Assessment and management of pain in the neonatal unit / Práticas de avaliação e manejo da dor na unidade neonatal

Main Article Content

Beatriz Silva Araújo
http://orcid.org/0000-0002-2615-2112
Barbara Bertolossi Marta Araújo
http://orcid.org/0000-0001-9421-0161
Marcelle Campos Araújo
http://orcid.org/0000-0001-9616-7187
Sandra Texeira de Araújo Pacheco
http://orcid.org/0000-0002-4612-889X
Adriana Teixeira Reis
http://orcid.org/0000-0002-7600-9656
Cristiano Bertolossi Marta
http://orcid.org/0000-0002-0635-7970

Resumo

Objetivo: Identificar a frequência de dificuldade dos profissionais na observação dos parâmetros da escala de Neonatal Infant Pain Scale no Recém-nascido. Descrever os tipos e frequência das medidas não farmacológicas de alívio e prevenção da dor que são utilizadas pelos profissionais de enfermagem. Métodos: estudo quantitativo, transversal, com análise estatística através do programa IBM SPSS versão 21.0. A população do estudo foi composta por 55 profissionais da equipe de enfermagem. Para coleta dos dados foi realizada entrega de questionário aos profissionais da equipe de enfermagem, a fim de identificar os tipos e frequência da aplicação de medidas de alívio da dor. Resultados: os profissionais de enfermagem realizam avaliação da dor majoritariamente de forma empírica, assim como a realização de medidas não farmacológicas de alivio. Conclusão: Há a necessidade de realização de ações de educação permanente para atualização de protocolos institucionais, contribuindo para a humanização da assistência e eficiência do cuidado.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Araújo BS, Araújo BBM, Araújo MC, Pacheco ST de A, Reis AT, Marta CB. Assessment and management of pain in the neonatal unit / Práticas de avaliação e manejo da dor na unidade neonatal. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de junho de 2021 [citado 29º de novembro de 2021];13:531-7. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9287
Seção
Research
Biografia do Autor

Beatriz Silva Araújo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Residente em Neonatologia do Hospital Universitario Pedro Ernesto da Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Barbara Bertolossi Marta Araújo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira graduada pela Escola de Enfermagem Anna Nery /Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002), especialista em Pediatria pela EEAN/UFRJ (2003) e Enfermagem Neonatal pela ABENFO-RJ, Doutora pelo Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGENF/UERJ) (2015). Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Enfermagem Materno Infantil da Faculdade de Enfermagem da UERJ, Membro do Grupo de Pesquisa Cuidando da Saúde das Pessoas, Membro do Núcleo de Pesquisa CNPQ Atenção à saúde da criança e do adolescente: dimensões existencial, social, cultural e bioética. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Pediátrica e Neonatal, atuando principalmente nos seguintes temas: Enfermagem Neonatal, Cuidados Desenvolvimentais, Tecnologias de Cuidado ao neonato prematuro e sua família, Alojamento de Mães, Estratégias Assistenciais Humanizadas na UTIN, Mães de bebês prematuros, Cuidado Materno.

Marcelle Campos Araújo, Instituto Fernandes Figueiras

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO (2008). Especialista em Enfermagem Neonatal pelo Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira /FIOCRUZ (2002) e em Gestão hospitalar pelo IEP/HSL (2017). Graduada em Enfermagem e Obstetrícia pela Escola de Enfermagem Anna Nery / UFRJ (2001). Atualmente é tecnologista Pleno da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). Tem experiência na área de Enfermagem com ênfase em Enfermagem Neonatal, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem, recém nascido, dor, método canguru.

Sandra Texeira de Araújo Pacheco, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira, Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery/UFRJ (2009). Mestrado em Enfermagem pela Faculdade de Enfermagem da UERJ. Professora Permanente do Programa de Pós Graduação da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora Adjunto do Departamento de Enfermagem Materno-infantil da Faculdade de Enfermagem da UERJ. Pró-cientista UERJ. Líder do Grupo de Pesquisa: Cuidando da Saúde das Pessoas: aspectos filosóficos e bioéticos/ UERJ e Membro do grupo de Pesquisa Enfermagem em saúde da criança e do adolescente/ UFRJ/ EEAN. Participa como parecerista ad-hoc da revista Latino-Americana de Enfermagem, Revista de Enfermagem da UERJ. Revista de Enfermagem da Universidade federal de Santa Maria. Desenvolve pesquisas na área da saúde da criança com ênfase nas Crianças com necessidades especiais de saúde (CRIANES). Orienta Tese, dissertações, pesquisas de iniciação científica e trabalhos de conclusão de curso (especialização lato sensu e Graduação).

Adriana Teixeira Reis, Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto Fernandes Figueiras

Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery- EEAN/UFRJ (2010). Mestre em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2004).Especialista em Pediatria e Neonatologia pela UERJ (2000) e em Gestão Hospitalar pela ENSP (FIOCRUZ, 2003). Graduada em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1997). Atualmente é professora adjunta da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Departamento de Enfermagem Materno-Infantil) e enfermeira do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem Pediátrica e Neonatal, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem neonatal cirúrgica, cuidado humanizado e segurança do paciente pediátrico e neonatal.

Cristiano Bertolossi Marta, Universidade do Estado do Rio de Janeiro Universidade Veiga de Almeida

Enfermeiro. Pos-Doutor em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Doutor em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor Adjunto do Departamento de Fundamentos de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Plum Analytics

Referências

– Soares ACO, Caminha MFC, Coutinho ACFP, Ventura CMU. Dor em unidade neonatal: conhecimento, atitude e prática da equipe de enfermagem. Cogitare Enfermagem. [internet] 2016 [cited 2019 jan 29]; 21 (2): 01-10. Available from: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/42897/28163. doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i2.42897

- Nazareth CD, Lavor MFH, Sousa TMAS. Ocorrência de dor em bebês internados em unidade de terapia intensiva neonatal de maternidade terciária. Revista de Medicina da UFC. [internet] 2015 [cited 2019 jun 25]; 55(1): 33-7. Available from: http://periodicos.ufc.br/revistademedicinadaufc/article/view/19784/30417. doi: 10.20513/2447-6595.2015v55n1p33-37

- Cruz CT, Stumm EMF. Instrumentation and implementation of pain evaluation scale in a

Neonatal Intensive Care Unit. Case report. Rev Dor. São Paulo [internet] 2015 [cited 2019 jun 25]; 16(3):232-4. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rdor/v16n3/pt_1806-0013-rdor-16-03-0232.pdf. doi:10.5935/1806-0013.20150046

- Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. “Atenção humanizada ao recém‑ nascido de baixo peso: Método Canguru” Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011.

– Motta GCP, Cunha MLC. Prevenção e manejo não farmacológico da dor no recém-nascido. Rev Bras Enferm. [Internet] 2015 [cited 2019 Aug 18]; 68(1):131-5. Available from: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/117307/000966524.pdf?sequence=1. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680118p

– American Academy of Pediatrics, & Fetus and New Born Committee. Prevention and management of pain in the neonate: na update. Pediatrics. [internet] 2006 [cited 2019 Aug 30]; 118(5):2231-41. Available from: https://pediatrics.aappublications.org/content/pediatrics/118/5/2231.full.pdf. doi: doi:10.1542/peds.2006-2277

- Lago P, Garetti E, Merazzi D, Pieragostini L, Ancora G, Pirelli A, Bellieni CV. Guidelines for procedural pain in the newborn. Acta Paediatrica. [internet] 2009 [cited 2019 Aug 30]; 98(6):932-9. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19484828. doi: 10.1111/j.1651-2227.2009.01291.x

– Alves CO, Duarte ED, Azevedo VMGO, Nascimento GR, Tavares TS. Emprego de soluções adocicadas no alívio da dor neonatal em recém-nascido prematuro: uma revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm. [Internet] 2011 [cited 2019 Aug 19]; 32(4):788-96. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472011000400021. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000400021

- Santos LM, Ribeiro IS, Santana RCB. Identificação e tratamento da dor no recém-nascido prematuro na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm. [Internet] 2012 [cited 2019 Aug 19]; 65(2):269-75. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reben/v65n2/v65n2a11.pdf. doi: 10.1590/S0034-71672012000200011

- Wieczorkievicz AM, Maia EDW, Lamin S, Alcantara SBC. Percepção do enfermeiro em relação à utilização de escalas de avaliação de dor em recém-nascidos. Saúde Meio Ambient. [Internet] 2013 [cited 2019 Aug 19]; 2(2):20-31. Available from: http://www.periodicos.unc.br/index.php/sma/article/view/413. doi: https://doi.org/10.24302/sma.v2i2.413

- Scochi CGS, Carletti M, Nunes R, Furtado MCC, Leite AM. A dor na unidade neonatal sob a perspectiva dos profissionais de enfermagem de um hospital de Ribeirão Preto-SP. Rev Bras Enferm. [Internet] 2006 [cited 2019 Aug 18]; 59(2):188-94. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672006000200013 doi: 10.1590/S0034-71672006000200013

- Oliveira RM, Silva AVS, Silva LMS, Silva APAD, Chaves EMC, Bezerra SC. Implementação de medidas para o alívio da dor em neonatos pela equipe de enfermagem. Esc Anna Nery. [Internet] 2011 [cited 2019 Aug 19]; 15(2):277-83. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452011000200009. doi:10.1590/S1414-81452011000200009

- Dilen B, Elseviers M. Oral Glucose Solution as Pain Relief in Newborns: Results of a Clinical Trial. Birth. [Internet] 2010 [cited 2019 Aug 19]; 37(2):98–105. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20557532. doi:10.1111/j.1523-536X.2010.00389.x

- Lefrak L, Burch K, Caravantes R, Knoerlein K, DeNolf N, Duncan J, et al. Sucrose analgesia: identifying potentially better practices. Pediatrics. [Internet] 2006 [cited 2019 Aug 21]; 118 (supply 2): S197-202. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17079623. doi: 10.1542/peds.2006-0913R

- Liu MF, Lin KC, Chou YH, Lee TY. Using non-nutritive sucking and oral glucose solution with neonates to relieve pain: a randomised controlled trial. J Clin Nurs. [Internet] 2010 [cited 2019 Aug 21]; 19(11-12):1604-11. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20384669. doi:10.1111/j.1365-2702.2009.03014.x

– Bond C. Positive touch and massage in the neonatal unit: a british approach. Semin Neonatol. [Internet] 2002 [cited 2019 Aug 2]; 7(6):477-86. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12614600.

- Santos LM, Pereira MP, Santos LFN, Santana RCB. Avaliação da dor no recém-nascido prematuro em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm. [Internet] 2012 [cited 2019 Jul 19]; 65(1): 27-33. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reben/v65n1/04.pdf. doi: 10.1590/S0034-71672012000100004

- Veronez M, Corrêa DAM. A dor e o recém-nascido de risco: percepção dos profissionais de enfermagem. Cogitare Enferm. [Internet] 2010 [cited 2019 Jul 19]; 15(2):263-70. Available from: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/17859/11652. doi: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v15i2.17859

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>