Os enunciados da morte na constituição sócio-histórica do sujeito em mortificação e suicida

Fernando Silveira

Resumo


Este artigo apresenta um estudo sobre a constituição sócio-histórica dos enunciados do homem e da morte no pensamento ocidental, a partir  de dois referenciais teóricos: a arqueologia discursiva de Michel Foucault em As Palavras e As Coisas (1966), complementada pelos estudos da morte, referente à subjetivação mortificadora do louco em História da loucura (1961), estabelecendo-se uma ponte pela qual os saberes ocidentais - situados em Foucault no Renascimento, Classicismo e Modernidade - se relacionam epistemicamente na constituição do sujeito em mortificação.  Analisa os resultados apresentados em sua interface com a temática do sujeito suicida. Verificou-se que a constituição histórico-discursiva do sujeito em mortificação, mais do que uma verdade de natureza, está remetida a jogos discursivos historicamente situados. Em um processo de produção de redes de verdades, nas quais os enunciados da vida, do homem e da morte se interconstituem em um jogo de pressuposição recíproca, difusa e multifacetada, por meio do qual o sujeito suicida pode emergir enquanto resistência à normalização social.


Palavras-chave


Foucault; Morte; Suicídio; Subjetivação; Discurso

Texto completo:

PDF

Referências


DREYFUS, Hubert, e RABINOW, Paul. Michel Foucault: Uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. 384p.

DURKHEIM, Émile. As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Martins Fontes, 2004. 163p.

ESCOBAR, Carlos Henrique de (Org.). O Dossier: Últimas Entrevistas de Michel Foucault (1926-1984). 1ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Taurus, 1984. 140p.

FEIFEL, Herman. The meaning of death. New York, NY: McGraw-Hill, 1959. 386p.

FOUCAULT, Michel. A História da Loucura na Idade Clássica. 5. ed. São Paulo: Perspectiva, 1961. 607p.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e As Coisas: Uma Arqueologia das Ciências Humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1966. 502p.

FOUCAULT, Michel. A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1969. 264p.

FREUD, Sigmund. Além do princípio de prazer, 1920. In: _______. Além do princípio de prazer. Rio de Janeiro: Imago, p. 11-75, 1996.

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo. 2 vols. 10ª. ed. Petrópolis: Ed. Vozes, 1986. 587p.

METCHNIKOFF, Élie. Etudes sur le Nature Humaine. Essai de philosophie optimiste. Masson, Paris, 1903. 442p.

SANTOS, Christian Fausto Moraes dos e CAMPOS, Rafael Dias da Silva; Apontamentos acerca da Cadeia do Ser e o lugar dos negros na filosofia natural na Europa setecentista. História, Ciências, Saúde – Manguinhos. Manguinhos, v. 21, n. 4, out./dez. 2014, p. 1215-1234. Disponível em: . Acesso: 05/07/2019.

THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. Max Weber: o processo de racionalização e o desencantamento do trabalho nas organizações contemporâneas. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, v. 43, p. 898-918, jul./ago. 2009. Disponível em: http://redalyc.org/articulo.oa?id=241016445007 ISSN 0034-7612. Acesso: 05/07/2019

ZORZANELLI, Rafaela Teixeira, ORTEGA, Francisco, e Bezerra Júnior, Benilton. Um panorama sobre as variações em torno do conceito de medicalização entre 1950-2010. Ciência & Saúde Coletiva. Manguinhos, v. 19, n. 6, p. 1859-1868, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons