A varinha do mago próspero é a poética shakespeariana de Helio Hichbauer

Regilan Deusamar Barbosa Pereira

Resumo


A presente análise trata da fundamentação humanística que se pretende investigar como característica da produção cenográfica de Helio Eichbauer. Para tal a montagem de A tempestade de William Shakespeare, encenada por Paulo Reis em 1982 no espaço do Parque Lage e sob a direção cenográfica de Eichbauer servirá como base para esta averiguação, que tratará de analisar tanto a maneira como a dramaturgia shakespeariana foi traduzida no espaço deste palacete de arquitetura eclética de finais do século XIX, como traçará um estudo comparativo entre a atividade humanística do mago Próspero de A tempestade e a atividade cenográfica de Helio Eichbauer. Próspero é um personagem ícone dos humanistas renascentistas que por intermédio da erudição, do estudo recluso em bibliotecas, debruçado sobre livros de história e humanidades adquiriu discernimento a respeito da natureza e atividade humana. É esta sistemática do conhecimento que estes estudos intentam averiguar na atuação cenográfica de Helio Eichbauer. A presente análise integra a pesquisa Helio Eichbauer e a varinha de Próspero entre Shakespeare e o espaço cênico.

Texto completo:

PDF