AS MULHERES DE KLIMT: O REAL DO FEMININO

Tharso Peixoto

Resumo


Contemporâneo de Freud, no final do século XIX e início do século XX, Gustav Klimt inova no campo das artes plásticas ao retratar inúmeras mulheres nuas, que encaram o espectador com um olhar de desafio, numa atmosfera de erotismo incomum com a imagem da mulher vienense de seus dias. Sua arte evoca os aspectos constituintes do percurso da mulher rumo ao feminino conforme descreve a Psicanálise, desde Freud a Lacan. Aquilo que a Psicanálise se ocupa – a relação do sujeito com a castração, portanto com a falta – surge na arte de Klimt como simbolizações da imagem artística, contudo ampliando-se para a dimensão do indecifrável. É do lugar entre o sentido e o inominável que as questões do feminino se interpõe, desvelando assim do que se trata a natureza feminina.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais 2018 Psicanálise & Barroco em Revista