Knowledge of the health team about brain death protocol and maintenance of potential donor / Conhecimento da equipe de saúde sobre protocolo de morte encefálica e manutenção do potencial doador

Main Article Content

Vânia Chagas da Costa
https://orcid.org/0000-0002-1992-2879
Monique Maria de Lima Nascimento
https://orcid.org/0000-0002-5236-2834
José Erivonaldo Lira da Silva
https://orcid.org/0000-0002-3336-069X
Bruna Catarina Viana da Silva
https://orcid.org/0000-0003-3807-0808
Nathália Rodrigues Martins de Melo
Tânia Maria Rocha Guimarães
https://orcid.org/0000-0001-6950-2015

Resumo

Objetivo: analisar o conhecimento da equipe de saúde da Unidade de Terapia Intensiva de adulto sobre protocolo de morte encefálica e manutenção do potencial doador de órgãos e tecidos para transplantes. Método: estudo transversal, observacional, analítico desenvolvido na unidade de terapia intensiva adulto, de um hospital de alta complexidade do Nordeste brasileiro, no período de julho a setembro de 2019. A amostra foi de conveniência, formada por 22 profissionais, enfermeiros, médicos e fisioterapeutas. Resultados: a maioria apresentou conhecimento adequado sobre os procedimentos necessários para abertura do protocolo de morte encefálica, entretanto, não sabe quais profissionais têm competência para abertura do protocolo, desconhece quando deve ser iniciado o processo de manutenção do potencial doador de órgãos, apresentaram déficit de conhecimentos sobre suas atribuições. Conclusão: identificamos a necessidade de capacitação da equipe de saúde sobre o protocolo de morte encefálica, doação de órgãos e tecidos, com foco na manutenção do potencial doador.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Costa VC da, Nascimento MM de L, Silva JEL da, Silva BCV da, Melo NRM de, Guimarães TMR. Knowledge of the health team about brain death protocol and maintenance of potential donor / Conhecimento da equipe de saúde sobre protocolo de morte encefálica e manutenção do potencial doador. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 26º de outubro de 2021 [citado 16º de maio de 2022];13:1499-505. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/10229
Seção
Research
Biografia do Autor

Vânia Chagas da Costa, Universidade de Pernambuco

Professora Assistente da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças da Universidade de Pernambuco. Mestrado em Saúde da criança e do adolescente. Coordenadora Acadêmica do Programa de Residência em Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva da Universidade de Pernambuco. Brasil.

Monique Maria de Lima Nascimento, Universidade de Pernambuco

Acadêmica de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças. Universidade de Pernambuco. Brasil. 

José Erivonaldo Lira da Silva, Universidade de Pernambuco

Acadêmico de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças. Universidade de Pernambuco. Brasil.

Bruna Catarina Viana da Silva, Universidade de Pernambuco

Acadêmica de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças. Universidade de Pernambuco. Brasil.

Nathália Rodrigues Martins de Melo, Universidade de Pernambuco

Acadêmica de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças. Universidade de Pernambuco. Brasil.

Tânia Maria Rocha Guimarães, Universidade de Pernambuco

Enfermeira. Doutora em Biologia Celular e Estrutural. Professora Adjunta III da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças. Universidade de Pernambuco. Enfermeira assistencial da Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco. Brasil.

Plum Analytics

Referências

REFERÊNCIAS

Ramos ASMB, Carneiro AR, Pessoa DLR, Fontele RM, Machado MCAM, Nunes SFL . O enfermeiro no processo de doação e transplante de órgãos. São Paulo: Revista Recien. 2019; 9(25):3-10

Fernandes MEN, Bittencourt ZZL de C, Boin IFSF. Vivenciando a doação de órgãos: sentimentos de familiares pos consentimento. Rev. Latino-Am. Enfermagem set.-out. 2015;23(5):895-901.

Ribeiro KRA, Prado LS, Santos FR, Gonçalves FAF, Borges MM, Abreu EP. Morte encefálica e o processo de doação de órgãos: uma atenção ao familiar. Rev Fun Care Online. 2020 jan/dez; 12:190-196. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.7197.

Brasil. Lei nº 10.211, de 23 de março de 2001. Altera dispositivos da Lei no 9.434, de 4 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento. Presidência da república. Brasília: 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10211.htm

Conselho Federal de Medicina (Brasil). Resolução CFM 2.173 de 15 de dezembro de 2017 [Internet]. Critérios para Diagnóstico de Morte Encefálica. Brasília: CFM; 2017. Disponível em: https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/carga20171205/19140504-resolucao-do-conselho-federal-de-medicina-2173-2017.pdf

Costa CR, Costa LP, Aguiar N. A enfermagem e o paciente em morte encefálica na UTI. Rev. bioét. (Impr.). 2016; 24 (2): 368-73. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/bioet/v24n2/1983-8034-bioet-24-2-0368.pdf

Costa IF, Netto JJM, Brito MCC, Goyanna NF, Santos TC, Santos SS. Fragilidades na atenção ao potencial doador de órgãos: percepção de enfermeiros. Rev. bioét. (Impr.). 2017; 25 (1): 130-7.

Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco [homepage na internet]. Hospital da Restauração. [Citado em 22 de Janeiro de 2020] Disponível em: http://portal.saude.pe.gov.br/unidades-de-saude-e-servicos/secretaria-executiva-de-atencao-saude/hospital-da-restauracao.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução 466 de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Brasília: CNS; 2012. Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Diretrizes para avaliação e validação do potencial doador de órgãos em morte encefálica. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2016 [citado 30 Novembro 2019];28(3):220-255 Diponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v28n3/0103-507X-rbti-28-03-0220.pdf

Westphal GA, Veiga VC, Franke CA. Determinação de morte encefálica no Brasil. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2019 [citado 08 dezembro de 2019];31(3):403-409.

Chierattoa CLD, Gonsagab RAT, Cavasinic BV, Thevenardc G, Filhoc JAFS, Cagnonic LC et al. Impacto da Disponibilidade de Profissional com Dedicação Exclusiva no Processo de Doação de Órgãos. J Health Sci [Internet].2017 [citado 30 Novembro 2019];19(4):256-61. Disponível em: http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/01/877792/09-impacto-da-disponibilidade. Pdf

Silva FAA, Cunha DSP, Lira JAC, Ribeiro JF, Campelo GVS, Nunes BMVT. Morte encefálica e manutenção de órgãos: conhecimento dos profissionais intensivistas. Rev enferm UFPE on line [Internet]. 2018 [citado 01 Dezembro 2019];12(1):51-8. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/25130/25852.

Bonetti CE, Boes AA, Lazzari DD et al. Doação de órgãos e tecidos e motivos de sua não efetivação. Rev enferm UFPE on line., Recife, 11(Supl. 9):3533-41, set., 2017

Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (Brasil). Sistema Estadual de Transplantes. Manual para Notificação, Diagnóstico de Morte Encefálica e Manutenção do Potencial Doador de Órgãos e Tecidos. – Curitiba: SESA/SGS/CET, 2016 [citado 01 Dezembro 2019]. 52 p. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/ap_protocolo_morte16 FINAL. Pdf

Aredes JS et al. A morte que salva vidas: complexidades do cuidado médico ao paciente com suspeita de morte encefálica. Cad. Saúde Pública 2018; 34(11):e00061718

Silva HB; Silva KF; Diaz CMG. A enfermagem intensivista frente à doação de órgãos: uma revisão integrativa. Rev Fund Care Online. 2017 jul/set; 9(3):882-887. DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2017.v9i3.882-887.

Conselho Federal de Enfermagem (Brasil). Resolução COFEN 611 de 02 de agosto de 2019. Atualiza a normatização referente à atuação da Equipe de Enfermagem no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante, e dá outras providências. Brasília: COFEN; 2019. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resolucao-cofen-no-611-2019_72858.html

Chehuen Neto JA, Ferreira RE, Assad IM, Santos IA, Santos JL, Paula LC, et al. Atualização dos critérios diagnósticos de morte encefálica: aplicação e capacitação dos médicos. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2019 [citado 08 dezembro 2019] ;31(3):303-311.

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Brasil). Resolução COFFITO 402 de 03 de agosto de 2011. Disciplina a Especialidade Profissional Fisioterapia em Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília: COFFITO; 2011. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3165.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)