Marriage in mental health in the vision of professionals who work primary care health / Matriciamento em saúde mental na visão de profissionais que atuam atenção primária a saúde

Main Article Content

Renê Ferreira da Silva-Junior
http://orcid.org/0000-0002-3462-3930
Eduardo Ferreira Moura Ribeiro
http://orcid.org/0000-0002-0669-3472
Rodrigues Soares Araújo
http://orcid.org/0000-0003-2309-7362
Ricardo Otávio Maia Gusmão
http://orcid.org/0000-0001-9941-1114
Diego Dias de Araújo
http://orcid.org/0000-0002-8927-6163
Orlene Veloso Dias
http://orcid.org/0000-0002-9017-7875

Resumo

Objetivo: conhecer as percepções de profissionais que atuam na atenção primária a saúde acerca do matriciamento em saúde mental. Métodos: estudo descritivo com abordagem qualitativa, realizado em um polo de matriciamento em um município no Norte de Minas Gerais, participaram nove profissionais de saúde. Utilizou-se uma entrevista semi-estruturada. A análise dos dados foi realizada utilizando-se a Análise de Conteúdo. Resultados: o conteúdo das falas destacaram a importância do Apoio Matricial; a ideia central de que todos são responsáveis pelo cuidado; o matriciamento como fator que favorece a resolutividade. As dificuldades destacaram à sobrecarga de trabalho; muitos ainda consideram prática interdisciplinar como algo difícil e assumir a responsabilidade e continuidade dos casos. Conclusão: os profissionais reconhecem o apoio matricial como uma estratégia indispensável. No entanto, no cotidiano dos serviços existem algumas dificuldades que permeiam as práticas dos profissionais que precisam ser problematizadas para que a efetiva implantação da proposta possa ser consolidada.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Silva-Junior RF da, Moura Ribeiro EF, Araújo RS, Maia Gusmão RO, de Araújo DD, Dias OV. Marriage in mental health in the vision of professionals who work primary care health / Matriciamento em saúde mental na visão de profissionais que atuam atenção primária a saúde. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 27º de outubro de 2021 [citado 25º de janeiro de 2022];13:1415-20. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9518
Seção
Research
Biografia do Autor

Renê Ferreira da Silva-Junior, Instituto Federal de Santa Catarina.

Técnico em enfermagem (Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Norte de Minas Gerais). Graduado em Enfermagem (Faculdades Unidas do Norte de Minas Gerais), bolsista de iniciação científica, especialista em Gestão e Auditoria dos serviços de Saúde (Faculdades Integradas Pitágoras), Urgência e Emergência e Terapia Intensiva (Faculdades Integradas Pitágoras), Residência em Saúde da Família (Universidade Estadual de Montes Claros), especialista em Educação Profissional e Tecnológica (Faculdade Venda Nova do Imigrante). Mestre em Ensino em Saúde (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri), Mestre em Ciências da Saúde (Universidade Estadual de Montes Claros). Delegado de Saúde na Conferência Municipal de Saúde do Município de Montes Claros. Membro dos grupos de pesquisa Fadiga por Compaixão - Universidade Estadual de Montes Claros e Educação Popular em Saúde - UFVJM. Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico - Área Enfermagem no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, câmpus Joinville. Pesquisador nas áreas de ensino em saúde, atenção primária a saúde, avaliação dos serviços de saúde, pesquisa qualitativa e oncologia.

 

Eduardo Ferreira Moura Ribeiro, Faculdade de Saúde Ibituruna.

Aluno do curso de gradução em enfermagem.

Rodrigues Soares Araújo, Faculdade de Saúde Ibituruna

Aluno do curso de graduação em enfermagem.

Ricardo Otávio Maia Gusmão, Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros

Doutorando em Enfermagem pelo Programa de Pós Graduação em Enfermagem da UFMG. Mestre em Teoria Psicanalítica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro- UFRJ (2016).Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual de Montes Claros, Unimontes-MG (2004). Pós graduação em Saúde Mental, Atenção Psicossocial, álcool e outras drogas pela Faculdade de Saúde Ibituruna-FASI (2010). Residência Multiprofissional em Saúde da Família pelo HUCF-Unimontes.Faz formação em psicanálise pelo Instituto de Psicanálise e Saúde Mental de Minas Gerais. Professor efetivo de educação superior na Universidade Estadual de Montes Claros- Unimontes, Departamento de Enfermagem, disciplina Saúde Mental. Coordenador,Tutor e preceptor da Residência de Saúde Mental e da Universidade Estadual de Montes Claros.Professor de Saúde Mental nas Faculdades Unidas do Norte-Funorte e Faculdade de Saúde Ibituruna- FASI, atuando nos cursos de Enfermagem, Psicologia e Medicina.Membro do Núcleo de estudos e pesquisas sobre sistematizar, cuidar e evidenciar em Enfermagem - NEPESCE - Unimontes. Possui cargo efetivo de enfermeiro em Saúde Mental na Rede de Atenção Psicossocial do município de Montes Claros-MG atuando na Atenção Primária à Saúde como Apoiador Matricial em Saúde Mental. Atua na Coordenação de Saúde Mental na gestão das ações de Apoio Matricial do município de Montes Claros-MG .Têm experiência na área de Saúde Coletiva com ênfase em Saúde Mental, atuando principalmente nos seguintes temas: Políticas de Saúde, Assistência à Saúde Mental,Cuidado Primário de Saúde Mental, Cuidado de Enfermagem e Psicanálise.

Diego Dias de Araújo, Universidade Estadual de Montes Claros

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES (2010), Especialização em Saúde do Idoso pela Residência Integrada Multiprofissional em Saúde do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais - HC/UFMG (2011 / 2013), Mestrado (2013/2014) e Doutorado (2015/ 2017) em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais - EE/UFMG. Atualmente é professor efetivo do curso de graduação em Enfermagem da UNIMONTES. Líder do Núcleo de estudos e pesquisas sobre sistematizar, cuidar e evidenciar em Enfermagem - NEPESCE - UNIMONTES. Pesquisador da Rede de Pesquisa em Processo de Enfermagem (RePPE). Focos de atuação: Saúde do Adulto e Idoso, Prática Baseada em Evidência Científica, Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), Processo de Enfermagem e Taxonomias/Classificações de Enfermagem (NANDA I, NIC, NOC e CIPE).

Orlene Veloso Dias, Universidade Estadual de Montes Claros

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais (1994), Mestrado em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (2010) e Doutorado em Ciências pela Universidade Federal de São Paulo (2016). Atualmente é Professora efetiva do Departamento de Enfermagem da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), professora colaboradora do Mestrado Profissional em Cuidado Primário em Saúde da Unimontes e colaboradora do Conselho Federal de Enfermagem como membro da Comissão de Educação do Fórum dos Conselhos Federais da Área da Saúde. Tem experiência nos seguintes temas: enfermagem, saúde coletiva, bioética e ética profissional.

 

Plum Analytics

Referências

Lazarino MSA, Silva TL, Dias EC. Apoio matricial como estratégia para o fortalecimento da saúde do trabalhador na atenção básica. Rev. bras. saúde ocup. [Internet]. 2019 [acesso em 6 de outubro 2019]; 44(23). Disponível em: https://doi.org/10.1590/2317-6369000009318.

Ministério da Saúde (BR). Guia prático de matriciamento em saúde mental [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2011 [acesso em 6 de outubro 2019]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_pratico_matriciamento_saudemental.pdf.

Barros AC, Nascimento KC, Silva LKB, Silva JVS. A estratégia saúde da família no processo de matriciamento da saúde mental na atenção básica. Desafíos. Rev. cienc. tecnol. arte hum. [Internet]. 2018 [acesso em 07 de outubro 2019]; 05(1). Disponível em: http://dx.doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2018vol5n1p121.

Iglesias A, Avellar LZ. Matriciamento em Saúde Mental: práticas e concepções trazidas por equipes de referência, matriciadores e gestores. Ciênc. Saúde Colet. [Internet]. 2019 [acesso em 8 de outubro 2019]; 24(4). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v24n4/1413-8123-csc-24-04-1247.pdf .

Gusmão ROM, Samudio JPL. Intersetorialidade e Saúde Mental: enlaces possíveis à clínica. In: RomagnolI RC. A Intersetorialidade e seus desafios. Curitiba: CRV; 2018.

Santos RABG, Uchôa LRLF, Lima LC. Apoio matricial e ações na atenção primária: experiência de profissionais de ESF e Nasf. Saúde debate. [Internet]. 2017 [acesso em 10 de outubro 2019]; 41(114). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711402.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2016.

Chazan LF, Fortes S, Camargo-Junior, KR, Freitas GC. O apoio matricial na Atenção Primária em Saúde no município do Rio de Janeiro: uma percepção dos matriciadores com foco na Saúde Mental. Physis (Rio J.). [Internet]. 2019 [acesso em 2 de novembro 2019]; 29(2). Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0103-73312019290212.

¬9. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde. [portaria na internet]. Diário Oficial da União 22 set 2017 [acesso em 2 nov 2019]; Seção1, (183). Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

Oliveira MM, Campos GWS. Formação para o apoio matricial: percepção dos profissionais sobre processos de formação. Physis (Rio J.). [Internet]. 2017 [acesso em 15 de outurbo 2019]; 27(2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312017000200002.

Belotti M, Lavrador MCC. A prática do apoio matricial e os seus efeitos na atenção primária à saúde. Cad. Bras. Ter. Ocup. [Internet]. 2016 [acesso em 16 de outurbro 2019]; 24(2). Disponível em: https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoRE0627.

Jorge MSB, Sousa FSP, Franco TB. Apoio matricial: dispositivo para resolução de casos clínicos de saúde mental na Atenção Primária à Saúde. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2013 [acesso em 17 de outubro 2019]; 66(5). Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/2670/267028883015.pdf.

Viana MMO, Campos GWSC. Formação Paideia para o Apoio Matricial: uma estratégia pedagógica centrada na reflexão sobre a prática. Cad. saúde colet., (Rio J.). [Internet]. 2018 [acesso em 19 de outubro 2019]; 34(8). Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311x00123617.

Barros JO, Gonçalves RMA, Kaltner RP, Lancman S. Estratégia do apoio matricial: a experiência de duas equipes do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) da cidade de São Paulo, Brasil. Ciênc. Saúde Colet. [Internet]. 2015 [acesso em 19 de outubro 2019]; 20(9). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015209.12232014.

Salvador DB, Pio DAM. Apoio Matricial e Capsi: desafios do cenário na implantação do matriciamento em saúde mental. Saúde debate. [Internet]. 2016 [acesso em 20 de outubro 2019]; 40(111). Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-1104201611119.

Vasconcelos MGF, Jorge MSB, Pinto AGA, Pinto DM, Simões ECP, Neto JPM. Práticas inovadoras de saúde mental na atenção básica: apoio matricial na redefinição do processo de trabalho em saúde. Cad. Bras. Saúde. Ment. [Internet]. 2012 [acesso em 21 de outubro 2019]; 4(8). Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/68663.

Gonçalves RC, Peres RS. Matriciamento em saúde mental: obstáculos, caminhos e resultados. Rev. SPAGESP. [Internet]. 2018 [acesso em 22 de outubro 2019]; 19(2). Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-29702018000200010.

Bonfim IG, Bastos ENE, Góis CWL, Tófoli LF. Apoio matricial em saúde mental na atenção primária à saúde: uma análise da produção científica e documental. Interface (Botucatu). [Internet]. 2013 [acesso em 31 de julho 2020]; 17(45). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832013005000012.

Vasconcelos MS, Barbosa VFB. Conhecimento de gestores e profissionais da rede de atenção psicossocial sobre matriciamento em saúde mental. Ciênc. cuid. saúde. [Internet]. 2019 [acesso em 1 de novembro 2019]; 18(4). Disponível em: https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v18i4.43922.

Hirde A. Apoio Matricial em saúde mental: a perspectiva dos especialistas sobre o processo de trabalho. Saúde debate. [Internet]. 2018 [acesso em 1 de Novembro 2019]; 42(118). Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042018000300656.

Entreportes MBA, Fonseca WNS, Rocha EM da, Volpato RJ, Nascimento VF do, Lemes AG. Percepção dos profissionais de saúde da atenção básica sobre o matriciamento em saúde mental no interior de Goiás. Rev. Gest. Saúde (Brasília). [Internet]. 2017 [acesso em 2 de novembro 2019]; 08(1). Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/rgs/article/view/3686.

Treichel CAS, Campos RTO, Campos GWS. Impasses e desafios para consolidação e efetividade do apoio matricial em saúde mental no Brasil. Interface (Botucatu, Online). [Internet]. 2019 [acesso em 2 de novembro 2019]; 23(e180617). Disponível em: https://doi.org/10.1590/interface.180617.

Nascimento OC, Sousa BVN, Cunha BSG, Mascarenhas MS. O apoio matricial em saúde mental e suas implicações nos serviços da atenção básica. Psico USF. [Internet]. 2019 [acesso em 2 de novembro 2019]; 8(1). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pusf/v18n1/v18n1a16.pdf.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)