O JONGO: VOZ, RITMO, MEMÓRIA E TRANSMISSÃO

Renata Mattos Avril

Resumo


O jongo, como manifestação cultural, social e artística, apresenta-se como um espaço vivo e contínuo de (re)criação da representação identitária da cultura afro-brasileira, transmitindo em sua prática uma história de resistência e inscrição de alteridade que se atualiza no estabelecimentos de laços sociais. Nestes laços, abre-se, pela via estética – que pode ser lida como uma via política – a possibilidade de convivência das diferenças e de releituras e transformações daquilo que é transmitido. O jongo pode, assim, ser tomado como ponto de criação de um novo em torno da memória social e do objeto voz.


Palavras-chave


Psicanálise; Freud; Lacan: Memória; Literatura; Arte; Clínica

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.9789/1679-9887.2020.v18i2.31-45

Direitos autorais 2020 Psicanálise & Barroco em Revista