A importância da relação entre o baixo e a percussão para o aprendizado do baixo elétrico no samba: entrevistas com dez informantes qualificados

Sergio Castanheira

Resumo


Esse artigo faz parte da pesquisa de mestrado, ainda em andamento, sobre os processos de aprendizagem dos baixistas que tocam samba. Neste artigo serão destacadas as entrevistas realizadas com dez baixistas entre os meses de março e novembro de 2015, com enfoque na questão da relação entre o baixo elétrico e a percussão. Como metodologia foram realizadas entrevistas semiestruturadas, que foram analisadas de forma qualitativa. Os entrevistados foram denominados informantes qualificados por suas trajetórias enquanto profissionais do instrumento e suas ligações com o samba. O texto se dividirá em dois itens que foram destacados a partir das entrevistas semiestruturadas: 1 - É preciso entender as percussões do samba – onde são apontados os caminhos mencionados pelos entrevistados em suas buscas de vivencia em ambientes musicais onde a percussão estivesse presente; 2 – O baixo é uma percussão: adaptando as percussões ao baixo elétrico – item que revelou as diferentes visões dos entrevistados na hora em que entendem a percussão como uma referência para criação de levadas no baixo e por consequência apresentam as formas como pensam a adaptação das levadas de percussão para o baixo elétrico. Concluiu-se que os entrevistados aprenderam a tocar o samba no baixo principalmente a partir da relação com os instrumentos de percussão, embora cada baixista entenda o referencial percussivo de uma maneira diferenciada

Texto completo:

PDF