intensiva neonatal

Main Article Content

Fabiane Coppetti Adams
http://orcid.org/0000-0002-3831-4967
Joseila Sonego Gomes
http://orcid.org/0000-0002-9873-0006
Márcio Júnior Strassburger
http://orcid.org/0000-0001-9411-3230
Pâmela Fantinel Ferreira
http://orcid.org/0000-0003-2134-9829
Christiane de Fátima Colet
http://orcid.org/0000-0003-2023-5088
Simone Zeni Strassburger
http://orcid.org/0000-0001-9655-8807

Resumo

Objetivo: descrever fatores associados à idade gestacional de prematuros internados em Unidade de Terapia Intensiva. Métodos: estudo transversal com recém-nascidos prematuros encaminhados à alta da Unidade. Resultados: participaram 66 prematuros, 59% meninos, média de 32 semanas gestacionais, 26% prematuros moderados, 51% com peso adequado para idade gestacional ao nascimento. 38% das gestantes apresentaram pré-eclâmpsia, 18% diabetes gestacional. Houve associação dos grupos de prematuros com: peso ao nascimento (p=0,000), tempo de internação (p=0,000), tempo de ventilação mecânica invasiva (p=0,000), tempo total de oxigênio (p=0,000), necessidade de transfusão (0,019) e uso de surfactante (0,003). Entre os prematuros tardios e moderados, houve aumento significativo na frequência de recém-nascidos pequenos para idade gestacional no momento da alta (p=0,046 e p=0,021). Conclusão: Pré-eclâmpsia foi a complicação mais prevalente entre as gestantes. Diabetes gestacional foi mais frequente no parto antes das 34 semanas. Observou-se restrição do crescimento extrauterino no momento da alta da unidade.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Adams FC, Gomes JS, Strassburger MJ, Ferreira PF, Colet C de F, Strassburger SZ. Factors associated to the gestational age of prematuros inhibited in a neonatal intensive therapy unit / Fatores associados à idade gestacional de prematuros internados em unidade de terapia intensiva neonatal. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de junho de 2021 [citado 24º de janeiro de 2022];13:158-63. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/8069
Seção
Research
Biografia do Autor

Fabiane Coppetti Adams, Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Departamento de Ciências da Vida

Joseila Sonego Gomes, Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Departamento de Ciências da Vida

Márcio Júnior Strassburger, Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Departamento de Ciências da Vida

Pâmela Fantinel Ferreira, Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Departamento de Ciências da Vida

Christiane de Fátima Colet, Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Departamento de Ciências da Vida

Simone Zeni Strassburger, Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul - UNIJUÍ

Departamento de Ciências da Vida

Plum Analytics

Referências

SBP. Prevenção da prematuridade – uma intervenção da gestão e da assistência. Departamento Científico de Neonatologia. [Internet]. 2017. [updated 2018 Fev]. Available from: http://www.sbp.com.br/documentos-cientificos/.

OMS. Recomendações da OMS sobre ações para melhorar os índices de nascimento prematuros. [Internet]. 2015. [updated 2018 fev]. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/204270/14/WHO-RHR-15.22-por.pdf.

SBP. Monitoramento do crescimento de RN pré-termos. Departamento Científico de Neonatologia. [Internet]. 2017. [updated 2018 Fev]. Available from: http://www.sbp.com.br/documentos-cientificos/.

Sávio JM, Santos CM, Souza RL, Tomasi CD. Perfil Clínico de neonatos internados em uma UTI do Sul Catarinense. Revista Inova Saúde Criciúma. 2016;5(1):117-28.

Leal MC, Esteves-Pereira AP, Nakamura-Pereira M, et al. Prevalence and risk factors related to preterm birth in Brazil. Reprod Health. 2016;13(S3):127.

Peña CB, Pinzón YA, Forero YJ, Pantoja JA, Giraldo LF, Bastidas AR, Agudelo SI. Características de pacientes ingresados a la unidad de cuidado intensivo neonatal en la Clínica Universidad de La Sabana. Rev Univ Ind Santander Salud. 2016;48(4): 480-485.

Ramos, HAC, Kenji R, Cuman N. Fatores de risco para prematuridade: pesquisa documental. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009; 13(2): 297-304.

Oliveira, LL, Gonçalves AC, Costa JSD, Bonilha ALL. Fatores maternos e neonatais relacionados à prematuridade. Rev. esc. enferm. USP. 2016; 50(3): 382-389.

Tabile PM, Teixeira RM, Toso G, Mastras RC, Fuhrmann IM, Pires MC, Assmann LL. Characteristics of pre-term births in a school hospital in the interior of South Brazil: analysis of 6 years. Revista da AMRIGS, Porto Alegre. 2016; 60(3): 168-172.

Barros FC, Victora CG, Matijasevich A, Santos IS, Hosta BL, Silveira ME, et al. Preterm birth, low birth weight, and intrauterine growth restriction in three birth cohorts in Southern Brazil: 1982, 1993 and 2004. Cad Saúde Pública. 2008; 24(3):390-8.

Melo WA, Carvalho MDB. Análise multivariada dos fatores de risco para prematuridade no sul do Brasil. Rev Eletr Gestão Saúde. 2014; 5(2):398-409.

Rodrigue VB, Belham A. Perfil dos recém-nascidos admitidos na UTI neonatal do hospital Santo Antônio, Blumenau/SC, entre 2014-2016. Arq. Catarin Med. 2017; 46(4):43-49.

Horbar JD, Badger GJ, Carpenter JH, Fanaroff AA, Kilpatrick S, LaCorte M, et al. Trends in mortality for very low birth weight infants, 1991-1999. Pediatrics. 2002; 110:143-51.

Silva WF, Guedes ZC. Prematuros e prematuros tardios: suas diferenças e o aleitamento materno. Rev. CEFAC. 2015; 17(4):1232-1240.

Mukerji A, Shah PS, Shivananda S, et al. Survey of noninvasiverespiratory support practices in Canadian neonatal intensive careunits.Acta Paediatr. 2017;106(3):387‐393.

Kunigk Michele Ramos Grigio, Chehter Ethel. Disfagia orofaríngea em pacientes submetidos à entubação orotraqueal. Rev. soc. bras. fonoaudiol. 2007; 12( 4 ): 287-291.

Instituto NE. Retinopatia da Prematuridade 2018. [Disponível em: https://nei.nih.gov/health/rop .

Oliveira CP, Souza JS, Machado R, Feijão AR, Souza NL. Fatores de risco para sepse neonatal em unidade de terapia: estudo de evidência. Cogitare Enfermagem. 2016;21(2).

Hentges CR, Silveira RC, Procianoy RS, Carvalho CG, Filipouski GR, Fuentefria RN, et al. Association of late-onset neonatal sepsis with late neurodevelopment in the first two years of life of preterm infants with very low birth weight. J Pediatr (Rio J). 2014;90(1):50-7.

Menezes MAS, Garcia DC, Melo EV, Cipolotti R. Recém-nascidos prematuros assistidos pelo Método Canguru: avaliação de uma coorte do nascimento aos seis meses. Rev Paul Pediatr 2014;32(2):171-7.

Villar J, Giuliani F, Barros F, et al. Monitoring the Postnatal Growth of Preterm Infants: A Paradigm Change. Pediatrics. 2018;141(2):2017-2467.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)