The know-how of the nursing technician: a perspective on care / O saber-fazer do técnico de enfermagem: uma perspectiva sobre o cuidar

Main Article Content

Rildo Santos Loureiro
http://orcid.org/0000-0002-6597-1399
Ana Lúcia Abrahão da Silva
http://orcid.org/0000-0002-0820-4329
Nereida Lúcia Palko dos Santos
http://orcid.org/0000-0002-9882-888X
Donizete Vago Daher
http://orcid.org/0000-0001-6249-0808

Resumo

Objetivo: descrever o processo de trabalho do técnico de enfermagem no ambiente hospitalar. Método: trata-se de estudo descritivo, qualitativo, cujos dados foram coletados por observação simples, com anotações em diário de campo, e entrevista semiestruturada tratadas por análise de conteúdo. Participaram nove técnicos de enfermagem de um hospital público localizado no interior do estado do Rio de Janeiro. Resultados: identificou-se que, quando faz uso das tecnologias em saúde com o usuário, o técnico de enfermagem produz o seu saber-fazer articulado com a dinâmica micropolítica do cuidado. Entretanto, a potência do momento intercessor usuário-técnico é pouco explorada durante o processo de cuidado. Conclusão: o profissional técnico de enfermagem, no seu cotidiano, pouco reconhece os momentos de ressignificação de sua prática como elemento terapêutico no cuidado com o usuário.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Loureiro RS, da Silva ALA, dos Santos NLP, Daher DV. The know-how of the nursing technician: a perspective on care / O saber-fazer do técnico de enfermagem: uma perspectiva sobre o cuidar. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 28º de setembro de 2021 [citado 17º de maio de 2022];13:1467-1472. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/10156
Seção
Research
Biografia do Autor

Rildo Santos Loureiro, Faculdade Católica Maria Auxiliadora Em Macaé-RJ.NUPGES - Núcleo de Pesquisa em Gestão e Trabalho em Saúde na Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa - UFF.

Psicólogo. Mestre em
Ciências do Cuidado em
Saúde–EEAAC–UFF.
Professor Mestre do Curso
de Psicologia da Faculdade
Católica Salesiana. Macaé –
Rio de Janeiro -Brasil.

Ana Lúcia Abrahão da Silva, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa. Universidade Federal Fluminense. Niterói - Rio de Janeiro - Brasil.

Enfermeira. Pós Doutora.
Professora Titular na Escola
de Enfermagem Aurora de
Afonso Costa. Universidade
Federal Fluminense. Niterói
- Rio de Janeiro - Brasil.

Nereida Lúcia Palko dos Santos, Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro – Rio de Janeiro - Brasil.

Enfermeira. Doutora. Professora Associada da Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro – Rio de Janeiro - Brasil.

Donizete Vago Daher, Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa. Universidade Federal Fluminense. Niterói- Rio de Janeiro - Brasil.

Enfermeira. Doutora em Saúde Coletiva. Professora Titular da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa. Universidade Federal Fluminense. Niterói- Rio de Janeiro - Brasil.

Plum Analytics

Referências

Aquino TM. A revisitação habermasiana à mudança estrutural da esfera pública: potenciais e limites identificados. Áskesis. [Internet]. 2017 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 6(1). Disponível em: Disponível: https://www.revistaaskesis.ufscar.br/index.php/askesis/article/view/217.

Rios MO, Nascimento MAA. Processo de trabalho na Estratégia de Saúde da Família: (des)articulação das relações entre gestores, trabalhadores de saúde e usuários. Enfermagem Brasil. [Internet]. 2017 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 17(5). Disponível em: https://portalatlanticaeditora.com.br/index.php/enfermagembrasil/article/view/1078/4122

Praun L. Reestruturação produtiva, saúde e degradação do trabalho. Campinas: Editora Papel Social; 2016.

Merhy EE. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: Merhy EE, Onocko R. Práxis em salud: um desafio para lo público. São Paulo: Hucitec; 1997. p. 71-112.

Machado EMC. Processo de trabalho em saúde: gestão do perfil profissional de enfermagem. Rev. saúde e desenvol. [Internet]. 2015 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 7(4). Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/view/349.

Corrêa AK, Sordi RL. Educação profissional técnica de nível médio no sistema único de saúde e a política de formação de professores. Texto & contexto enferm. [Internet]. 2018 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 27(1): e2100016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-07072018002100016.

Dutra CD, MC Soares, Könzgen Meincke SM, Matos GC. Processo de trabalho da enfermagem na atenção primária à saúde: revisão integrativa. Rev. enferm. UFPE on line. [Internet]. 2016 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 10(Supl. 3). Disponível: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/11094/12549.

Green J, Thorogood N. Qualitative methods for health research. 4. ed. Los Angeles: SAGES; 2018.

Franco MLPB. Serie pesquisa: análise de conteúdo 6. 5 ed. Campinas: Autores Associados; 2018.

BRASIL. Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Portal da Legislação: Leis Ordinárias. 2013. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília, DF: Ministério da Saúde; 2004. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/bvsms/resource/pt/mis-940.

Sanches ICP, Couto IRR, Abrahao AL, Andrade M. Acompanhamento hospitalar: direito ou concessão ao usuário hospitalizado? Ciênc. Saúde Colet. [Internet]. 2013 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 18(1). Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232013000100008.

Cardoso AC, Morgado L. Trabalho e saúde do trabalhador no contexto atual: ensinamentos da Enquete Europeia sobre Condições de Trabalho. Saúde Soc. [Internet]. 2019 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 28(1). Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0104-12902019170507.

Trettene AS, Ferreira JAF, Mutro MEG, Tabaquim MLM, Razera APR. Estresse em profissionais de enfermagem atuantes em unidades de pronto atendimento. Boletim academia Paulista de Psicologia (Online). 2176-3038. [Internet]. 2016 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 36(91). Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2016000200002.

Miranda APRS. Investigando a organização de processos de trabalho pelo uso de ferramentas analisadoras. Rev. em pauta. [Internet]. 2015 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 36. Disponível em: https://doi.org/10.12957/rep.2015.21059

Gomes AS, de Souza Monteiro CFS, Nunes BMVT, Benício CDAV, Nogueira LT. O cuidado em enfermagem analisado segundo a essência do cuidado de Martin Heidegger. Rev. cuba. enferm. [internet]. 2017 [acesso em 10 dezembro 2020]; (33)3. Disponível em: http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/1529/295.

Campos GWS. Um método para análise e co-gestão de coletivos: a constituição do sujeito, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: o método da roda. São Paulo: Hucitec; 2000.

Collière M-F. Cuidar... A primeira arte da vida. 2. ed. Loures: Lusociência; 2003.

Assis WD, Collet N, Reichert APS, Sá LD. O processo de trabalho do enfermeiro na promoção da saúde mental: análise reflexiva. Rev. enferm. Cent.-Oeste Min. 2017 [acesso em 10 de dezembro 2020]; 7. Disponível em: https://doi.org/10.19175/recom.v7i0.2097.

Ceccim RB, Kreutz JA. Prospecção de modelos tecnoassistenciais na atenção básica: protocolo de pesquisa colaborativa multissituada na Educação em Saúde Coletiva. LUME. Repositório UFRGS. 2016 [acesso em 10 de dezembro 2020]. Disponível em: https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/142314/000992984.pdf?sequence=1.