“O trabalho do ator sobre si mesmo” de K. Stanislávski e a “via negativa” de J. Grotowski: confluências e/ou divergências

Michele Almeida Zaltron

Resumo


Este trabalho apresenta a pesquisa que estou desenvolvendo para o doutorado, um estudo sobre as possíveis confluências e/ou divergências entre o “trabalho do ator sobre si mesmo”, de Kontantin Stanislávski (1863-1938) e a “via negativa”, de Jerzy Grotowski (1933-1999). Com o recorte definido para o estudo, enfoco as últimas pesquisas de Stanislávski, que estão fundamentadas no método das ações físicas, no período de 1935 a 1938. Com relação à “via negativa” enfoco as pesquisas de Grotowski no Teatro Laboratório, abrangendo o período de 1959 a 1969. Entendo o “trabalho do ator sobre si mesmo” de Stanislávski como um processo constante de aprimoramento do ator na percepção de si, na eliminação de bloqueios e de convencionalismos e na potencialização de sua própria natureza criativa. Percebo, assim, uma possível aproximação com a “via negativa” de Grotowski, que busca a revelação de si mesmo pela consciência ao agir, eliminando resistências e liberando os impulsos do aparato psicofísico do ator. Ambos os mestres defendem que essa consciência na conduta da ação deve se estender para além da cena, envolvendo arte e vida, ética e criação. Nesse momento da pesquisa estou em torno de leituras e de reflexões que me permitam compreender melhor de que “trabalho” e de que “si” se tratava nas experimentações de Stanislávski e também venho desenvolvendo um estudo sobre o termo russo “perejivánie” (que tem sido traduzido para o português como “vivência”), como meio de me aproximar da noção de “trabalho do ator sobre si mesmo”. Com essa investigação, pretendo trazer contribuições para as práticas pedagógicas e criativas do ator na atualidade.

Texto completo:

PDF