REVISTA M. - Dossiê 14: v. 7, n.14, jul./dez. 2022

2021-02-17

TEMA: MORTE, GÊNERO E SEXUALIDADE

PRAZO PARA SUBMISSÃO DE ARTIGOS: 30 de novembro de 2021 

DIRETRIZES PARA AUTORES EM: http://seer.unirio.br/index.php/revistam/about/submissions#authorGuidelines 

ORGANIZAÇÃO:

Maristela Carneiro – Universidade Federal de Mato Grosso

Joaquim dos Santos – Universidade Regional do Cariri

CHAMADA:

Nos diferentes tempos e espaços, a morte, o morrer e as crenças sobre os mortos estiveram (e estão) ligadas às relações de gênero e sexualidades. Entre o mundo dos vivos e dos mortos, esses marcadores sociais da diferença assumem significados largos e profundos. Como construção social e identitária demarcada nas relações de poder, o gênero foi (e é) definidor das sociedades.

As orientações e identidades sexuais também comungam dessas teias sociais, artísticas, políticas, religiosas, culturais; pois foram niveladas e marcadas profundamente nos processos de exclusão, sob a égide da cisheteronormatividade. Assim, os encontros e as fronteiras entre a morte e as diversidades sexuais e de gêneros podem desvelar crenças e práticas diversas, o que demonstra o terreno fértil dessa aproximação.

Numa perspectiva ampla, interdisciplinar e interseccional, este dossiê almeja reunir artigos que versam sobre as redes de relações tocantes às conexões da morte com os gêneros e às sexualidades. Abarcando as múltiplas possibilidades de investigações, entrecruzando abordagens teóricas e metodológicas também plurais, o dossiê agregará contribuições importantes para a compreensão dos entrelaçamentos da morte, do morrer e do mundo dos mortos com as construções dos gêneros e das sexualidades.

 

Referências Bibliográficas

 

BENTO, Berenice. Transviados: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EdUFBA, 2017.

CARNEIRO, Maristela. Desnudando a masculinidade: representações de nudez e seminudez na estatuária funerária paulistana (1920-1950). Tese (Doutorado em História) – Faculdade de História, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

MELO, Miguel Angelo Silva et al. Ars moriendi, a morte e a morte de si: representações da morte real e simbólica sob o foco da interdisciplinaridade. Embu-SP: Alexa Cultural, 2018.

MOTT, Luiz. Assassinato de homossexuais: Manual de Coleta de Informações, sistematização e mobilização política contra crimes homofóbicos. Salvador: Editora Grupo Gay da Bahia/ Minstério da Saúde, 1999.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. “Maria degolada: a moça alegre que virou santa”. In.: Os setes pecados da Capital. São Paulo: Hucitec, 2008.

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SANTOS, Cícero Joaquim dos. No entremeio dos mundos: tessituras da morte da Rufina na tradição oral. Dissertação (Mestrado em História) - Centro de Humanidades, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2009.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

SCOTT, Joan. Outras Reflexões sobre Gênero e Política. Revista Crítica Histórica. Maceió, v. 10, n. 19, p. 10-38, 2019.

SEGATO, Rita Laura. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. e-cadernos CES. Coimbra, n. 18, p. 106-131, 2012.

VAINFAS, Ronaldo. Trópicos dos pecados: moral, sexualidade e inquisição no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.