Os guardiões de pedra da cidade dos mortos: escultura tumular na Manaus da Belle Époque

Márcio Leonel Farias Reis Páscoa, Carla Mara Matos Aires Martins

Resumo


Este artigo é parte de uma investigação maior que busca, por meio do método analítico de Erwin Panofsky (1892-1968), estudar aspectos iconográficos e iconológicos de um grupo selecionado de esculturas tumulares do período da belle époque, presentes no Cemitério Municipal de São João, na cidade de Manaus. Para a seleção das esculturas consideramos o aspecto temporal e o tipológico, que possuem a figura antropomórfica em comum. Entre essas, imagem mais presente é a do anjo, comumente entendida, como guardiã dos túmulos. Entre fins do século XIX e inícios do XX, sua representação passa por transformações, que lhe conferem aspectos cada vez mais humanizados. No atual momento da pesquisa, é possível confirmar a presença de um programa estético vinculado a valores socialmente vigentes no século XIX e a adesão ao projeto de modernidade daquela época.


Palavras-chave


Arte Tumular; Cemitério; Iconologia; Economia da Borracha; Amazonas

Texto completo:

PDF

Referências


ARIÈS, Philip. A história da morte no ocidente: da idade média aos nossos tempos. Tradução Priscila Viana de Siqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2017. 289p.

AZEVEDO, Álvares de. Lira dos vintes anos. São Paulo: Ciranda Cultural Editora e Distribuidora Ltda., 2007. 159p.

BITTENCOURT, Agnello. Fundação de Manaus: pródromos e sequências. 2. ed. Manaus: EDUA, 1999. 53p.

BOCHICCHIO, Luca. Transported art: 19th-century italian sculptures across continents and cultures. Material Culture Review. Sydney, n. 74-75, p. 70-85, primavera, 2012. Disponível em: . Acesso em: 06/01/2020.

BOIS, Pedro Du. O Senhor das estátuas. Guaratinguetá/SP: PENALUX, 2013. 90p.

BORGES, Maria Elízia. Arte funerária no Brasil (1890-1930): ofício de marmoristas italianos em Ribeirão Preto. Belo Horizonte: C/Arte, 2002. 312p.

CAMPBELL, Joseph. As Máscaras de Deus: mitologia primitiva. Tradução Carmen Fischer. vol. 1. 7º ed. São Paulo: Palas Atena, 2005. 424p.

CARNEIRO, Maristela. Desnudando a masculinidade: representações de nudez e seminudez na estatuária funerária paulistana (1920-1950). Dissertação (Mestrado em Sociedade, Direito e Cidadania). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016. 349p. Disponível em: . Acesso em: 30/12/2019.

COE, Agostinho Júnior Holanda. “Nós, os ossos que aqui estamos, pelos vossos esperamos”: a higiene e o fim dos sepultamentos eclesiásticos em São Luís (1828 – 1855). Dissertação (Mestrado em História Social) Programa de Pós-Graduação em História Social do Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2008. 140p. Disponível em: . Acesso em: 14/09/2019.

DUARTE, Denise Aparecida Souza. Em vida inocente, na morte “anjinho”: morte, infância e significados da morte infantil em Minas Gerais (séculos XVIII-XX). Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-Graduação em História da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018. 379p. Disponível em: . Acesso em: 26/12/2019.

DUARTE, Durango. Manaus entre o passado e o presente. Manaus: Mídia Ponto Comm, 2009. 296p.

FRANCO, Clarissa de. A Cara da Morte: os sepultadores, o imaginário fúnebre e o universo onírico. Aparecida - SP: Ideias e Letras, 2010. 260p.

GAIAS, Marisa Porcu. Enrico Costa e Giuseppe Sartorio e l’esaltazione dele virtù patrie e private. In: BRIGAGLIA, Manlio; BAGELLA, Stefania e MANNUZU, Salvatore. Enrico Costa (1841-1909):Società, politica e cultura tra otto e novecento. Sassari: Mediando, 2012, p. 229-241.

GAWRYSZEWSKI, Alberto. A representação da morte infantil em imagens cemiteriais no Brasil (séculos XIX e XX). História: Debates e Tendências. Passo Fundo, v. 16, n. 2, p. 291-313, jul./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 14/09/2019.

JAFFÉ, Aniela. O simbolismo nas artes plásticas. In: JUNG, Carl G. O homem e seus símbolos. Tradução Maria Lúcia Pinto. 2 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008, p. 312-367.

LIGHTMAN, Alan. Sonhos de Einstein. Tradução Marcelo Levy. São Paulo: Companhia de Bolso, 2014. 103p.

LYOTARD, Jean-François. O Pós-Moderno. Tradução Ricardo Corrêa Barbosa. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora José Olympio, 1991, 123p.

MESQUITA, Otoni Moreira de. Manaus: história e arquitetura – 1852-1910. 3º ed. Manaus: Editora Valer, Prefeitura de Manaus e Uninorte, 2006. 360p.

MORIN, Edgar. O Homem e a morte. Tradução João Guerreiro Boto e Adelino dos Santos Rodrigues. Lisboa: Europa – América, 1997. 327p.

MOTA, Antonio. Estilos mortuários e modos de sociabilidade em cemitérios brasileiros oitocentistas. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, ano 16, n. 33, p. 55-80, jan./jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 14/09/2019.

NABOZNY, Almir e LICCARDO, Antonio. Estética da morte: paisagens de cemitérios. Ponta Grossa – PR: Estúdio Texto, 2017. 64p.

NAGEL, Carla Maria Oliveira. A morte e o morrer na “Paris dos Trópicos”. Anais Eletrônicos do XXVI Simpósio Nacional de História. São Paulo, ANPUH Nacional, 2011. Disponível em: Acesso em: 04/09/2019.

PANOFSKY, Erwin. Tomb sculpture: four lectures on its changing aspects from ancient Egypt to Bernini. New York: Harry N. Abrams, Inc., 1992. 319p.

PANOFSKY, Erwin. Estudos de iconologia: temas humanísticos na arte do renascimento. Tradução Olinda Braga de Sousa. 2. ed. Lisboa: Editorial Estampa, 1995. 237p.

PANOFSKY, Erwin. Significado nas artes visuais. Tradução Maria Clara F. Kneese. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2017. 440p.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3 ed. São Paulo: Editora Cortez, 2010. 512p.

SNIDER, Tui. Understanding cemetery symbols: a field guide for historic graveyards. Texas: Castle Azle Press, 2017. 250p.

VAILATI, Luis Lima. A morte menina: infância e morte infantil no Brasil dos oitocentos (Rio de Janeiro e São Paulo). São Paulo: Editora Alameda. 2010. 358p.

VATTIMO, Gianni. A sociedade transparente. Lisboa: Relógio D’Água. 1992. 83p.

VATTIMO, Gianni. O fim da modernidade: niilismo e hermenêutica na cultura pós-moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2002. 207p.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2019.v4i8.280-305

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons