Call for Papers: REVISTA M.: Dossiê 4 – vol. 2, nº 4, jul.-dez., 2017

RESUMO:

Este dossiê tem como objetivo compreender as representações da morte e suas relações com as celebrações da morte nas narrativas literárias, filosóficas e históricas, em diálogo com os vestígios materiais, investigando o impacto da morte nas sociedades da Antiguidade. Para tanto, traçaremos reflexões críticas acerca dos rituais mortuários, pois, tal como entendemos, as cerimônias públicas como, por exemplo, os parentalia (e.g. Ausônio. Opuscula; Ovídio. Fasti) e as procissões funerárias vinculavam-se às formas de comunicação social e política. As comemorações se traduziriam em símbolos sociais (cf. ARCE, 1990; PRICE, 1992; SUMI, 2005, HALES, 2009; FAVRO & JOHANSON, 2010, entre outros), já que se convertiam em mecanismos de manipulação da opinião pública, por meio de imagens a legitimar o mando ou, assim como entendemos, os rituais funerários expressavam igualmente conflitos, hierarquias sociais e crenças religiosas. Em razão disto, entendemos que os cortejos fúnebres, mesmo em nome dos mortos, tornavam-se dispositivos de poder, uma vez que as obrigações sociais do luto (cf. Apuleio. Metamorphoseon 8. 7; Ovídio. Tristia; Sêneca. Epistulae Morales; Suetônio. Nero), o cuidado com o corpo, a procissão de máscaras da família, os cumprimentos dos pedidos finais (mandata) (cf. Sêneca. Epistulae Morales 63. 13; Ovídio. Tristia III, III, 1, 2, 3; Apuleio. Metamorphoseon 8. 7), a realização de banquetes e combates gladiatoriais (Cf. HOPKINS, 2006; GARRAFFONI & FUNARI, 2007, entre outros autores) convertiam-se em práticas discursivas. Entretanto, devemos também nos concentrar nas dimensões mais particulares e emocionais da lembrança dos mortos, à medida que o túmulo poderia se tornar um espaço de peregrinação e reverência, uma casa ou santuário para os mortos e as associações dos mortos com as divindades e seus atributos, mantiveram não apenas o seu nome vivo, mas cumpriram as necessidades emocionais dos sobreviventes. A partir daí, traçaremos reflexões acerca dos comportamentos feminino e masculino em relação ao luto e, dessa forma, compreender a criação de normas de condutas para a expressão pública da dor e a inserção de dimensões mais particulares e emocionais no modo como se lembravam dos mortos na Antiguidade.

REFERÊNCIAS:

Fontes:

AUSONIUS. Opuscula. Translate Paulinus. P.. London: G. P. P. Sons, 1919.

APULÉE. Les Métamorphoses. Traduit par P. Vallette. Paris: Les Belles Lettres, 2002.

OVID. Tristia. Translation by Arthur Leslie Wheeler. London: The Loeb Classical Library, 1939.

______. Fasti. Translation by James George Frazer. London: Willlam Heinemann, 1989.  

SÉNÈQUE, L. A. Lettres a Lucilius (Tome I). Trad. par MM. A.Grandsagne; Baillard, Charpentier, Cabaret-Dupaty ; Charles du Razoir; Héron de Villefosse ; Naudet, C. L. F. Panckoucke, E. Panckoucke ; De Vatimesnil, A. De Wailly etc.  Paris: Les Belles Lettres, 1833.

SUETONIUS. The lives of the Caesars (vol. I). Translated by J. C. Rolfe. London: Loeb Classical Library, 1979. 

Bibliografia

ARCE, Javier. Funus Imperatorum: Los Funerales de los emperadores Romanos. Madrid: Alianza, 1990.

FAVRO, Diane; JOHANSON, Christopher. Death in motion: funeral processions in the Roman forum. Journal of the Society of Architectural Historians, Vol. 69, No. 1, pp. 12-37, 2010.

GARRAFFONI, Renata Senna; FUNARI, Pedro Paulo de Abreu. Morte e vida na arena romana: a contribuição da teoria social contemporânea, Revista de História e Estudos Culturais, vol. 04, ano IV, n. 1, pp. 1-10, 2007.

HALES, Shelley. The house and the construction of memory. In: HALES, Shelley. The Roman house and social identity. Cambridge: University Press Cambridge, 2009, p. 40-60.

HOPKINS, Keith. Death Renewal. London\New York: Cambridge, 2006.

PRICE, Simon. From noble funerals to divine cult: the Consacration of Roman Emperors. In: CANNADINE, David; PRICE, Simon (eds.). Rituals of Royalty: Power and Ceremonial in Traditional Societies. Cambridge: University Press, 1992, p. 56-105.

SUMI, G. S. Ceremony and Power. Performing politics in Rome between Republic and Empire. Michigan: The University of Michigan Press, 2005.