Perception of a rural population on the use of agrotoxic / Percepção de uma população rural sobre o uso de agrotóxicos

Main Article Content

Amanda Richartz
https://orcid.org/0000-0002-3937-2173
Ivonete Teresinha Schülter Buss Heidemann
Camila Vicente
https://orcid.org/0000-0003-1918-0681
Luciana Martins da Rosa
https://orcid.org/0000-0002-1884-5330
Fabiano Oliveira Antonini
https://orcid.org/0000-0003-2139-2245
Indiara Sartori Dalmolin

Resumo

Objetivo: identificar o conhecimento de uma população rural sobre as implicações na saúde geradas pelo uso abusivo de agrotóxicos. Método: estudo qualitativo, exploratório-descritivo. As entrevistas semiestruturadas ocorreram de julho a agosto de 2017, incluindo 12 moradores rurais de uma das áreas de abrangência da Unidade Básica de Saúde do município de Antônio Carlos. Os dados foram submetidos pela análise temática. Resultados: revelou-se que os participantes conhecem o conceito de agrotóxicos, contudo, apresentam falha na identificação dos prejuízos gerados à saúde. Outro fator destacado, consistiu-se no desuso dos equipamentos de proteção individual, da mesma forma, que o desconhecimento das possíveis atividades promotoras da saúde. Conclusão: a população possui pouco conhecimento das consequências da utilização dos agrotóxicos, utilizando-os de maneira incorreta por necessidade e/ou pela falta de conhecimento das alternativas. Evidencia-se, a necessidade de atividades de educação a saúde, em conjunto a equipe multiprofissional, voltadas a atenção primária.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Richartz A, Schülter Buss Heidemann IT, Vicente C, Martins da Rosa L, Oliveira Antonini F, Sartori Dalmolin I. Perception of a rural population on the use of agrotoxic / Percepção de uma população rural sobre o uso de agrotóxicos. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 14º de junho de 2021 [citado 17º de maio de 2022];13:1179-85. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9233
Seção
Research
Biografia do Autor

Amanda Richartz, TOPMED

 Enfermeira. Bacharel em Enfermagem. Enfermeira. TOPMED, São José-Santa Catarina-Brasil.

Ivonete Teresinha Schülter Buss Heidemann, UFSC

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professor Associado. Universidade Federal de Santa Catarina/UFSC. Florianópolis-Santa Catarina-Brasil.

Camila Vicente, Prefeitura Municipal de Palhoça

Enfermeira. Especialista em Alta Complexidade pela Residência Integrada Multiprofissional em Saúde. Enfermeira ESF. Prefeitura Municipal de Palhoça. Palhoça-Santa Catarina-Brasil

Luciana Martins da Rosa, UFSC

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professor Associado. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis-Santa Catarina-Brasil.

Fabiano Oliveira Antonini, Instituto FEderal de Santa Catarina

Enfermeiro. Doutor em Enfermagem. Professor e Coordenador da Regulação e Processos da Pró-reitoria. Instituto Federal de Santa Catarina/IFSC. Florianópolis-Santa Catarina-Brasil.

Indiara Sartori Dalmolin, Conselho Regional de Enfermagem do Paraná

Enfermeira. Mestre em Enfermagem. Enfermeira Fiscal. Conselho Regional de Enfermagem do Paraná. Curitiba-Paraná-Brasil.

Plum Analytics

Referências

Brasil. Coordenação de Estaudos Legislativos (CEDI) (BR). Lei N. 7.802, de 11 de julho de 1989. Brasília. Diário Oficial da União 1989; 1-2.

Brasil. Coordenação de Estaudos Legislativos (CEDI) (BR). Decreto N. 4.074, de 4 de janeiro de 2002. Regulamenta a Lei nº 7.802, de 11 de julho de 1989, que dispõe sobre a pesquisa, a experimentação, a produção, a embalagem e rotulagem, o transporte, o armazenamento, a comercialização, a propaganda comercial, a utilização, a importação, a exportação, o destino final dos resíduos e embalagens, o registro, a classificação, o controle, a inspeção e a fiscalização de agrotóxicos, seus componentes e afins, e dá outras providências. Diário Oficial da União 2002: 1-2.

Lopes CVA; Albuquerque GSC. Agrochemicals and their impacts on human and environmental health: a systematic review. Saúde debate. 2018; 42(117): 518-34.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Relatório: Vigilância em Saúde de Populações expostas a agrotóxicos no estado de Santa Catarina. Florianópolis, 2015: 1-16.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Agrotóxicos na ótica do Sistema Único de Saúde. Brasília: MS; 2018;2: 1-193.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Censo Agro 2017: resultados preliminares mostram queda de 2,0% no número de estabelecimentos e alta de 5% na área total. Brasília: IBGE; 2018.

Rigotto RM, Vasconcelos DP, Rocha MM. Pesticide use in Brazil and problems for public health. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(7):1-3.

Ministério do Meio Ambiente (BR). Segurança Química – Agrotóxicos. Brasília, DF; 2016.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (BR). Secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo. Plano Safra da Agricultura Familiar 2017/2020. Brasília, DF; 2017.

MINAYO MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8 ed. São Paulo, SP: HUCITEC, 2004.

Sousa JA, Feitosa HO, Carvalho CM, Pereira CF, Feitosa SO, Silva SL. Percepção dos produtores rurais quanto ao uso de agrotóxicos. Rev Brasil Agricul Irrigada. 2016; 10(5):976-89.

Viero CM, Campongara S, Vaz MRC, Costa VZ, Beck CLC. Risk society: the use of pesticides and implications for the health of rural workers. Escola Anna Nery. 2016; 20(1):99-105.

Menegat B, Reolon-Costa A, Caramão GS. Conhecimentos dos agricultores sobre riscos de intoxicação pelo uso de agrotóxicos. Cienc Cuid Saúde. 2019; 18(2):1-7.

Vasconcelos MV, Freitas CF, Silveira CA. Characterization of pesticide use among farm workers. Saúde (Santa Maria). 2014; 40(2):87-96.

Queiroz IFR, Viana LS, Filho RFS, Ribeiro MA, Albuquerque IMN, Neto FRGX. Contextualizando a realidade do uso de agrotóxicos na agricultura familiar. Extensão em ação. 2017;1(13):54-68.

Machado LM, Beck CLC, Coelho APF, Weiller TH, Camponogara S. Atuação dos profissionais de saúde da família frente ao trabalhador rural exposto a agrotóxicos. Cienc Cuid Saude. 2017; 16(3):1-8.

Abreu PHB, Alonzo HGA. Family farmer and (un)safe use of pesticides in Lavras, Minas Gerais, Brazil. Rev Bras Saúde Ocup. 2016; 41(e18):1-12.

Terwindt C, Morrison S, Schliemann C. Health Rights Impacts by Agrochemical Business: Legally Challenging the “Myth of Safe Use. Utrecht Journal of International and European Law. 2018; 34(2):130–145.

Secretaria de Saúde do Estado do Paraná. Saúde de Populações Expostas à Agrotóxicos (PEVASPEA). Intoxicações agudas por agrotóxicos: atendimento inicial do paciente intoxicado. Curitiba, PR. 2018; 1-120.

Neto MGF, Andrade RD, Felden ÉPG. Trabalho na agricultura: possível associação entre intoxicação por agrotóxicos e depressão. R. Perspect. Ci. e Saúde 2018;3(1):69-82.

Butinof M, Fernandez RA, Stimolo MI, Lantieri MJ, Blanco M, Machado AL et al. Pesticide exposure and health conditions of terrestrial pesticide applicators in Córdoba Province, Argentina. Cad Saúde Pública. 2015; 31(3):633-46.

Piovesan LR, Schimith MD, Simon BS, Budó MLD, Weiller TH, Brêtas ACP. Health promotion from the perspective of primary health care nurses. Rev enferm UERJ. 2016; 24(3):1-6.

Mabe FN, Talabi K, Danso-Abbeam G. Awareness of Health Implications of Agrochemical Use: Effects on Maize Production in Ejura-Sekyedumase Municipality, Ghana. Advances in Agriculture. 2017: 1-11.

Cezar-Vaz MR, Bonow CA, Mello MCVA, Silva MRS. Socioenvironmental approach in nursing: focusing on rural labor and the use of pesticides. Rev Bras Enferm. 2016; 69(6):114-21.