A MULHER NEGRA NA LITERATURA BRASILEIRA: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

Autores

Resumo

O presente artigo vem propor uma reflexão acerca do papel da mulher negra literatura nacional, seja como autora ou personagem na medida em que, pelo levantamento bibliográfico realizado e com a utilização do método dialético qualitativo, parte-se do pressuposto segundo o qual o número de negras nos livros mostra uma homogeneidade racial que não representa à realidade da sociedade brasileira.Isso porque, a presença da mulher negra na literatura ainda é muito pequena e os seus desafios em contrapartida são enormes. A pesquisa se propõe a demonstrar que a perspectiva em relação à mulher negra ainda é insuficiente. Um mercado literário mediado por vozes de homens, as mulheres ainda são uma minoria. O caminho para suas vozes serem ouvidas é longo e árduo, pois sua condição de gênero se vê inexoravelmente prejudicada pela cor de sua pele, então sua voz precisa ser ainda mais alta. Portanto, há uma grande dificuldade das mulheres negras conseguir ascender na literatura não apenas em razão do preconceito de cor ou em razão do gênero, mas o próprio acesso à educação revela-se um obstáculo muito difícil e precisa ser enfrentado por toda sociedade para uma maior participação da mulher negra na literatura. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UniRio

Pós-Doutorado em Direito pela Universidade Estácio de Sá/RJ (UNESA). Doutora em Direito pela Universidade Gama Filho (UGF). Mestre em Direito pela Universidade Gama Filho (UGF). Professora do Curso de Direito, da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio). Pesquisadora da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro (FAPERJ). Coordenadora do Grupo de Pesquisa Direitos Humanos e Desenvolvimento social. Rio de Janeiro (RJ), Brasil.

Patricy Barros Justino, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Universidade Estácio de Sá

Atualmente cursando Doutorado em Direito na área de Concentração em Direito Público e Evolução Social pela UNESA. Possui Mestrado em Direito na área de Concentração Estado e Cidadania pela Universidade Gama Filho (2000). Pesquisadora e Colaboradora do Projeto de Extensão da Liga de Direito e Literatura - LADIL - vinculado a Escola de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO (2019) Associada Pesquisadora do Instituto Nacional de Pesquisa e Promoção de Direitos Humanos – INPPDH (2019). Membro da Law and Society Association (2017) e Membro Associado do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais - IBCCRIM. Professora dos cursos à distância da Fundação Getúlio Vargas membro da banca de Direito Penal e Processo Penal da OAB pela FGV PROJETOS; professora da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ. Tem experiência na área de Estado e Cidadania, com ênfase em Direito Público e Direito Internacional Público, atuando principalmente nos seguintes temas: Direitos Humanos, Direito Constitucional Americano, Direito Imigratório: Brasil e EUA, Criminologia, Sociologia Criminal, Direito Penal Brasileiro e Direito Processual Penal, Criminalidade Transnacional, Globalização das Relações Sociais, Estudos Contemporâneos do Direito Trabalho Brasileiro, História do Direito, Direito Digital, Direito e Literatura Brasileira e Americana e Metodologia da Pesquisa.

Aiana Teixeira de Carvalho, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UniRio

Graduanda de Direito pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), pesquisadora da Escola de Ciências Jurídicas da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), atuando como membro do Grupo de Pesquisa Direitos Humanos e Transformação Social (GPDHTS) vinculado ao PPGD/UNIRIO e do Projeto de Extensão Liga de Direito e Literatura (LADIL) e membro da LADIL

Referências

ALMEIDA, Pereira Nizan. A construção da invisibilidade e da exclusão da população negra nas práticas e políticas educacionais no Brasil. Tese (Doutorado em Educação) Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Curitiba. 2014

CANDIDO, Antonio. Vários Escritos. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2011.

CAVICCHIA, Durlei de Carvalho. O Desenvolvimento da Criança nos Primeiros Anos de Vida. 06 de dezembro de 2010. Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/bitstream/123456789/224/1/01d11t01.pdf . Consultado em 30/09/2020

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro Brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, Niterói/RJ, n.23, 2007.

DUARTE, Eduardo Assis. Apresentação. In: REIS, Maria Firmina dos. Úrsula. Florianópolis, SC: Editora Mulheres; Belo Horizonte: PUC Minas, 2004.

EVARISTO, Conceição. Poemas da Recordação e outros Movimentos. Belo Horizonte: Nandyala, 2008.

FERNANDES, Fernanda. A História da Educação Feminina. 07 de março de 2019. Disponível em: http://www.multirio.rj.gov.br/index.php/leia/reportagens-artigos/reportagens/14812-a-%20%20%20%20%20%20%20%20hist%C3%B3ria-da-educa%C3%A7%C3%A3o-feminina.

FERNANDES, José Carlos. Por que negros foram excluídos do ensino nos períodos imperial e republicano? A Gazeta do Povo. 12 de maio de 2015. Disponível em https://www.gazetadopovo.com.br/educacao/por-que-negros-foram-excluidos-do-ensino-nos-periodos-imperial-e-republicano-96aaka56heq7qxjdcyml7v7m6/ consultado em 05/102020.

MACIEL, Vanessa Chaves. Oliveira, Maria Anória J. A Cor da Ternura. Resenha disponível em: http://www.letras.ufmg.br/literafro/resenhas/infanto-juvenil/1149-geni-guimaraes-a-cor-da-ternura.

NAVARRO, Márcia Hoppe; SCHMIDT, Rita Terezinha. A Questão de Gênero: Ideologia e Exclusão. In:2º Congresso sobre a 98 | Literatura, espaço autobiográfico e memória Mulher, Gênero e Relações de Trabalho, 2007. Goiânia: Instituto Goiano do Trabalho, 2007. v. 1.

OLIVEIRA, Kiusam. Site com conteúdos sobre a autora e para crianças disponíveis em: http://mskiusam.com/. Consultado em 05/10/2020.

REIS, Maria Firmina dos. Úrsula: Romance. Belo Horizonte: Editora da PUC Minas, 2017.

REIS, Maria Firmina dos. A Escrava. In: REIS, Maria Firmina dos. Úrsula. Florianópolis, SC: Editora Mulheres; Belo Horizonte: PUC Minas, 2004.

RIBEIRO, Maria Luisa dos Santos. História da Educação Brasileira: a Organização Escolar. 19 ed. Campinas: Autores Associados, 2003.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil. 8. ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

RISTOFF, Dilvo. A Trajetória da Mulher na Educação Brasileira. 08 de março de 2006. Disponível em http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/202-264937351/5710-sp-1216879868.

SANTANA, José Valdir Jesus de; MORAES, Jorlúcia Oliveira. História do Negro na Educação: Indagações Sobre Currículo e Diversidade Cultural. Revista Espaço Acadêmico, Maringá/PR, n. 103, Dez 2009.

SOBRAL, Cristiane. Não Vou Mais Lavar Pratos. Editora Athalaia, 2010.

SOUZA, Elio Ferreira de. “A Carta Da Escrava Esperança Garcia de Nazaré do Piauí: Uma Narrativa Testemunho Precursora da Literatura Afro-Brasileira”. http://www.letras.ufmg.br/literafro/arquivos/artigos/criticas/ArtigoElioferreira1cartaesperancagarcia.pdf. Consultado em 06/10/2020.

SOUZA, Fabiana dos Santos. Literatura Afro-Feminina Brasileira: Uma Forma de Combate Ao Silenciamento e ao Racismo. Artigo disponível em: https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/6897354.pdf Consultado em 05/10/2020.

TEIXEIRA, Anísio. Estado atual da educação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v.39, n.89, jan./mar. 1963. p.8-16. Disponível em: http://www.bvanisioteixeira.ufba.br/artigos/estado.html Consultado em 15/10/2020.

WERTHEIN, Jorge. Mulheres e Alfabetização. 03 de abril de 2014. Disponível em https://undime.org.br/noticia/mulheres-e-alfabetizacao Consultado em 05/10/2020.

Downloads

Publicado

2021-04-14

Como Citar

Hogemann, E. R. R. S., Justino, P. B., & Carvalho, A. T. de. (2021). A MULHER NEGRA NA LITERATURA BRASILEIRA: PASSADO, PRESENTE E FUTURO. REVISTA DIREITO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS, 2(2), 104–121. Recuperado de http://seer.unirio.br/rdpp/article/view/10524

Edição

Seção

Dossiê