Breastfeeding in primary care: do the mothers perform this practice? / Amamentação na atenção básica: as mães realizam essa prática?

Main Article Content

Marcela Souza da Silva
Patricia Silva Santos
Viviane Graciele da Silva
Patrícia Mônica Ribeiro

Resumo

Objetivo: identificar como as mães que residem nas áreas de cobertura de duas estratégias de saúde da família de um município do sul de Minas Gerais realizaram a amamentação. Método: estudo transversal, com abordagem quantitativa de natureza descritiva e retrospectivo. Resultados: participaram do estudo 120 nutrizes. Observa-se que são jovens (71% de 20 a 25 anos), com boa escolaridade (67% ensino médio completo), tiveram a primeira gestação na juventude (66% entre 15 e 19 anos), e a maioria possui dois filhos (44%). Dos nascimentos 90% tiveram um filho e 10% tiveram gêmeos. Constatou-se a prevalência de partos cesáreos (66%). O aleitamento teve início no alojamento conjunto (60%); e o misto foi predominante (73%), destacando-se essa prática para os filhos anteriores (88%). Conclusão: a prática da amamentação está associada à cultura familiar e não há valorização da amamentação exclusiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
da Silva MS, Santos PS, da Silva VG, Ribeiro PM. Breastfeeding in primary care: do the mothers perform this practice? / Amamentação na atenção básica: as mães realizam essa prática?. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 31º de maio de 2021 [citado 22º de maio de 2022];13:849-55. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9543
Seção
Research
Biografia do Autor

Marcela Souza da Silva, Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL/MG

Enfermeira graduada pelo Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé (UNIFEG - 2011). Especialista em Enfermagem do Trabalho pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER - 2014). Atualmente é enfermeira na Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Muzambinho. Mestranda na Universidade Federal de Alfenas - MG na linha de pesquisa - O processo de cuidar em Enfermagem.

Plum Analytics

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Política nacional de atenção integral à saúde da criança: orientações para implementação. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2018 [acesso em 23 de agosto 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2015/prt1130_05_08_2015.html.

Jesus PC, Oliveira MIC, Moraes JR. Capacitação de profissionais de saúde em aleitamento materno e sua associação com conhecimentos, habilidades e práticas. Ciênc. Saúde Colet. [Internet]. 2017 [acesso em 23 de março 2018]; 22(1). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232017221.17292015.

Aires LCP, Santos EKA, Costa R, Borck M, Custódio ZAO. Seguimento do bebê na atenção básica: interface com a terceira etapa do método canguru. Rev. gaúch. enferm. [Internet]. 2015 [acesso em 3 de março 2018]. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2015.esp.56805.

Venancio SI, Giugliani ERJ, Silva OLO, Stefanello J, Benicio MHD, Reis MCG, et al. Associação entre o grau de implantação da Rede Amamenta Brasil e indicadores de amamentação. Cad. Saúde Pública (Online). [Internet]. 2016 [acesso em 20 de novembro 2018]; 32(3). Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csp/2016.v32n3/e00010315/pt.

Branquinho ID, Lanza FM. Saúde da criança na atenção primária: evolução das políticas brasileiras e a atuação do enfermeiro. Rev. enferm. Cent.-Oeste Min. [Internet]. 2018 [acesso em 2 de fevereiro 2019]; 8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.19175/recom.v8i0.2753.

Maia VKV, Lima EFA, Leite FMC, Sousa AI, Primo CC. Avaliação dos indicadores de processo do Programa de Humanização no Pré-Natal e Nascimento e da Rede Cegonha. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online). [Internet]. 2017 [acesso em 12 de dezembro 2019]; 9(4). Disponível em: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i4.1055-1060.

Fernandes VMB, Santos EKA, Zampieri MFM, Gregório VRP, Hernandes MJ, Ribeiro LC. Condutas de gestores relacionadas ao apoio ao aleitamento materno nos locais de trabalho. Texto & contexto enferm. [Internet]. 2018 [acesso em 22 de setembro 2018]; 27(3). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-070720180002560016.

Ramos AE, Ramos CV, Santos MM, Almeida CAPL, Martins MCC. Conhecimentos sobre aleitamento materno e alimentação complementar dos profissionais de saúde. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2018 [acesso em 3 de abril 2019]; 71(6). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0494.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde da Criança: Nutrição Infantil. Aleitamento Materno e Alimentação Complementar. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2015 [acesso em 23 de agosto 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_aleitamento_materno_cab23.pdf.

Moura LP, Oliveira JM, Noronha DD, Torres JDRV, Oliveira KCF, Teles MAB. Percepção de mães cadastradas em uma estratégia saúde da família sobre aleitamento materno exclusivo. Rev. enferm. UFPE on line. [Internet]. 2017 [acesso em 22 de novembro 2018]; 11(3). Disponível em: http://dx.doi.org/10.5205/reuol.10263-91568-1-RV.1103sup201712.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7. ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas; 2008.

Fundo das nações unidas para a infância (UNICEF). Iniciativa hospital amigo da criança. Promovendo e incentivando a amamentação em um hospital amigo da criança. Brasília: Ministério da Saúde. 2009.

Vasquez J, Dumith SC, Susin LRO. Aleitamento materno: estudo comparativo sobre o conhecimento e o manejo dos profissionais da Estratégia Saúde da Família e do Modelo Tradicional. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. (Online). [Internet]. 2015 [acesso em 4 de novembro 2018]; 15(2). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1519-38292015000200004.

Nascimento CIM, Teodoro LPP, Vidal ECF, Pinto AGA. Concepções e práticas para o aleitamento materno: revisão integrativa. Rev. enferm. UFPE on line. [Internet]. 2017 [acesso em 7 de junho 2019]; 11(3). Disponível em: http://dx.doi.org/10.5205/reuol.10263-91568-1-RV.1103sup2017256.

Fialho FA, Lopes AM, Dias IMA, Salvador M. Fatores Associados ao desmame precoce do aleitamento materno. rev. cuid. (Bucaramanga. 2010). [Internet]. 2014 [acesso em 5 de abril 2019]; 5(91). Disponível em: http://www.scielo.org.co/pdf/cuid/v5n1/v5n1a11.pdf.

Rêgo RMV, Souza AMA, Rocha TNA, Alves MDS. Paternidade e amamentação: mediação da enfermeira. Acta Paul. Enferm. (Online). [Internet]. 2016 [acesso em 12 de agosto 2019]; 29(4). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201600052.

Torquato RC, Silva VMGN, Lopes APA, Rodrigues LN, Silva WCP, Chaves EMC. Perfil de nutrizes e lactentes atendidos na Unidade de Atenção Primária de Saúde. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. [Internet]. 2018 [acesso em 12 de abril 2019]; 22(1). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2017-0212.

Monteschio CAC, Gaíva MAM, Moreira MDS. O enfermeiro frente ao desmame precoce na consulta de enfermagem à criança. Rev. bras. enferm. [Internet]. 2015 [acesso em 7 de junho 2019]; 68(5). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2015680515i.

Ribeiro PM. Aleitamento materno: como incentivar. São Paulo, SP: Scortecci; 2010.

Esteves TMB, Daumas RP, Oliveira MIC, Andrade CAF, Leite IC. Fatores associados à amamentação na primeira hora de vida: revisão sistemática. Rev. saúde pública. [Internet]. 2014 [acesso em 6 de junho 2019]; 4(4). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048005278.

Costa EFG, Alves VH, Souza RMP, Rodrigues DP, Santos MV, Oliveira FL. Nursing practice in clinical management of breastfeeding: strategies for breastfeeding. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online). [Internet]. 2018 [cited 2019 ago 6]; 10(1). Available from: http://dx.doi.org/ 10.9789/2175-5361.2018.v10i1.217-223.

Mariani Neto C. Manual de aleitamento materno. 3. ed. São Paulo: Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO); 2015.

Levy L; Bértolo H. Manual de aleitamento materno. Lisboa: Comité Português para a UNICEF; 2012.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)