O menino morto com um sorriso sem dentes: Narrativas de assassinatos de adolescentes por LGBTIfobia no Brasil

Luan Carpes Barros Cassal

Resumo


O presente texto analisa modos de narração sobre assassinatos de adolescentes por LGBTIfobia no Brasil. Entende-se que narratividades fazem histórias operarem como incompletas e, portanto, passíveis de transmissão e transformação, sendo uma estratégia relevante para pesquisa em psicologia social. Dessa maneira, esta pesquisa investigou debates relacionados aos relatórios anuais sobre assassinatos LGBTIfóbicos pelo Grupo Gay da Bahia. Em seguida, as narrativas em torno de uma história específica de um adolescente morto (em São Paulo, em 2014) foram analisadas. Pode-se perceber que gênero, sexualidade e geração são categorias politicamente geridas para preservação da vida ou exposição a ameaças, apontando para a necessidade de um conceito amplo de LGBTIfobia que esteja atento à responsabilidade social e coletiva nas mortes.

Palavras-chave


Assassinatos; LGBTIfobia; Homossexualidade; Adolescência; Narrativas.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005. 188 p.

AGAMBEN, Giorgio. O que resta de Auschwitz? São Paulo: Boitempo, 2008. 176 p.

BAPTISTA, Luis Antônio. A fábrica de interiores: A formação psi em questão. Niterói: EdUFF, 2000. 121 p.

BAPTISTA, Luis Antônio. Cidade dos Sábios. São Paulo: Summus, 1999. 136 p.

BENEVIDES, Bruna. Mapa dos assassinatos de travestis e transexuais no Brasil em 2017. [S.l.]: Associação Nacional de Travestis e Transsexuais, 2018. 121 p. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2018/02/relatc3b3rio-mapa-dos-assassinatos-2017-antra.pdf. Acesso em: 01 mar. 2018.

BENEVIDES, Bruna; NOGUEIRA, Sayonara Naider Bonfim. Dossiê Assassinatos e violência contra travestis e transexuais no Brasil em 2018. [S.l.]: Associação Nacional de Travestis e Transexuais, 2019. 60 p. Disponível em: https://antrabrasil.files.wordpress.com/2019/01/dossie-dos-assassinatos-e-violencia-contra-pessoas-trans-em-2018.pdf. Acesso em: 20 fev. 2019.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8ª edição revista. Obras Escolhidas v.1. São Paulo: Brasiliense, 2012a. 272 p.

BENJAMIN, Walter. Rua de mão única. 6ª edição revista [Obras Escolhidas v.2]. São Paulo: Brasiliense, 2012b. 285 p.

BENJAMIN, Walter. A hora das crianças: narrativas radiofônicas. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2015. 292 p.

BUTLER, Judith. Gender Trouble: feminism and the subversion of identity. Routledge: New York, 1990. 272 p.

BUTLER, Judith. Marcos de guerra: las vidas lloradas. Buenos Aires: Paidós, 2010. 200 p.

BUTLER, Judith. O que é crítica? Um ensaio sobre a virtude de Foucault. Cadernos de ética e filosofia política, São Paulo, n. 22, p. 159-179, 2013.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. 200 p.

BUTLER, Judith. Corpos que ainda importam. In: COLLING, Leandro (org.). Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, p. 19-42, 2016.

http://doi.org/10.7476/9788523220037.0002. PMCid:PMC4956925.

BUTLER, Judith. Caminhos divergentes: judaicidade e crítica do sionismo. São Paulo: Boitempo, 2017. 372 p.

BUTLER, Judith. The force of nonviolence: An ethico-political bind. Londres-New York: Verso, 2020. 224 p.

CANELLA, Gaile Sloan; VIRURU, Radhika. Childhood and postcolonization: power, education and contemporary practice. New York: Routledge, 2004. 160 p. http://doi.org/10.4324/9780203463536.

CASSAL, Luan Carpes Barros. Homofobia e cidade: um ensaio sobre lâmpadas, segurança e medo. Polis e Psique, Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 24-38, 2013. http://doi.org/10.22456/2238-152X.42294.

CASSAL, Luan Carpes Barros. Psicologia e homofobia: uma cartografia de encontros, embates e políticas. In: CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO DE JANEIRO (org.). Experiências em Psicologias e Políticas Públicas. Rio de Janeiro: CRP 05, 2014. p. 29-42.

CASSAL, Luan Carpes Barros. Medo de quê? Narrativas sobre homofobia e heteronormatividade na escola. In: MACEDO, Elizabeth; RANNIERY, Thiago (org). Currículo, sexualidade e ação docente. Petrópolis: DP et Alli Editora, 2017. p. 107-130.

CASSAL, Luan Carpes Barros. Quem ficou para trás? Um estudo entre crianças mortas, gênero e sexualidade. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia; Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2019. 171 p.

CASSAL, Luan Carpes Barros; BELLO, Héder Lemos; BICALHO, Pedro Paulo Gastalho de. Enfrentamento à LGBTIfobia, afirmação ético-política e regulamentação profissional: 20 anos da Resolução CFP nº 01/1999. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília, v. 39, n. esp. 3, p. 113-128, 2019. http://doi.org/10.1590/1982-3703003228516.

CASSAL, Luan Carpes Barros; BICALHO, Pedro Paulo Gastalho de. Homofobia e sexualidade: o medo como estratégia de biopoder. Revista de Psicologia da UNESP, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 57-64, 2011.

CASSAL, Luan Carpes Barros; GARCIA, Aline Monteiro; BICALHO, Pedro Paulo Gastalho de. Psicologia e o dispositivo da sexualidade: biopolítica, identidades e processos de criminalização. Psico, Porto Alegre, v. 42, p. 465-473, 2011.

DESPENTES, Virginie. Teoría King Kong. Buenos Aires: Hekht Libros, 2013. 125 p.

EILBAUM, Lucia; MEDEIROS, Flavia. Quando existe ‘violência policial’? Direitos, moralidades e ordem pública no Rio de Janeiro. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 407-428, jul./set. 2015.

FERREIRA, Marcelo Santana. A cidade como texto: fragmentos da experiência homossexual masculina no Rio de Janeiro contemporâneo. Tese (Doutorado em Psicologia) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica, Rio de Janeiro, 2006. 139 p.

FERREIRA, Marcelo Santana. Enunciações de si em estudos sobre as sexualidades: proposições metodológicas. In: FERREIRA, Marcelo Santana; MORAES, Márcia. (org.). Políticas de Pesquisa em Psicologia Social. Rio de janeiro: Nova Aliança, 2016. p. 93-117.

FERREIRA, Marcelo Santana; NARDELLI, Renata. Expertise psi sobre sexualidade: contribuições de Michel Foucault. Clínica & Cultura, São Cristóvão, v. 2, n. 1, p. 31-43, jan./jun. 2013.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes. 1987. 288 p.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: A vontade de saber. Petrópolis: Vozes, 1988. 151 p.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola edições, 1996. 80 p.

FOUCAULT, Michel. A vida dos homens infames. In: FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos IV: estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. p. 203-222.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: Curso no Collège de France (1974-1975). São Paulo: Editora Martins Fontes, 2010. 479 p.

FOUCAULT, Michel. O belo perigo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016. 61 p.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2009. 224 p.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2013. 128 p.

HALBERSTAM, Jack. Trans*: a quick and quirky account of gender variability. Oakland: University of California Press, 2018. 144 p. http://doi.org/10.1525/9780520966109.

HOCQUENGHEM, Guy. A contestação homossexual. São Paulo: Brasiliense, 1980. 150 p.

LAWRENCE, Matson; TAYLOR, Yvette. The UK government LGBT Action Plan: Discourses of progress, enduring stasis, and LGBTQI+ lives 'getting better'. Critical Social Policy, on-line, v. 40, n. 4, p. 586-607, out. 2019. http://doi.org/10.1177/0261018319877284.

MARTINS, Beatriz Adura e GUSMÃO, Dayana. Mapeamento sócio-cultural-afetivo das lésbicas e mulheres bissexuais do Complexo da Maré [recurso eletrônico]. Rio de Janeiro: Metanoia, 2020.

Disponível em: https://loja.metanoiaeditora.com/mapeamento-socio-cultural-afetivo-das-lesbicas-e-mulheres-bissexuais-do-complexo-da-mare. Acesso em: 17 out. 2020.

MARTINS, Beatriz. Adura. Por uma escrita dos restos: o encontro entre a psicologia e os assassinatos de travestis. Rio de Janeiro: Gramma, 2017. 242 p.

MEDEIROS, Flavia. A Necropolítica da “Guerra”: tecnologias de governo, “homicídios” e “tráfico de drogas” na região metropolitana do rio de janeiro. Abya Yala: Revista sobre acesso à justiça e direitos nas Américas, Brasília, v. 1, n. 3, p. 91-114, ago./dez. 2017.

MEDEIROS, Flavia. Corpos sem vida com fé-pública: A perícia necroscópica no Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro. Revista Segurança, Justiça e Cidadania, Brasília, n. 9, p. 27-48, 2014.

MEDEIROS, Flavia. O morto no lugar dos mortos: classificações, sistemas de controle e necropolítica no Rio de Janeiro. Revista M: Estudos sobre a morte, os mortos e o morrer, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 72-91, jan./jun. 2018. http://doi.org/10.9789/2525-3050.2018.v3i5.72-91.

NUÑEZ, Izabel et al. A administração da morte de Marielle Franco por parte do Estado. Dignidade Re-Vista, Rio de Janeiro, v. 4, n 7, p.1-11, jul. 2019.

PERES, Milena Cristina Carneiro; SOARES, Suane Felippe; DIAS, Maria Clara. Dossiê sobre lesbocídio no Brasil: de 2014 até 2017. Rio de Janeiro: Livros Ilimitados, 2018.

PLATERO, Klarissa Almeida Silva; VARGAS, Joana Domingues. Homicídio, suicídio, morte acidental... ‘O que foi que aconteceu?’. Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 621-641, set./dez. 2017.

RANNIERY, Thiago. Vamos sair para dançar? Currículo, gênero e sexualidade. Revista Coletiva, on-line, n. 8, jul. 2019. Disponível em: https://www.coletiva.org/educacao-e-diferencas-e-n8. Acesso em: 31 jul. 2019.

RANNIERY, Thiago. Vem cá, e se fosse ficção? Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 13, n. 3, p. 982-1002, set./dez. 2018. http://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.13i3.0020. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/11787/209209210258. Acesso em: 20 fev. 2018.

ROCHA, Luciana de Oliveira. Black mothers' experiences of violence in Rio de Janeiro. Cultural Dynamics, On-line, n. 24, v. 1, p. 59-73, 2012. http://doi.org/10.1177/0921374012452811.

SALGADO, Raquel Gonçalves; SOUZA, Leonardo Lemos de. Gêneros, sexualidades e infâncias: cenas de crianças na contramão da inocência. Childhood & philosophy, Rio de Janeiro, v. 14, n. 29, p. 241-258, jan./abr. 2018. http://doi.org/10.12957/childphilo.2018.30540.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. How to bring your kids up gay. Social Text, Durham, n. 29, p. 18-27, 1991. http://doi.org/10.2307/466296.

SILVA, Eder Amaral e. A cruzada das crianças: constelações da infância à penumbra. Tese (Doutorado em Psicologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social/Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2016. 376 p.

SOUZA, Solange Jobim e. Re-significando a psicologia do desenvolvimento: uma contribuição crítica à pesquisa da infância. In: KRAMER, Sonia; LEITE, Maria Isabel (org.) Infância: fios e desafios da pesquisa. Campinas: Papirus, 1996. p. 39-55.

VIEIRA et al. Principais estatísticas brasileiras de morte por homofobia são falsas, conclui checagem independente. Liga Humanista Secular do Brasil, on-line, 01 maio 2019. Disponível em: https://lihs.org.br/sociedade/homofobia/?fbclid=IwAR0w8YKctvjp_0i4JMiN2lpGf37Q4x30kX6Swyy5-MrgMqS6BJwNOQWILow. Acesso em: 01 maio 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2021.v5i10.298-320

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons