Ensinar história a partir do esquecimento: um estudo de caso de educação patrimonial no Cemitério da Santa Casa, Porto Alegre/RS

João Camilo Grazziotin Portal

Resumo


Este artigo é baseado numa experiência de estágio em Educação Patrimonial (UFRGS) feito no Cemitério da Santa Casa, em Porto Alegre/RS. Tomando a forma de um relato, o artigo se propôe a discutir as potencialidades de se aprender e ensinar história a partir do espaço cemiterial. Nesse sentido, foram utilizadas, para as visitas, as faces do esquecimento que estão representadas na territorialidade do espaço, bem como as diferentes manifestações estéticas e sua relação com as diferentes classes sociais presentes ali. Assim, foi proposta uma reflexão sobre o esquecimento e a história a partir de uma prática de visita mais tangente às subjetividades, fazendo uma interlocução com a divisão espacial da instituição e tecendo uma narrativa a partir das relações de poder, em oposição à “história dos grandes homens”.

Palavras-chave


Educação patrimonial; Cemitério Santa Casa; Sensibilização histórica; Ensino de história; Esquecimento

Texto completo:

PDF

Referências


ALEKSIÉVITCH, Svetlana. A guerra não tem rosto de mulher. São Paulo: Cia. das Letras, 2016. 392 p.

ALMEIDA, Marcelina. A cidade e o cemitério: uma experiência em educação patrimonial. Revista M. Estudos sobre a morte, os mortos e o morrer, Rio de Janeiro, v.1, n.1, p. 213-230, jan./jun. 2016. http://doi.org/10.9789/2525-3050.2016.v1i1.213-230.

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2014. 309 p.

ÁVILA, Arthur; NICOLAZZI, Fernando; TURIN, Rodrigo (org.). A História (in)Disciplinada: teoria, ensino e difusão do conhecimento histórico. Vitória: Milfontes, 2019. 278 p.

BERUTE, Gabriel Santos. O tráfico negreiro no Rio Grande do Sul e as conjunturas do tráfico atlântico, c. 1790 – c.1830. In: ESCRAVIDÃO E LIBERDADE NO BRASIL MERIDIONAL, 5., Porto Alegre. Anais eletrônicos [...]. On-line, 2011. Disponível em: http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/images/Textos5/berute%20gabriel%20santos.pdf. Acesso em: 15 abr. 2020.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? 5ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018. 288 p.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982. 414 p.

DERRIDA, Jacques. Adeus a Emmanuel Lévinas. São Paulo: Perspectiva, 2015. 144 p.

DILLMANN, Mauro. Simbolizando a devoção: irmandades, cemitério e enterramentos em Porto Alegre no século XIX. Fênix, Uberlândia, v. 5, n. 1, p. 1-15, jan./mar. 2008.

ENGELS, Friederich; MARX, Karl. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Claret, 2005. 144 p.

GARCÍA CANCLINI, Néstor. O patrimônio cultural e a construção do imaginário social. Revista do IPHAN, Brasília, n. 23, p. 94-115, 1994.

HORTA, Maria L. P. et al. Guia básico de educação patrimonial. Brasília: Iphan, 1999. 68 p.

KOSELLECK, Reinhart. O conceito de história. Belo Horizonte: Autêntica, 2013. 230 p.

LORIGA, Sabina. O pequeno x: da biografia à história. Belo Horizonte: Autêntica, 2011. 231 p.

MBEMBE, Achille. Políticas da Inimizade. Lisboa: Antígona, 2017. 256 p.

MEIRELLES, Pedro von Mengden. Espetáculo de consternações – Os conflitos jurisdicionais na administração do cotidiano cemiterial na Piratini da segunda metade do século XIX. Aedos, Porto Alegre, v. 8, n. 18, p. 167-187, ago. 2016.

NASCIMENTO, Mara Regina do. Irmandades Religiosas na cidade: entre a ruptura e a continuidade na transferência cemiterial em Porto Alegre no século XIX. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. 30, n. 1, p. 85-103, jun. 2004. http://doi.org/10.15448/1980-864X.2004.1.23519.

NASCIMENTO, Mara Regina do. Irmandades leigas em Porto Alegre: Práticas Funerárias e experiência urbana – séculos XVIII-XIX. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006. 362 p. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/8574. Acesso em 15 mar. 2020.

OSÓRIO, Pedro Vianna. A cortina da memória dos mortos se abre à presença dos vivos: o cemitério e a aula de História. Aurora, Rio de Janeiro, ano 1, n. 2, p. 77-89, jun./dez. 2018.

RODRIGUES, Cláudia. Nas fronteiras do além: o processo de secularização da morte no Rio de Janeiro (séculos XVIII e XIX). 2002. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005. 392 p.

SARTRE, Jean-Paul. ¿Que es la literatura? 4ª ed. Buenos Aires: Editorial Losada: 1967. 320 p.

TOLENTINO, Átila. O que não é educação patrimonial: cinco falácias sobre seu conceito e sua prática. In: TOLENTINO, Átila;

OLIVEIRA. Emanuel (org.). Educação patrimonial: políticas, relações de poder e ações afirmativas. João Pessoa: IPHAN-PB, 2016. Caderno Temático 5. 150 p. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/caderno_tematico_educacao_patrimonial_05.pdf. Acesso em 15 mar. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2021.v5i10.383-395

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons