Práticas religiosas no espaço cemiterial: observações sobre o Cemitério do Bonfim

Marcelina das Graças de Almeida, Julio Cesar de Aguiar Santana, Roberto Fernandes da Silva

Resumo


O propósito do artigo é apresentar evidências que permitam a compreensão dos espaços cemiteriais como lugares de manifestação de experiências religiosas diversas. O Cemitério do Bonfim, situado na cidade de Belo Horizonte, no Estado de Minas Gerais, foi escolhido para apontar algumas dessas evidências. Trata-se de uma necrópole inaugurada no final do século XIX, sob a égide da instalação do pensamento republicano enquanto um cemitério laico. A despeito desse caráter, o cemitério foi palco de diversas construções e práticas religiosas, desde sua fundação até a atualidade, perpassadas pelos cultos afro-brasileiros; pela mística católica, por meio do culto ao túmulo do Padre Eustáquio; bem como ponto de referência para adeptos do Espiritismo, por intermédio do túmulo dedicado à memória de Irma de Castro Rocha, a Meimei.

Palavras-chave


Cemitério; Religião;Religiosidade; Devoção;Representação

Texto completo:

PDF

Referências


AARÃO Reis. In: Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Culturas Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa4987/aarao-reis. Acesso em: 01/10/2019.

ALMEIDA, Juliano Florczak. O curioso caso de Padre Eustáquio: catolicismo, curas e fluxos materiais. Avá Revista de Antropologia. Argentina, Universidade Nacional de Misiones, n. 27, 2015, p. 29-46.

ALMEIDA, Marcelina das Graças de. A cidade e o cemitério: uma experiência em educação patrimonial. In: Revista M. Estudos sobre a morte e o morrer. Rio de Janeiro, vol. 1, n. 1, p. 217-234, jan-jun, 2016. Disponível em: http://www.revistam-unirio.com.br/a-cidade-e-o-cemiterio-uma-experiencia-em-educacao-patrimonial/. Acesso em: 15/09/2019.

ANDRADE, José Vicente de. Padre Eustáquio. Belo Horizonte, Congregação dos SS.CC., 1990. 152p.

ANDRADE JUNIOR, Lourival. Da barraca ao túmulo: Cigana Sebinca Christo e as construções de uma devoção. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2008. 284f.

ARIÉS, Philippe. O homem diante da morte. 2ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1989. Vol.1. 313p.

ARIÉS, Philippe. O homem diante da morte. 2ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990. Vol. 2. 347p.

ARRIBAS, Célia de Graça. Afinal, espiritismo é religião? A doutrina espírita na formação da diversidade religiosa brasileira. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2008. 226f.

BARRETO, Abílio. Belo Horizonte: histórica e descritiva – história antiga e história média. Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1995. 432p.

BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil: contribuição a uma sociologia das interpretações das civilizações. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1960. 567p.

BIRMAN, Patrícia. O que é Umbanda. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985. 108p.

BOTELHO, Jorge. Umbanda – Estudos Básicos. In: Apostila de Estudo - TEDES - Tenda Espírita Divino Espírito Santo. Volta Redonda, RJ, 1982. Disponível em http://tusjb.com.br/templo/apostelivros/literatura1.pdf. Acesso em: 28/09/2019.

BRAZIL, T. K. (org.). SANTANA-JUNIOR, E. F., CASAIS-E-SILVA, L. L. - Raimundo Nina Rodrigues. Projeto Heróis da Saúde na Bahia. Disponível em: http://www.bahiana.edu.br/herois/heroi.aspx?id=MTA=. Acesso em: 01/10/2019.

BUENO, Cléria Bittar. A Doutrina Espírita e as Mulheres. Revista Brasileira de História das Religiões. Ano I, n. 3, jan. 2009. Disponível em:< http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pdf2/texto%208.pdf> Acesso em: 30/09/2019.

CARVALHO, José Murilo de. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1990. 166p.

ELIADE, Mircea e COULIANO, Ioan P. Dicionário das religiões. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. 342p.

ELIADE, M. O sagrado e o profano: a essência das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 2001. 191p.

GIUDICE, Patricia. Beato Eustáquio emociona a multidão. In: O Tempo. Belo Horizonte. Disponível em: Acesso em 30/09/2019.

Getúlio Vargas. Dicionário Histórico Biográfico Brasileiro pós-1930. 2ª ed. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001. Disponível em Acesso em: 01/10/2019.

HULSELMANS, Venancio. Padre Eustáquio van Lieshout SS.CC.: o Vigário de Poá. Rio de Janeiro, Centro Nacional da Entronização, 1944. 489p.

IGLÉSIAS, Francisco; RIBEIRO, Juscelino Luiz; ASSIS, Luiz Fernandes de e CARVALHO NETO, Menelick de. A Constituinte Mineira de 1891. Revista Brasileira de Estudos Políticos. Belo Horizonte, n. 71, p. 163-245, jul. 1990.

Irmã Benigna, victima de Jesus. Jornal do site. Associação dos Amigos da Irmã Benigna. Disponível em: Acesso em: 30/09/2019.

ISAIA, Artur Cesar. Catolicismo versus umbanda: lutas de representação e identidade (senzala delenda est). Revista de Ciências Humanas. Florianópolis, v. 16, n. 24, p. 28-42, 1998. Disponível em:

https://periodicos.ufsc.br/index.php/revistacfh/article/view/23615/21247. Acesso em: 30/09/2019.

KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. São Paulo: Lake, 2001. 562p.

LAGES, Sonia Regina Corrêa. Exu, luz e sombras. Uma análise psico-junguiana da linha de Exu na Umbanda. Juiz de Fora: Clio edições eletrônicas, 2003. 80p.

LANA, Vanessa. Bernardo Monteiro. In: CPDOC/FGV Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil.

Disponível em: Acesso em: 30/09/2019.

LOPES, Nei. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo: Selo Negro, 2004. 715p.

OLIVEIRA, José Henrique Motta. Das macumbas à Umbanda: a construção de uma religião brasileira (1908-1941). Monografia (Licenciatura em História), Centro Universitário Moacyr Streder Bastos, Rio de Janeiro, 2003. 57f.

PINGO, Lisandra Cortez. Uma análise das múltiplas faces de Exu por meios das canções brasileiras: contribuições para reflexões do ensino da cultura da história africana e afro-brasileira na escola. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação da Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2018. 199f.

REIS, João José. A morte é uma festa. Ritos fúnebres e revolta popular no Brasil no século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. 357p.

RODRIGUES, Claudia. Lugares dos mortos na cidade dos vivos. Tradições e transformações fúnebres no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Departamento Geral de Documentação e Informação Cultural, Divisão de Editoração, 1997. 276p.

RODRIGUES, Claudia. Nas fronteiras do Além. A secularização da morte no Rio de Janeiro (Séculos XVIII e XIX). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. 390p.

SALGUEIRO, Heliana Angotti (Org.). Cidades capitais do século XIX. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001. 187p.

SALGUEIRO, Heliana Angotti. Engenheiro Aarão Reis. O progresso como missão. Belo Horizonte: Sistema Estadual de Planejamento/Fundação João Pinheiro/Centro de Estudos Históricos e Culturais, 1997. 288p.

SALGUEIRO, Heliana Angotti. O ecletismo em Minas Gerais. Belo Horizonte 1894-1930. In: FABRIS, Anateresa (org.) Ecletismo na arquitetura brasileira. São Paulo: Nobel, 1987, p. 104-145. 296p.

XAVIER, Francisco Cândido. Mandato de amor. Belo Horizonte: União Espírita Mineira, 1992. 293p.

WILKINSON, Philip. Guia ilustrado Zahar: religiões. Rio de Janeiro: Zahar, 2011. 352p.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2019.v4i8.361-382

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons