O que o Moridero, de Mario Bellatin, pode nos dizer sobre a morte e suas facetas na modernidade?

Lilian Silva Pinto, Fábio Figueiredo Camargo

Resumo


Mediante o conto Salón de Belleza, de Mario Bellatin, que trata da transformação de um centro cosmético em um espaço destinado ao amparo de moribundos acometidos por uma doença misteriosa, discute-se, neste artigo, a influência que alguns processos sociais tiveram na construção de uma percepção que os indivíduos passaram a carregar na modernidade sobre a morte e seus desdobramentos. Essa nova conjuntura social, política, econômica e cultural, marcada pelo surgimento dos Estados-Nações e pela chamada Medicina Social Clínica, que se consolidaram por volta do século XIX, contribuiu para a formação de um imaginário social que passou a compreender a morte e tudo que, supostamente, estivesse ligado a ela, como a feiura, a doença, a loucura e a estranheza, como algo desprezível e que, necessariamente, devesse ser afastado do alcance dos olhos da sociedade. Uma das razões que levaria a tal percepção surgir, estaria vinculada ao próprio projeto que a modernidade criou para si baseada numa sociedade da ordem e da pureza.


Palavras-chave


Modernidade; Morte; Tabu; Corpos Abjetos; Mario Bellatin

Texto completo:

PDF

Referências


ARIÈS, Philippe. História da morte no ocidente. Trad. Priscila Viana de Siqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

________. O Homem Diante da Morte. Trad. Luiza Ribeiro. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1982.

BAUMAN, Zigmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Trad. Mauro Gama; Cláudia Martinelli Gama. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

BELLATIN, Mario. Salón de Belleza. In: Obra reunida. Cidade: Alfaguara, 2013, 528p.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do "sexo". In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000, 127p. Disponível em: Acesso em: 27/12/18.

CIPRESTE, Karla Fernandes. Experiência do excesso: Casares & Bellatin. Tese (Doutorado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada) Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários da Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013, 224p. Disponível em:Acesso: 10/12/2018.

DOUGLAS, Mary. Pureza e Perigo. Sónia Pereira da Silva. Rio de Janeiro: Edições 70, 1991, 136p. Disponível em:< https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/1861113/mod_resource/content/1/pureza-e-perigo-mary-douglas.pdf> Acesso em: 20/02/2019.

ELIAS, Norbert. A solidão dos moribundos seguidos de envelhecer e morrer. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

FILHO, Cláudio Bertolli; MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Morte e sociedade em Lima Barreto. In: MARTINS, Jose de Souza. A morte e os mortos na sociedade brasileira. São Paulo: Editora Hucitec, 1983.

FOUCAULT, Michel. Em Defesa da Sociedade. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. São Paulo: Graal, 2007.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Trad. Raul Fiker. São Paulo: Editora UNESP, 1991.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Trad. Mathias Lambert. Rio de Janeiro: LTC, 1988.

VILLELA, Wilza Vieira; MONTEIRO, Simone. Gênero, estigma e saúde: reflexões a partir da prostituição, do aborto e do HIV/aids entre mulheres. Epidemiologia e Serviços de Saúde [online]. 2015, v. 24, n. 3, pp. 531-540. Disponível em: . ISSN 2237-9622. https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000300019. Acesso: 25/02 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2020.v5i9.125-141

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons