Diretivas Antecipadas de Vontade e a concepção do protagonismo do enfermeiro na visão de estudantes de Enfermagem

Maria Luzia Machado Godinho, Edison Luiz Devos Barlem, Jamila Geri Tomaschewsk Barlem, Laurelize Pereira Rocha, Silvana Bastos Cogo, Graziele De Lima Dalmolin

Resumo


ObjetiEste artigo tem por objetivo apreender a percepção de estudantes de enfermagem acerca do protagonismo do enfermeiro, em relação às Diretivas Antecipadas de Vontade (DAV). Método: Estudo exploratório, descritivo, com abordagem qualitativa, do qual participaram 15 estudantes de enfermagem de uma universidade pública da Região Sul do Brasil. Os dados foram coletados em outubro de 2017, a partir da metodologia de Grupo Focal, e submetidos à Análise Textual Discursiva. Resultados: os estudantes revelaram a importância de que o enfermeiro conte com conhecimentos técnico-científicos, protagonismo e autonomia no exercício de sua profissão, no que concerne às DAV. O estudo também evidenciou que o grupo investigado considera que ele deve assumir papel de interlocutor entre equipe e família, promovendo autonomia e advocacia do paciente. Considerações Finais:  a enfermagem tem um longo caminho a percorrer para consolidar as DAV. A partir de seu uso, o profissional enfermeiro pode garantir que os pacientes tenham suas vontades respeitadas pelo hospital e pelos demais profissionais de saúde.


Palavras-chave


Diretivas Antecipadas; Papel do Profissional de Enfermagem; Estudantes de Enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Anderson Souza et al. Produção científica da enfermagem sobre morte/morrer em unidades de terapia intensiva. Enfermagem em Foco. On-line, v. 4, n. 3-4, p. 179-183, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

ALVES, Cristiane Alves. Linguagem, Diretivas Antecipadas de Vontade e Testamento Vital: uma interface nacional e internacional. Revista Bioethikos. São Paulo, v. 7, n. 3, p. 259-270, 2013. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

ALVES, Camila Aloísio; DESLANDES, Suely Ferreira; MITRE, Rosa Maria. Desafios da humanização no contexto do cuidado da enfermagem pediátrica de média e alta complexidade. Interface. Botucatu, v. 13, p. 581-594, 2009. Supl. 1. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2019.

AMORIM, Karla Patrícia. O cuidado de si para o cuidado do outro. Revista Bioethikos. São Paulo, v. 7, n. 4, p. 437-441, 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2019.

BANDEIRA, Danieli et al. Death and dying in the formation process of nurses from the perspective of nursing professors. Texto & Contexto Enfermagem. Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 400-407, 2014. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2019.

BERMEJO, José Carlos; BELDA, Rosa Maria. Testamento vital: diálogo sobre a vida, a morte e a liberdade. São Paulo: Loyola; 2015. 104 p.

BRANCO, Laiane Ávila; FREITAS, Natália Maria; LIMA, Larissa Alves. Construction of the nurse-client bond through dialogue in the hospital environment. Revista de Enfermagem da UFPI. Teresina, v. 5, n. 3, p. 30-35, 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2019.

BUSANELLO, Josefine et al. Grupo focal como técnica de coleta de dados. Cogitare Enfermagem. Curitiba, v. 18, n. 2, p. 358-64, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2019.

BUSSINGUER, Elda Coelho; BARCELLOS, Igor Awad. O direito de viver a própria morte e sua constitucionalidade. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 18, n. 9, p. 2691-8, 2013. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2019.

CASSOL, Paulo Barrozo; QUINTANA, Alberto Manuel; VELHO, Maria Teresa Aquino. Diretiva antecipada de vontade: percepção de uma equipe de enfermagem da hemato-oncologia. Journal of Nursing and Health. Pelotas, v. 5, n. 1, p. 4-13, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

COGO, Silvana Bastos et al. Challenges to implementation of advance directives of will in hospital practice. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v. 69, n. 6, p. 1031-1038, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

COGO, Silvana Bastos; LUNARDI, Valéria Lerch. Anticipated directives and living will for terminal patients: an integrative review. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v. 68, n. 3, p. 524-34, 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2019.

COGO, Silvana Bastos; LUNARDI, Valéria Lerch; NIETSCHE, Elisabeta Albertina. Considerações acerca da atuação do enfermeiro na aplicabilidade das diretivas antecipadas de vontade. Enfermagem em Foco. On-line, v. 8, n. 2, p. 26-30, 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2019.

COHEN, Benita; MARSHALL, Shelley. Does public health advocacy seek to redress health inequities? A scoping review. Health Soc Care Commun., v. 25, n. 2, p. 309-328, 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2020.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (Cofen). Resolução Cofen nº 564, de 6 de novembro de 2017. Aprova o novo Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Diário Oficial da União. Brasília, n. 233, 6 dez. 2017. Seção 1, p. 157. Disponível em: . Acesso: 20 nov. 2019.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM). Resolução CFM nº. 1.995, de 9 de agosto de 2012. Dispõe sobre as diretivas antecipadas de vontade dos pacientes. Diário Oficial da União. Brasília, n. 170, 31 ago. 2012. Seção 1, p. 269-270. Disponível em: Acesso: 20 nov. 2019.

DADALTO, Luciana. A necessidade de um modelo de Diretivas Antecipadas de Vontade para o Brasil: estudo comparativo dos modelos português e franceses. Revista M. Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 443-460, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 maio 2020.

DALL’AGNOL, Clarice Maria et al. A noção de tarefa nos grupos focais. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre, v. 33, n. 1, p. 186-190, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020.

GÓMEZ-TORRES, Danelia et al. Autoridad de gerentes de enfermería en la solución de conflictos: una mirada humanista. Revista de Enfermagem Referência. Coimbra, v. 4, n. 7, p. 41-49, 2015. Disponível em: Acesso em: 02 dez. 2019.

HASSEGAWA, Luiz Carlos Ufei et al. Approaches and reflexions on advance healthcare directives in Brazil. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília, v. 72, n. 1, p. 256-264, jan./fev. 2019. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2020

MELLO, Amanda Lemos; BACKES, Dirce Stein; DAL BEN, Luiza Watanabe. Protagonismo do enfermeiro em serviços de assistência domiciliar – Home Care. Enfermagem em Foco. On-line, v. 7, n. 1, p. 66-70, 2016. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2019.

MENDES, Isabel Amélia; VENTURA, Carla Aparecida. Nursing Protagonism in the UN Goals for the people’s health. Revista Latino-Americana de Enfermagem. Ribeirão Preto, v. 25, e2864, 2017. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2019.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 2 ed. Ijuí: Unijuí, 2013. 264 p.

NEVES, Maria Emília Oliveira. Percepção dos Enfermeiros sobre Diretivas Antecipadas de Vontade. 2013. Dissertação (Mestrado em Enfermagem Médico-Cirúrgica) – Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu, Viseu, 2013. 135 p. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2019.

NORA, Carlise Rigon; ZOBOLI, Elma; VIEIRA, Margarida Maria. Moral sensitivity of nurses assessed through scoping review. Cogitare Enfermagem. Curitiba, v. 22, n. 2, e47162, 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2019.

SAIORON, Isabela et al. Advance directives of will: nurses' perceptions of benefits and new demands. Escola Anna Nery. Rio de Janeiro, v. 21, n. 4, e20170100, 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2019.

SALUM, Maria Eduarda et al. The process of death and dying: challenges in nursing care for patients and family members. Rev Rene. Fortaleza, v. 18, n. 4, p. 528-535, 2017. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2019.

SANTOS, Manoel Antônio; HORMANEZ, Marília. Atitude frente à morte em profissionais e estudantes de enfermagem: revisão da produção científica da última década. Ciência & Saúde Coletiva. On-line, v. 18, n. 9, p. 2757-2768, 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2019.

SHANNON, Sarah. The Nurse as the Patient Advocate: A contrarian view. The Hastings Center Report. New York, v. 46, p. 43-47, 2016. Supl. 1. Disponível em: . Acesso em: 02 dez. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2525-3050.2020.v5i9.67-83

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo do periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons