Managerial stress according to rodgers’ evolutionary concept analysis / Estresse gerencial: análise de conceito na perspectiva evolucionária de Rodgers

Main Article Content

Victor Lucas de Melo Silva
Rayane Saraiva Felix
Nayara de Souza
Camila Matias Nascimento
Larissa Kelly Silva de Moura
Pétala Tuani Candido de Oliveira Salvador

Resumo

Objetivo: Analisar o conceito estresse gerencial na perspectiva evolucionária de Rodgers. Métodos: Estudo descritivo de abordagem mista, cuja fonte da coleta de dados foi o Banco de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. A busca foi realizada em maio de 2017, através do descritor “Estresse Ocupacional”. Foram incluídas produções brasileiras disponíveis na íntegra. Os dados foram analisados a partir de estatística descritiva simples, e a variável qualitativa através da análise de similitude com suporte do IRAMUTEQ. Resultados: A amostra final contou com 12 estudos, de um total de 314, número ainda incipiente. Na análise conceitual foram encontrados os seguintes vocábulos: estresse ocupacional, indivíduo, ambiente, saúde e físico. Conclusão: Conceituou-se estresse gerencial como um conjunto de fatores organizacionais e interpessoais no local de trabalho, que causam o desgaste fisiológico e psicológico do trabalhador, o que afeta a saúde do indivíduo,  como reflete diretamente na instituição.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Lucas de Melo Silva V, Saraiva Felix R, de Souza N, Matias Nascimento C, Kelly Silva de Moura L, Tuani Candido de Oliveira Salvador P. Managerial stress according to rodgers’ evolutionary concept analysis / Estresse gerencial: análise de conceito na perspectiva evolucionária de Rodgers. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de junho de 2021 [citado 17º de maio de 2022];13:94-102. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/7580
Seção
Research
Biografia do Autor

Victor Lucas de Melo Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduado no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Brasil.

Rayane Saraiva Felix, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Enfermeira, especialista em Urgência e Emergência pela Estácio de Sá, Graduanda no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Brasil.

Nayara de Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduada no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Brasil.

Camila Matias Nascimento, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduada no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Brasil.

Larissa Kelly Silva de Moura, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduada no Curso Superior de Tecnologia em Gestão Hospitalar pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Brasil.

Pétala Tuani Candido de Oliveira Salvador, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Enfermeira, Doutora em Enfermagem, Professora da Escola de Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Brasil. 

Plum Analytics

Referências

Fonseca JRF, Neto DL. Níveis de estresse ocupacional e atividades estressoras em enfermeiros de unidades de emergência. Rev RENE. 2014; 15(5):732-42.

Selye H. Stress e tensão. 2ª ed. São Paulo (SP): IBRASA; 1965.

Balassiano M, Tavares E, Pimenta RC. Estresse ocupacional na administração pública brasileira: quais os fatores impactantes? Rev RAP. 2011; 45(3):751-74.

Cooper CL, Marshall J. Occupational sources of stress: a review of the literature relating to coronary heart disease and mental ill health. J Occup Health Psychol. 1976; 49(1):11-28.

Goulart JRE, Lipp MEN. Estilo de liderança e estresse: uma pesquisa em escolas estaduais de ensino fundamental. RBPAE. 2011; 27(2):153-360.

Oliveira RJ, Cunha T. Estresse do profissional de saúde no ambiente de trabalho: causas e consequências. Caderno Saúde e Desenvolvimento. 2014; 3(2):78-93.

Rodgers BL. Concept Analysis: an evolutionary. In: Rodgers BL, Knafl KA (Eds.). Concept developmente in nursing. 2ª ed. Philadelphia: Saunders; 2000.

Poles K, Bousso RS. Morte digna da criança: análise de conceito. Rev Esc Enferm USP. 2009; 43(1):215-22.

Camargo BV, Justo AM. Tutorial para uso do software de análise textual IRAMUTEQ. Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição (LACCOS). Santa Catarina; 2013. Available from: http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/tutoriel-en-portugais.

Salvador PTCO, Bezerril MS, Mariz CMS, Fernandes MID, Martins JCA, Santos VEP. Objeto e ambiente virtual de aprendizagem: análise de conceito na perspectiva evolucionária de Rodgers. Rev Bras Enferm. 2017; 70(3):599-606.

Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) 2011-2020. Brasília (DF); 2010

Lima RS. Instrumentos utilizados para avaliar o estresse ocupacional de gestores: scoping review . Natal (RN): Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2017.

Centro Universitário Unihorizontes. Cursos. Belo Horizonte; 2018. Available from: http://www.unihorizontes.br/fnh/.

Ministério da Educação. Avaliação da CAPES aponta crescimento da pós-graduação brasileira . Brasilia (DF): Fundação CAPES; 2017. Available from: http://www.capes.gov.br/sala-de-imprensa/noticias/8558-avaliacao-da-capes-aponta-crescimento-da-pos-graduacao-brasileira.

Moraes AFM. Estresse ocupacional: um olhar sobre o trabalho da mulher gestora do polo industrial de Manaus. Dissertation. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2014.

Rossi AM. Estressores ocupacionais e diferenças de gênero. São Paulo (SP): Atlas; 2010.

Santos AQ. Estresse ocupacional: estudo realizado com gestores docentes de Unidades Acadêmicas da área da Saúde de uma Instituição Federal de Ensino situada no estado de Minas Gerais. Dissertation. Belo Horizonte (MG): Faculdade Novos Horizontes; 2015.

Guimarães ALCO. O estresse ocupacional do gestor escolar: um estudo nas escolas municipais do cabula/salvador – Bahia. Dissertation. Salvador (BA): Universidade Do Estado da Bahia; 2013.

Pego ZO. Estresse ocupacional: estudo com gestores de uma instituição de ensino público federal do Estado de Minas Gerais. Dissertation. Belo Horizonte (MG): Faculdade Novos Horizontes; 2015.

Lipp MEN, Rocha JC. Stress, qualidade de vida e hipertensão arterial. 2ª ed. Campinas (SP): Papirus; 1996.

Paschoal T, Tamayo A. Impacto dos Valores Laborais e da Interferência Família – Trabalho no Estresse Ocupacional. Psic.: Teor. e Pesq. 2005; 21(2):173-80.

Canova QR, Porto JB. O impacto dos valores organizacionais no estresse ocupacional: um estudo com professores de ensino médio. Rev Adm Mackenzie. 2010; 11(5):4-31.

Pereira LZ, Zille GP. O estresse no trabalho: uma análise teórica de seus conceitos e suas inter-relações. Rev GES. 2010; 4(7):414-34.

Limongi-França AC, Rodrigues AL. Stress e trabalho: uma abordagem psicossomática. 3ª ed. São Paulo (SP): Atlas; 2002.

Amaral MA, Souza FR, Brandão RKS, Tiola FPS, Ferreira LB. Estresse Ocupacional: Um Estudo das Relações de Trabalho do Centro Municipal de Saúde de Iúna/ES. In Anais do Simpósio de Excelência de Gestão e Tecnologia; 2013 out; Resende (RJ); 2013. p. 1-16.

Maffia LN. Estresse ocupacional em gestores: estudo nas secretarias de estado de Minas Gerais. Dissertation. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais; 2013.

Leite Júnior, JAP. Estresse, estratégias de enfrentamento e qualidade de vida no ambiente de trabalho: um estudo em um instituto de pesquisas . Dissertation. São José dos Campos (SP): 2009.

Zagonel IPS. Análise de conceito: um exercício intelectual em enfermagem. Cogitare Enfer. 1996; 1(1):10-4.

Folkman S, Lazarus RS, Dunkel-Schetter C, Delongis A, Gruen RJ. Dynamics of a stressful encounter: cognitive appraisal, coping, and encounter outcomes. JPSP. 1986; 50(5):992-1003.

Zautra AJ, Wrabetz AB. Coping success and its relatioship to psychological distress for older adults. JPSP. 1991; 61(5):801-10.

Parkes KR. Personality and coping as moderator of work stress process: Models, methods and measures. J Work & Stress. 1994; 88(2):110-29.

Terry DJ. Determinants of coping: the role of stable and situational factors. JPSP. 1994; 66(5):895-910.

Latack JC, Havlovic AJ. Coping with job stress: a conceptual evaluation framework for coping measures. JOB. 1992; 13(5):479-508.

Tamayo MR, Troccoli BT. Exaustão emocional: relações com a percepção de suporte organizacional e com as estratégias de coping no trabalho. Estud Psicol. 2002; 7(1):37-46.