Social implications in the lives of people with sickle cell anemia / Implicações sociais na vida da pessoa com anemia falciforme

Main Article Content

Laise Maria Formiga Moura Barroso
http://orcid.org/0000-0003-4312-230X
Camila dos Nascimento
http://orcid.org/0000-0001-5700-7084
Erika Layne Gomes Leal
http://orcid.org/0000-0002-2000-1014
Gerdane Celene Nunes Carvalho
http://orcid.org/0000-0001-9625-7617
Karine Rafaela de Moura
http://orcid.org/0000-0002-7409-747X
Ana Cristina de Souza Vieira
http://orcid.org/0000-0002-8844-5375

Resumo

Objetivo: Analisar as implicações sociais advindas da anemia falciforme na vida da pessoa com a doença. Método: Estudo descritivo, exploratório, quantitativo, realizado com 80 pessoas com anemia falciforme. Os dados foram coletados no período de janeiro a julho de 2016 no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Piauí, por meio de um questionário para a obtenção de dados socioeconômicos, demográficos e clínicos. Os dados foram tabulados no programa Microsoft Excel 2010 e dispostos em forma de tabelas e gráficos. Resultados: As crises dolorosas foram às complicações mais frequentes (70%), (77,5%) relataram não ter recebido orientação sobre a doença e (62,5%) não residiam na cidade onde realizava o tratamento. Conclusão: A anemia falciforme acarreta implicações negativas na vida da pessoa, como por exemplo, a reprovação/evasão escolar. Desse modo, os profissionais de saúde devem elaborar estratégias de enfrentamento da doença, assim, aumentando a qualidade de vida desse público.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Moura Barroso LMF, dos Nascimento C, Gomes Leal EL, Nunes Carvalho GC, de Moura KR, de Souza Vieira AC. Social implications in the lives of people with sickle cell anemia / Implicações sociais na vida da pessoa com anemia falciforme. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de junho de 2021 [citado 24º de janeiro de 2022];13:705-10. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9498
Seção
Research
Biografia do Autor

Laise Maria Formiga Moura Barroso, Universidade Estadual do Piauí - UESPI

Doutora em Serviço Social pela UFPE/IRSA. Professora de Enfermagem adjunta da Universidade Estadual do Piauí - UESPI.

Camila dos Nascimento, Faculdade de ciências e tecnologia de Teresina/FACET

Especialista em Urgência e Emergência e em Unidade de Terapia Intensiva pela Faculdade de ciências e tecnologia de Teresina - FACET. Enfermeira do Hospital Dr Oscar.

Erika Layne Gomes Leal, Universidade Estadual do Piauí - UESPI

Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual do Piauí - UESPI.

Gerdane Celene Nunes Carvalho, Universidade Estadual do Piauí – UESPI

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará – UFC. Professora de enfermagem adjunta da Universidade Estadual do Piauí.

Karine Rafaela de Moura, Faculdade de ciências e tecnologia de Teresina - FACET

Especialista em Urgência e Emergência pela Faculdade de Ciências e Tecnologia de Teresina. Enfermeira do Hospital Memorial do carmo.

Ana Cristina de Souza Vieira, Universidade Federal do Pernambuco - UFPE

Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Orientadora do programa de pós-graduação em serviço social da Universidade Federal do Pernambuco.

Plum Analytics

Referências

Soares LF, Leal JMA, Vieira JFP, Oliveira EH. Prevalência das hemoglobinas S e C em heterozigose em duas comunidades de povos de terreiros na cidade de Teresina, Piauí. Rev Ciênc Farm Básica Apl. 2015;36(1):91-95.

Ramos JT, Amorim FS, Pedroso FKF, Nunes ACC, Rios MA. Mortalidade por doença falciforme em estado do nordeste brasileiro. R. Enferm. Cent. O. Min. 2015;5(2):1604-1612.

Soares LF, Lima EM, Silva JA, Fernandes SS, Silva KMC, Lins SP, Damasceno BPGL, Verde RMCL, Gonçalves MS. Prevalência de hemoglobinas variantes em comunidades quilombolas no estado do Piauí, Brasil. Ciência e saúde coletiva. 2017;22(11):3773-3780.

Cardoso SC, Barbosa ACCS, Pinheiro SNAP, Martins LN. Complicações da síndrome falciforme. Revista de Enfermagem Contemporânea. 2016;5(2):253-260.

Amaral JL, Almeida NA, Santos OS, Oliveira PP, Lanza FM. Perfil sociodemográfico, econômico e de saúde de adultos com doença falciforme. Rev. Rene. 2015;16(3):296-305.

Rodrigues CSS, Xavier ASG, Carneiro JM, Silva TD, Araújo RLMS, Passos SSS. Caracterização das pessoas com doença falciforme em uma cidade do estado da Bahia. Rev Baiana Enferm. 2018;32:e26065.

Ministério da Saúde (BR). Portaria GM/MS nº 1.391, de 16 de agosto de 2005: institui no âmbito do Sistema Único de Saúde as diretrizes para a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doença Falciforme e Outras Hemoglobinopatias. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2005 ago 18; 159 Seção 1:40.

Cruz SV, Martelli DRB, Araújo MX, Leite BGL, Rodrigues LAM, Júnior HM. Avaliação da qualidade de vida em pacientes adultos com anemia falciforme no norte de Minas Gerais, Brasil. Rev Med Minas Gerais. 2016;26(Supl 5):S23-S30.

Rodrigues WCC, Seibert CS, Silva KLF. Um olhar sobre a formação do aluno com doença falciforme. Revista Desafios. 2017;4(1):86-94.

Silva Júnior AO, Rocha FCG, Carvalho ML, Campelo CL, Amorim LMM, Sousa DJ. Perfil dos casos de anemia falciforme atendidos no centro de hematologia e hematoterapia do Maranhão. R. Interd. 2015;8(2):130-136.

Araújo OMR, Ivo ML, Ferreira Júnior MA, Pontes ERJC, Bispo IMGP, Oliveira ECL. Sobrevida e mortalidade em usuários e não usuários de hidroxiureia com doença falciforme. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2015;23(1):67-73.

Meneses RCT, Zeni PF, Oliveira CCC, Melo CM. Promoção de saúde em população quilombola nordestina: análise de intervenção educativa em anemia falciforme. Escola Anna Nery. 2015;19(1):132-139.

Pereira ISSD, Pereira JD, Cirne BJO. Condições socioeconômicas e saúde das famílias portadoras de anemia falciforme. Serv. Soc. Rev. 2017;20(1):119-136.

Gonçalves ID, Cordeiro MM, Silva ZB. Anemia falciforme e o comprometimento da aprendizagem em crianças e jovens no período escolar. Rev. Ens. Educ. Cienc. Human. 2018;19(2):245-251.

Lorencini GRF, Paula KMP. Perfil comportamental de crianças com anemia falciforme. Temas Psicol. 2015;23(2):269-280.

Ministério da Saúde (BR). Doença falciforme: orientações básicas no espaço de trabalho. Brasília (DF); 2014.

Freitas SLF, Ivo ML, Figueiredo MS, Gerk MAS, Nunes CB, Monteiro FF. Qualidade de vida em adultos com doença falciforme: Revisão integrativa de literatura. Rev Bras Enferm. 2018;71(1):207-17.

Matos PASBA. Doença falciforme: dados epidemiológicos e avaliação da efetividade de um serviço de referência. [Dissertação]. Vitória (ES). Escola Superior de Ciências da Santa Casa de Misericórdia de Vitória; 2014.

Fernandes APPC, Januário JN, Cangussu CB, Macedo DL, Viana MB. Mortalidade de crianças com doença falciforme: um estudo de base populacional. J. Pediatr. 2010;86(4):279-84.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)