Post-surgical deaths in neonates with congenital malformations in the digestive or musculoskeletal systems / Óbitos pós-cirúrgicos em neonatos com malformações congênitas do aparelho digestivo ou osteomuscular

Main Article Content

Suzy Romere Silva de Alencar
http://orcid.org/0000-0002-9547-6727
Anna Katharinne Carreiro Santiago
http://orcid.org/0000-0001-5933-1793
Bianca Maria Cardoso de Sousa Vieira
http://orcid.org/0000-0002-5962-7540
Marianne Rocha Duarte de Carvalho
http://orcid.org/0000-0001-8479-7376

Resumo

Objetivo: analisar a ocorrência de óbitos pós-cirúrgicos em recém-nascidos com malformação do aparelho digestivo ou osteomuscular em uma maternidade de referência. Método: estudo exploratório, retrospectivo, de abordagem quantitativa, realizado em uma maternidade de referência localizada em Teresina – PI. Os dados foram coletados do Tabwin e de fichas de investigação de óbito infantil de neonatos nascidos em 2016 e 2017 e analisados no software Statistical Package for the Social Sciences. Resultados: o tipo de malformação mais prevalente do aparelho digestivo e osteomuscular entre os neonatos que foram a óbito após cirurgia foi o ânus imperfurado (41%) e a gastrosquise (64,2%), respectivamente. O choque séptico, seguido da insuficiência renal aguda foram os fatores determinantes dos óbitos analisados. Conclusão: o diagnóstico precoce é o fator primordial para redução da morbimortalidade de neonatos acometidos por malformações congênitas, uma vez que contribui para o direcionamento e planejamento dos cuidados imprescindíveis a esses pacientes.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Silva de Alencar SR, Carreiro Santiago AK, Cardoso de Sousa Vieira BM, de Carvalho MRD. Post-surgical deaths in neonates with congenital malformations in the digestive or musculoskeletal systems / Óbitos pós-cirúrgicos em neonatos com malformações congênitas do aparelho digestivo ou osteomuscular. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de junho de 2021 [citado 17º de maio de 2022];13:678-84. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9429
Seção
Research
Biografia do Autor

Suzy Romere Silva de Alencar, Universidade Estadual do Piauí

Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual do Piauí

Anna Katharinne Carreiro Santiago, Universidade Estadual do Piauí

Enfermeira Graduada pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), enfermeira da maternidade Dona Evangelina Rosa, docente do curso de enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Teresina-Piauí-Brasil.

Bianca Maria Cardoso de Sousa Vieira, Instituto de Ensino Superior Múltiplo (IESM)

Enfermeira Graduada pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI), pós-graduanda em Enfermagem Obstétrica pelo Instituto de Ensino Superior Múltiplo (IESM), Teresina-Piauí-Brasil.

Marianne Rocha Duarte de Carvalho, Universidade Estadual do Piauí

Enfermeira pela Faculdade de Saúde, Ciências Humanas e Tecnológicas do Piauí, doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), enfermeira do Hospital Universitário da UFPI (HUPI), docente do curso de enfermagem da Universidade Estadual do Piauí (UESPI), Teresina-Piauí-Brasil.

Plum Analytics

Referências

Cao H, Wang J, Li Y, Li D, Guo J, Hu Y, et al. Trend analysis of mortality rates and causes of death in children under 5 years old in Beijing, China from 1992 to 2015 and forecast of mortality into the future: an entire population-based epidemiological study. BMJ open (Online) [periódico na Internet]. 2017 [acesso em 20 mai 2018]; 7(9): e015941. Disponível em: https://bmjopen.bmj.com/content/bmjopen/7/9/e015941.full.pdf.

Maranhão AGK, Vasconcelos AMN, Trindade CM, Victora CG, Rabello Neto DL, Porto D, et al. Mortalidade infantil no Brasil: tendências, componentes e causas de morte no período de 2000 a 2010. In: Brasil. Ministério da Saúde. Saúde Brasil 2011: uma análise da situação de saúde e vigilância da saúde da mulher. Brasília (DF): Ministério da Saúde (Online) [periódico na Internet]. 2012 [acesso em 13 jun 2018]; p.163-82. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/12478

Secretaria Municipal da Saúde (Brasil). Coordenação de Epidemiologia e Informação – CEInfo. Declaração de Nascido Vivo - Manual de Anomalias Congênitas. 2ª Ed. São Paulo: Secretaria Municipal da Saúde [manual na Internet]. 2012 [acesso em 12 jun 2018]; 97p. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/saude/arquivos/sinasc/SINASC_ManualAnomaliasCongenitas_2012.pdf

Bidondo MP, Groisman B, Gili JÁ, Liascovich R, Barbero P. Estudio de prevalencia y letalidad neonatal en pacientes con anomalías congénitas seleccionadas con datos del Registro Nacional de Anomalías Congénitas de Argentina. Archivos argentinos de pediatria (Online) [periódico na Internet]. 2015 [acesso em 20 abr 2018]; 113(4): 295-302. Disponível em: <http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0325-00752015000400004&lng=es. http://dx.doi.org/10.5546/aap.2015.295>

Kültürsay N, Askar N, Terek D, Yeniel AO, Altun Koroglu O, Yalaz M, et al. The change of perinatal mortality over three decades in a reference centre in the aegean region: neonatal mortality has decreased but foetal mortality remains unchanged. Balkan medical journal (Online) [periódico na Internet]. 2017 [acesso em 28 mai 2018]; 34(6): 553-558, 2017. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28832325.

Cooper JN, minneci PC, Deans KJ. Postoperative neonatal mortality prediction using superlearning. Journal of Surgical Research (Online) [periódico na Internet]. 2017 [acesso em 24 ago 2018]; 221: 311-319. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29229144

Laurenti R, Siqueira AA, Jorge MH, Gotlieb SL, CE Pimentel. A importância das anomalias congênitas ao nascer. Journal of Human Growth and Development (Online) [periódico na Internet]. 2014 [acesso em 05 dez 2018]; 24 (3): 328-38. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12822014000300013&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Rodrigues LD, Lima RH, Costa LC, Batista RF. Características das crianças nascidas com malformações congênitas no município de São Luís, Maranhão, 2002-2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde (Online) [periódico na Internet]. 2014 [acesso em 05 dez 2018]; 23(2): 295-304. Disponível em: <https://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S2237-96222014000200295&script=sci_arttext&tlng=pt.>

Vieira PBS. Malformações congênitas do sistema digestório e da parede abdominal em um hospital público mineiro.Uberlândia. Monografia [graduação em Enfermagem] -Universidade Federal de Uberlândia; 2018. [acesso em 07 dez 2018]. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/21960

Mendes CQS, Avena MJ, Mandetta MA, Balieiro MM. Prevalência de nascidos vivos com anomalias congênitas no município de São Paulo. Rev Soc Bras Enferm Ped (Online) [periódico na Internet]. 2015 [acesso em 06 dez 2018]; 15(1): 7-12. Disponível em: https://sobep.org.br/revista/images/stories/pdf-revista/vol15-n1/vol_15_n_2-artigo-de-pesquisa-1.pdf

Freitas JL. Gastrosquise: experiência de trinta e quatro anos em um centro de referência em cirurgia pediátrica. Santa Catarina. Dissertação [Mestrado em Cuidados Intensivos e Paliativos] - Universidade Federal de Santa Catarina; 2016. [acesso em 05 dez 2018]. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/173258

Díaz C, Copado Y, Munoz H. Malformaciones de la pared abdominal. Revista Médica Clínica Las Condes (Online) [periódico na Internet]. 2016 [acesso em 07 dez 2018]; 27(4): 499-508. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0716864016300591.

Andrade AM, Ramalho AA, Opitz SP, Martins FA, Koifman RJ. Anomalias congênitas em nascidos vivos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde (Online) [periódico na Internet]. 2017 [acesso em 07 dez 2018]; 30(3): 1-11. Disponível em: http://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6309/pdf.

Fontoura FC, Cardoso MVLML. Associação das malformações congênitas com variáveis neonatais e maternas em Unidades Neonatais numa cidade do Nordeste Brasileiro. Texto & Contexto Enfermagem (Online) [periódico na Internet]. 2014 [acesso em 09 dez 2018]; 23(4): 907-914. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072014000400907&script=sci_arttext&tlng=pt>

Vilaça CRJB, Martins RCG. Análise descritiva dos recém-nascidos com malformação congênita no estado de pernambuco. Veredas Favip – Rev Eletrônica de Ciências (Online) [periódico na Internet]. 2017 [acesso em 18 jun 2018]; 10(1): 59-68. Disponível em: http://veredas.favip.edu.br/ojs/index.php/veredas1/article/view/651.

Cosme HW, Lima LS, Barbosa, LG. Prevalência de anomalias congênitas e fatores associados em recém-nascidos do município de São Paulo no período de 2010 a 2014. Rev paul pediatr (Online) [periódico na Internet]. 2017 [acesso em 19 fev 2019]; 35(1): 33-38. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822017000100033&lng=pt&nrm=iso>

Lima SS, Silva SM, Avila PE, Nicolau MV, Neves PF. Aspectos clínicos de recém-nascidos admitidos em Unidade de Terapia Intensiva de hospital de referência da Região Norte do Brasil. ABCS Health Sciences (Online) [periódico na Internet]. 2015 [acesso em 08 dez 2018]; 40(2): 62-68. Disponível em: https://nepas.emnuvens.com.br/abcshs/article/view/732/672.