Vicente Coelho de Seabra Silva Teles e a reforma dos cemitérios

Ana Cristina Araújo

Resumo


Este artigo foca os aspetos práticos e os conceitos teóricos do debate sobre o ar respirável e o impacto que tais ideias tiveram na reforma dos espaços públicos, em particular dos cemitérios. As teorias químicas sobre combustão, oxidação e respiração de organismos vivos foram adotadas por Vicente Coelho de Seabra Silva Teles que as aplicou, de forma radical, à projetada reforma dos cemitérios em Portugal, no final do século XVIII. Vicente Coelho de Seabra Silva Teles foi professor de Química da Universidade de Coimbra e escreveu a Memoria sobre os prejuisos causados pelas sepulturas dos cadaveres nos templos, e methodo de os prevenir, publicada pela Casa Literária do Arco do Cego. Neste livro, discutiu as razões científicas da reforma dos cemitérios e aderiu às ideias do movimento europeu cremacionista, favoráveis à destruição física pelo fogo dos cadáveres. A voz crítica de Vicente Coelhode Seabra Silva Teles integrou-se na campanha internacional em prol da secularização das necrópoles e antecipou, com base nos conhecimentos da Química moderna, os fundamentos práticos do movimento cremacionista do séculos XIX.


Palavras-chave


Cemitérios; Higiene Pública; Vicente Coelho de Seabra Silva Teles; Cremação; Química

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, Laurinda. Pina Manique: Um Reformador no Portugal das Luzes. Lisboa: Gradiva, 2013. 484p.

ARAÚJO, Ana Cristina. A Morte em Lisboa: Atitudes e Representações (1700-1830). Lisboa: Editorial Notícias, 1997. 534p.

ARAÚJO, Ana Cristina. Medicina e Utopia em Ribeiro Sanches. In: BORGES, Anselmo; PITA, António Pedro e ANDRÉ, João Maria (Coords.). Ars Interpretandi: Diálogo e Tempo. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, 2000, p. 35-85.

ARAÚJO, Ana Cristina. O governo da natureza no pensamento da geração universitária de finais do século XVIII: os Estatutos Literários e Económicos da Sociedade dos Mancebos Patriotas de Coimbra. In:_______ e FONSECA, Fernando Taveira da. A Universidade Pombalina: Ciência, Território e Coleções Científicas. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2017, p. 87-138.

ARIÈS, Philippe. L’Homme devant la mort. Paris: Editions du Seuil, 1977. 341p.

BENSAUDE-VINCENT, Bernadettee STENGERS, Isabelle. Histoire de la chimie. Paris: La Découverte, 1992. 364p.

BENSAUDE-VINCENT, Bernadette. Chimie. In: DÉLON, Michel. Dictionnaire Européen des Lumières. Paris: PUF, 1997, p. 241- 242.

CATROGA, Fernando. Militância laica e descristianização da morte em Portugal 1865-1911. 2 volumes. Tese (Doutorado em História). Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Coimbra, 1988. 1.100p.

CATROGA, Fernando. O Céu da Memória. Cemitério romântico e culto cívico dos mortos. Coimbra: Minerva, 1999. 367p.

CORBIN, Alain. Le Miasme et la Jonquille. L’odorat et l’imaginaire social (XVIIIe-XIXe siècles). Paris: Aubier-Montaigne, 1982. 334p.

COSTA, António M. Amorim da. Da natureza do fogo e do calor na obra de Vicente Seabra (1764-1804). In: Atas do Congresso “História da Universidade”. Universidade(s): História, Memória, Perspectivas. Coimbra, Universidade de Coimbra, 1991, p. 137-151.

DIAS, Vitor Manuel Lopes. Cemitérios. Jazigos e sepulturas: Estudo histórico, artístico, sanitário e jurídico. Porto: Domingos Barreira, 1963. 523p.

DILLMANN, Mauro. Morte e práticas fúnebres na secularizada República: Porto Alegre, início do século XX. Jundiaí: Paco Editorial, 2016. 428p.

FERREIRA, Pâmela Campos. Da “conservação dos homens” e “decência dos santuários”: os debates políticos sobre a construção dos cemitérios extramuros em Minas Gerais (1800-1858). Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2018. 203p.

GRMEK, Mirko (Dir.). Histoire de la pensée médicale en Occident. Vol. 2: De la Renaissance aux Lumières. Paris: Éditions du Seuil, 1996. 376p.

KURY, Lorelai. Descrever a pátria, difundir o saber. In: _______(Org.). Iluminismo e Império no Brasil: O Patriota (1813-1814). Rio de Janeiro: Editora Fio Cruz, 2007, p. 141-178.

LOCQUENEUX, Robert. Gaz. In: DÉLON, Michel (Dir.). Dictionnaire Européen des Lumières. Paris: PUF, 1997, p. 567-569.

REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. 360p.

RODRIGUES, Claudia. Lugares dos mortos na cidade dos vivos: Tradições e transformações fúnebres no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 1997. 274p.

URBAIN, Jean-Didier. L’Archipel des morts: Le sentiment de la morte et les dérives de la mémoire dans les cimetières d’Occident. Paris: Librairie Plon, 1989. 358p.

VIGARELLO, Georges. História das práticas de saúde: A saúde e a doença desde a Idade Média. Lisboa: Editorial Notícias, 2001. 292p.

VOVELLE, Michel. La mort et l’Occident de 1300 à nos jours. Paris: Gallimard, 1983. 793p.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2019.v4i8.229-243

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons