Representações da arte funerária: homenagens às pessoas que contribuíram para a educação no Brasil

Maria Elizia Borges

Resumo


Este artigo propõe uma leitura visual de monumentos funerários que homenageiam a sala de aula, os professores (as) e as personalidades beneméritas que colaboraram para o ensino brasileiro. Seguiu-se o historicismo cronológico das passagens que levaram o homem a se tornar este ser especial – educador do grupo social a que pertence. No aparecimento da palavra escrita, do ofício de escrivão e de livreiro, a professora, a sala de aula e membros da sociedade se completam para construir esse arcabouço merecedor da formação intelectual do homem proveniente da instrução e do conhecimento. As esculturas são representadas no formato de retratos memoriais, bustos, hermas, corpos inteiros e utilizando-se de narrativas que valorizam o universo biográfico dos personagens homenageados. Para reconstruir o contexto de memória das pessoas, tive como suporte conceitos da História da Educação, da História da Arte Funerária, da História da Imagem. A pesquisa de campo realizada nos vários cemitérios secularizados do Brasil foi fundamental para a concretização deste trabalho. Essa memória individual tornou-se pública e acessível a todos que visitam o cemitério.

Palavras-chave


Cemitério secularizado; Arte Funerária; Homenagens póstumas; Educadores no Brasil; Século XX

Texto completo:

PDF

Referências


ALESÓN, Raúl; RIVARA, Silvia e CRESPO, Michel. Relevamiento de estelas y propuesta de recorridos en el interior del Cementerio de la Recoleta. Buenos Aires. In: X Encuentro Iberoamericano de Valoración y Gestión de Cementerios Patrimoniales. Colombia, Medellín, 2009. [CD-Rom].

ALVES, José Francisco. A escultura pública de Porto Alegre: história, contexto e significado. Porto Alegre: Artfolio, 2004. 264p.

ANDREWS, Carol. The Ancient Egyptian book of the dead. London: British Museum Press, 1996. 192p.

BELLOMO, Harry (Org.). Cemitérios do Rio Grande do Sul: arte, sociedade. Ideologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000. 281p.

BORGES, Maria Elizia. Retratos memoriais: uma das formas de perpetuar a memória de “Homens Ilustres” nos cemitérios secularizados no Brasil. In: V Encuentro Iberoamericano de Valoración y Gestión de Cementerios Patrimoniales. Rosário/Província de Santa Fé, 2012. [CD- Rom].

BORGES, Maria Elizia. Busto memorial: retrato idealizado convertido em “brasão burguês” póstumo. In: Anais do VII Encontro da Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais. Rio de Janeiro, 2015. [Cd-rom].

BORGES, Maria Elizia. Arte funerária no Brasil (1890-1930): Ofício dos marmoristas italianos em Ribeirão Preto. 2º edição. Goiânia: Gráfica UFG, 2017. 432p.

CORRÊA, Maria Elizabeth Peirão; MELLO, Mirela Geiger de e NEVES, Helia Maria Vendramini. Arquitetura escolar paulista: 1890-1920. São Paulo: FDE/Diretoria de obras e serviços, 1991. 172p.

DOBERSTEIN, Arnoldo Walter. Estatuários, catolicismo e gauchismo. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2002. 372p.

FABRIS, Annateresa. A guerra das imagens. In: ZIELINSKY, Mônica (Org.). Fronteiras: artes, crítica e outros ensaios. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2003, p. 10-25.

FEBVRE, Lucien e MARTIN, Henri Jean. O aparecimento do livro. São Paulo: Unesp, 1992. 574p.

ISMÉRIO, Clarisse. Mulher: a moral e o imaginário 1889-1930. Bagé: Editora da Urcamp, 2018. 112p.

KEISTER, Douglas. Stories in stone. A field guide to cemetery symbolism and iconography. Salt Lake City: Gibbs Smith, 2004. 288p.

MANGUEL, Alberto. Uma história da leitura. São Paulo: Companhia das Letras, 1997. 405p.

MANGUEL, Alberto. Lendo imagens: uma história de amor e ódio. São Paulo: Companhia das Letras, 2001. 358p.

MARQUES, Luiz. A fábrica do antigo. Campinas: Editora da UNICAMP, 2008. 408p.

MARROU, Henri-Irénée. História da Educação na Antiguidade. Campinas: Kírion, 2017. 679p.

KOSIĆ, Krešimir; MALEKOVIĆ, Vladimir e VEREŠ, Saša. Mirogoj Zagreb: 1873-1993. Zagreb: Grafičkizavod Hrvatske, 1974. 80p.

NOVAES, Maria Eliana. Professora primária. Mestra ou tia. São Paulo: Cortez editora, 1984. 143p.

PENIN, Sonia Teresinha de Souza. A professora e a construção do conhecimento sobre o ensino. Caderno Pesquisa. São Paulo, n. 92, p. 5-15, fev. 1995.

PEREIRA, Luiz. O magistério primário numa sociedade de classes. São Paulo: Pioneira, 1969.

SILVEIRA, Tatiana de Carvalho Silveira. A escultura funerária no Rio Grande do Sul: política e ideologia 1990-1950. In: BELLOMO, Harry (Org.). Cemitérios do Rio Grande do Sul: arte, sociedade. Ideologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2000, p. 123-143.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2019.v4i8.306-330

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons