“Em tão perigosa viagem”: carta de um suposto suicida português, século XVIII

Fernando Ripe, Mauro Dillmann

Resumo


No século XVIII europeu, marcado pelas transformações nos estudos científicos, a publicação de impressos que discutissem a prática ou a vontade pelo suicídio ganhou certa relevância editorial. O documento aqui apresentado, intitulado "Relaçaõ de hum notavel caso, que aconteceo nesta cidade de Lisboa, e lamentavel succésso acontecido em o dia treze de Junho do anno de 1755. Copia de huma carta. Obra digna de attençaõ dos Leitores", foi publicado em Portugal sem indicação de casa tipográfica no mesmo ano do fato ocorrido. Sobre esta fonte inédita, indicamos algumas potencialidades temáticas de pesquisa de caráter historiográfico, especialmente em relação à morte por meio do suicídio e a compreensão católica desse ato naquele contexto. Por fim, comentamos, ainda que de modo breve, tanto alguns entendimentos sobre o texto, quanto a situação em si relatada.

Palavras-chave


Suicídio - Literatura de cordel - Lisboa - Igreja Católica

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. Lopes de (dir.). Catálogo da Colecção de Miscelâneas: Vols. LXXVI a CLXXV. Coimbra: Publicações da Biblioteca Geral da Universidade, 1968. 354 p.

BARBAGLI, Marzio. O suicídio no Ocidente e no Oriente. Tradução de Federico Carotti. Petrópolis: Vozes, 2019. 552 p.

BROWN, Ron Melrose. Suicício. In: HOWARTH, Glennys; LEAMAN, Oliver (coord.). Enciclopédia da Morte e da Arte de Morrer. Lisboa: Quimera Editores, 2004. p. 273-278.

CASCAREJO, António Alfredo Gomes. Dois casos de suicidio por envenenamento pelo acido phenico. Dissertação apresentada á Escola Médico Cirurgica do Porto. Porto: Typ. C. Vasconcellos, 1904. 70 p.

ESTEVES, Alexandra. Crimes e criminosos no norte de Portugal: o caso do Alto Minho oitocentista. Lisboa: Editorial Cáritas, 2015. 324 p.

FERREIRA, Luís Manuel Tarujo. Vai o Diabo em casa do alfacinha: (des)amores e outras desordens nos entremezes de cordel de Setecentos. 2012. Dissertação (Doutoramento em Literaturas e Culturas Românicas) - Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Porto, 2012. 2 v. 972 f.

FREITAS, Eduardo de. O suicídio em Portugal no século XX: elementos empíricos para uma pesquisa. Finisterra, Lisboa, v. 17, n. 34, p. 267-300, 1982. http://doi.org/10.18055/Finis2146.

GALVÃO, Januário Peres Furtado. Tratado Elementar de Medicina Legal. Para uso da mocidade estudiosa, e dos senhores facultativos, advogados, magistrados, militares, jurados, &c. Porto: Typographia de Sebastião José Pereira, 1855. 480 p.

GONZÁLES-COBO, Ramón Andrés. Semper dolens: historia del sucidicio en Occidente. Barcelona: Acantilado, 2015. 498 p.

GUIMARÃES, Joana. Suicídio mítico: uma luz sobre a antiguidade clássica. Coimbra: Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos, 2011. 196 p. http://doi.org/10.14195/978-989-8281-92-0.

GUIMARÃES, Valéria dos Santos. Notícias diversas: suicídios por amor, leituras contagiosas e cultura popular em São Paulo nos anos 10. 2004. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004. 258 p.

HAUSER, Dr. Ph. La geografia médica de la Península Ibérica por el Dr. Ph. Hauser. Madrid: Imprenta de Eduardo Arias, 1913. Tomo Terceiro: Mobilidad, Mortalidad y Suicidio. 456 p.

HOUSTON, Robert Allan. Punishing the Dead? Suicide, Lordship and Community in Britain, 1500-1830. Oxford: Oxford University Press, 2010. 397 p.

HUNTER, Elisabeth K. Between the bridge and the brook: suicide and salvation in England, c. 1550-1650. Reformation & Renaissance Review, Cambridge, v. 15, n. 3, p. 237-257, 2003. http://doi.org/10.1179/1462245914Z.00000000038.

LOPES, Fábio Henrique. A experiência do suicídio: discursos médicos no Brasil, 1830-1900. 2003. Tese (Doutorado em História) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2003. 233 f.

MACDONALD, Michael. The Secularization of Suicide in England, 1660-1800. Past & Present, Oxford, n. 111, p. 50-100, may 1986. http://doi.org/10.1093/past/111.1.50.

MACHADO, António Ferreira. Suicídios e suas tentativas no Pôrto: estatística (1900- 1915). Porto: Tese, Faculdade de Medicina do Porto, 1919. 110 p.

MAC-VICAR, Daniela Belmar. A nadie se culpe de mi muerte: suicidios entre 1920-1940. Santiago y San Felipe. Santiago: UAH Ediciones, 2018. 246 p.

MINOIS, Georges. História do suicídio: a sociedade ocidental diante da morte voluntária. Tradução de Fernando Santos. São Paulo: Unesp, 2018. 426 p.

NUNES, Alexandre Morais. Suicídio em Portugal: um retrato do país. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 67, n. 1, p. 25-33, jan./mar. 2018. http://doi.org/10.1590/0047-2085000000180.

NUNES, José Nogueira. Mortalidade em Portugal. Tese de doutoramento apresentada à Faculdade de Medicina do Porto. Porto: Imprensa Nacional, 1923. 102 p.

PAULA, Ernesto Gragera de. O suicídio voluntário. Évora: Minerva Commercial, 1907.

PRIORE, Mary del. O mal sobre a terra: uma história do terremoto de Lisboa. Rio de Janeiro: Topbooks, 2015. 324 p.

RAMOS, Ana Margarida. Os monstros na literatura de cordel portuguesa do século XVIII. Lisboa: Edições Colibri, 2008. 353 p.

SOUSA, Moizeis Sobreira de. As conexões entre a literatura de cordel setecentista e a ascensão do romance em Portugal no século XIX. Navegações, Porto Alegre, v. 10, n. 2, p. 172-177, jul./dez. 2017. http://doi.org/10.15448/1983-4276.2017.2.23375.

VALLE, José Machado do. O Suicidio. Dissertação apresentada a Escola Medico-cirurgica do Porto. Porto: Typographia Occidental, 1881. 76 p.

VIEGAS, José Ferreira. O suicidio livre em face da religião, da moral e da sociedade. Dissertação inaugural apresentada á Escola Médico Cirurgica do Porto. Porto: Typ. de A. F. Vasconcellos, successores, 1901. 71 p.

WATT, Jeffrey R. (ed.). From Sin to Insanity: suicide in Early Modern Europe. Ithaca: Cornell University Press, 2004. 256 p. http://doi.org/10.7591/9781501732614.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2021.v5i10.321-331

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons