Para morrer basta estar vivo: um olhar sobre a morte violenta na coluna “Zona Franca” do jornal Diário dos Campos (Ponta Grossa, Paraná: 1976 – 1978)

Maura Regina Petruski, Alvaro Daniel da Costa

Resumo


A morte é uma das etapas da existência humana que tem sua explicação sustentada em diferentes pontos de vista que a princípio seguem linhas paralelas de compreensão, modificando-se no interior de culturas, crenças e sociedades. Nesse trabalho, tomamos a morte violenta como objeto de análise, buscando compreender como foi representada nas notícias publicadas no jornal Diário dos Campos da cidade de Ponta Grossa/PR, no espaço da coluna “Zona Franca”, entre março de 1976 e março de 1978. A forma como as narrativas foram construídas nesse período, nos levaram a associá-las à perspectiva do jornalismo sensacionalista, compreendida aqui pelo tom de brincadeira das matérias, que se distanciavam do aspecto trágico que o relato revelava e expunham em vários momentos imagens das mutilações dos cadáveres.

Palavras-chave


Morte e imprensa; Sensacionalismo; Violência; Cadáveres

Texto completo:

PDF

Referências


ANGRIMANI, Danilo. Espreme que sai sangue: um estudo do sensacionalismo na imprensa. Summus Editorial, 1995. 151p.

ARIÈS, Philippe. O homem diante da morte. São Paulo: Editora da UNESP, 1981. 355p.

ARIÈS, Philippe. História da morte no Ocidente: da Idade Média aos nossos dias. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003. 315p.

BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem. São Paulo: EDUSC, 2004. 250p.

CERTEAU, Michel. A Escrita da História. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2008. 332p.

CHAVES, Niltonci Batista e PETRUSKI, Maura Regina. O Preceito do Dia: educação e saúde no Diário dos Campos (1951-1955). Revista de História Regional. Ponta Grossa, v. 18, n. 2, p. 292-315, 2013.

DAMATA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rocco: Rio de Janeiro, 1991. 368p.

ELIAS, Norbert. A Solidão dos Moribundos. Tradução Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2001. 107p.

FLUSSER, Vilém. Filosofia da caixa-preta: Ensaios para uma futura filosofia da fotografia. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002. 144p.

FONTELES NETO, Francisco Linhares e LIMA, Alysson Paulo Holanda. O espaço urbano e o crime narrados pela imprensa de Mossoró (1872-1928). Revista Crítica Histórica. Maceió, ano 2, n. 3, p. 242-250, jul. 2011. Disponível em: . Acesso em 23/07/2019.

LIMA, Ivan. A fotografia é a sua linguagem. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo, 1988. 145p.

MARCONDES FILHO, Ciro. Ser jornalista: a língua como barbárie e a notícia como mercadoria. São Paulo: Paulus, 2009. 278 p.

MORIN, Edgar. O homem e a morte. Lisboa: Publicações Europa-América, 1976. 327p.

REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. 357p.

RODRIGUES, Claudia. Nas fronteiras do além: a secularização da morte no Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. 392p.

VOVELLE, Michel. Ideologias e Mentalidades. São Paulo: Brasiliense, 1991. 414p.

WOLTON, Dominique. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. Porto Alegre: Sulina, 2003. 232p.

XIBERRAS, Martine. Mídia e violência do imaginário. Revista FAMECOS. Porto Alegre, v. 13, n. 29, p. 87-98, abril/2006. Disponível em: . Acesso em 12/08/2019.

ZICMAN, Renée Barata. História através da imprensa: algumas considerações metodológicas. Projeto História. São Paulo, v. 4, p. 89-102, 1985. Disponível em: . Acesso em 14/08/2019.

ZIEGLER, Jean. Os vivos e a morte: uma “sociologia da morte” no Ocidente e na diáspora africana no Brasil e seus mecanismos culturais. Rio de Janeiro: Zahar, 1977. 320p.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2019.v4i8.361-374

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons