Use of physical examination to assess the functionality of arteriovenous fistulas for hemodialysis / Utilização do exame físico na avaliação da funcionalidade das fístulas arteriovenosas para hemodiálise

Main Article Content

Bianca Rafaela Correia
http://orcid.org/0000-0001-7517-4820
Vânia Pinheiro Ramos
http://orcid.org/0000-0002-4559-934X
Denise Maria Albuquerque Carvalho
http://orcid.org/0000-0003-1825-858X
Diogo Luis Tabosa de Oliveira Silva
http://orcid.org/0000-0002-5303-0663

Resumo

Objetivo: Avaliar através do exame físico (EF) alterações presentes na fístula arteriovenosa (FAV) durante o período de maturação e propor um protocolo de avaliação pós-operatória que inclua esse método. Métodos: Estudo longitudinal com abordagem quantitativa.  Resultados: Foram incluídos na amostra 17 pacientes, dos quais dois realizaram mais de um procedimento de construção da FAV em virtude do insucesso dos procedimentos iniciais, sendo totalizadas 20 FAV avaliadas.  Houve um predomínio do sexo masculino e a idade média foi de 51,8 anos.  Conclusão: O EF mostrou-se útil na avaliação da funcionalidade da FAV e sugere-se que o protocolo elaborado possa ser validado e utilizado na prática do serviço, aumentando a qualidade da assistência de enfermagem prestada ao portador de FAV. 



Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Correia BR, Ramos VP, Carvalho DMA, Silva DLT de O. Use of physical examination to assess the functionality of arteriovenous fistulas for hemodialysis / Utilização do exame físico na avaliação da funcionalidade das fístulas arteriovenosas para hemodiálise . R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de junho de 2021 [citado 29º de novembro de 2021];13:177-84. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/8131
Seção
Research
Biografia do Autor

Bianca Rafaela Correia, Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG)

Chefe da Subdivisão de Enfermagem do HFAG

Vânia Pinheiro Ramos, Universidade Federal de Pernambuco

Professor Titular do Departamento de Enfermagem do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Pernambuco

Denise Maria Albuquerque Carvalho, SOS Renal Services

Tutora da residência de enfermagem em Nefrologia do Hospital Barão de Lucena e Enfermeira da SOS Renal Services 

Diogo Luis Tabosa de Oliveira Silva, Hospital Dom Helder Câmera

Cirurgião Geral do Hospital Dom Helder Câmera

Plum Analytics

Referências

Siviero PCL, Machado CJ, Cherchiglia ML. Insuficiência renal crônica no Brasil segundo enfoque de causas múltiplas de morte. Cad Saúde Colet, 2014; 22(1): 75-85.

Stasiak CES. Prevalência de ansiedade e depressão e suas comorbidades em pacientes com doença renal crônica em hemodiálise e diálise peritoneal. J Bras Nefrol, 2014; 36(3): 325-331.

Bastos MG, Bregman R, Kirsztajan GM. Doença renal crônica: Frequentemente grave, mas também prevenível e tratável. Rev. Ass. Med. Bras. 2010; 56(2): 248-53.

Sociedade Brasileira de Nefrologia. Censo da Sociedade Brasileira de Nefrologia 2015. Disponível em/Available in: http://censo-sbn.org.br/inicio. Acesso em/Access in: 13 de outubro de 2016.

Neves Junior MA, Melo RC, Almeida CC, Fernandes AR, Petnys A, Iwasaki MLS et al. Avaliação da perviedade precoce das fistulas arteriovenosas para hemodiálise. J. Vasc. Bras. 2011; 10(2): 105-109.

Sousa, CN, Teles P, Dias VFF, Apóstolo JLA, Figueiredo MHJS, Martins MM. Physical examination of arteriovenous fistula: The influence of professional experience in the detection of complications. Hemodial Int. 2014; 8(3): 695-99.

Dinwiddie LC, Ball L, Brouwer D, Doss-McQuitty S, Holland J. What nephrologists need to know about vascular access cannulation. Semin Dial. 2013; 26(3):315-22.

Reinas CA, Nunes GO, Mattos M. O auto cuidado com a fístula arteriovenosa realizado pelos doentes renais crônicos da região sul de Mato Grosso. Gestão e Saúde. 2012, 3(1): 505-519.

Vascular Access 2006 Work Group. Clinical practice guidelines for vascular access. American Journal of Kidney Disease. 2006; 48(suppl1): 176-247.

Smith GE, Gohil R, Chetter IC. Factors affecting the patency of arteriovenous fistulas for dialysis access. J Vasc Surg. 2012; 55(3): 849-55.

Zangan SM, Falk A. Optimizing arteriovenous fistula maturation. Semin Intervent Radiol. 2009; 26(26): 144-50.

Campos RP, Chula DC, Riella MC, Nascimento MM. O exame físico como método de detecção de estenose da fístula arteriovenosa. J Bras Nefrol. 2007; 29(2): 64-70.

Coentrão L, Turmel-Rodrigues L. Monitoring dialysis arteriovenous fistulae: it’s in our hands. J Vasc Access. 2013; 14(3): 209-215.

Sousa CN. Cuidar da pessoa com fístula arteriovenosa: modelo para a melhoria contínua. Rev Port Saúde Pública 2012; 30(1): 11-17.

Sousa CN. Cuidar da pessoa com doença renal crónica terminal com fístula arteriovenosa [Tese de Doutorado]. Portugal: Universidade de Porto; 2014. 191 f.

Quirino APS, Costa BMF, Machado CM, Carvalho DMA, Lemos KCR. Protocolo de cirurgia segura na confecção de fístula arteriovenosa: relato de experiência. In: ENCONTRO PERNAMBUCANO DE ENFERMAGEM EM NEFROLOGIA, 3. 2015, Olinda.

Florêncio PCB. Avaliação ultra-sonográfica pré e pós-operatória das fístulas arteriovenosas para hemodiálise [Trabalho de conclusão de Residência]. São Paulo: Hospital do Servidor Público Municipal; 2012. 45 f.

Sousa CN, Apóstolo JL, Figueiredo MH, Martins MM, Dias VF. Physical examination: How to examine the arm with arteriovenous fistula. Hemodialysis International 2013; 17(2): 300-306.

Claudeanos KT, Hudgins J, Keahey G, Cull DL, Carsten CG. Fistulas in Octogenarians: Are They Beneficial? Ann Vasc Surg. 2015 Jan; 29(1):98-102.

Olsha O, Hijazi J, Goldin I, Shemesh D. Vascular access in hemodialysis patients older than 80 years. J Vasc Surg. 2015 Jan; 61(1):177-83.

Bastos MG, Kirsztajn GM. Doença renal crônica: importância do diagnóstico precoce, encaminhamento imediato e abordagem interdisciplinar estruturada para melhora do desfecho em pacientes ainda não submetidos à diálise. J. Bras. Nefrol. 2011; 33(1): 93-108.

Melo APM, Mesquita GV, Monteiro CFS. Diagnóstico precoce da doença renal crônica pela Estratégia Saúde da Família. R. Interd. 2013; 6(1):124-128.

Chiulli LC, Vasilas P, Dardik A. Superior patency of upper arm arteriovenous fistulae in high risk patients. J Surg Res. 2011;170(1):157-64.

Maniva SJCF, Freitas CHA. O paciente em hemodiálise: autocuidado com a fístula arteriovenosa. Rev. RENE. 2010; 11(1): 152-160.

Pessoa NRC, Linhares FNP. Pacientes em hemodiálise com fístula arteriovenosa: conhecimento, atitude e prática. Esc. Anna Nery. Rev. Enferm. 2015; 19(1): 73-79.

Yoo DW, Yoon M, Jun HJ. Successful access rate and risk factor of vascular access surgery in arm for dialysis. Vasc Spec Int 2014;30(1):33-37.

Freitas C, Silva F, Matos N, Machado R, Queirós J, Almeida R et al. Consulta de acessos vasculares para hemodiálise – experiência de um centro. Angiol Cir Vasc 2011; 7(1):35-42.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)