Family violence against children: approach to nursing through genogram and ecomapa / Violência familiar contra criança: abordagem de enfermagem através do genograma e ecomapa

Main Article Content

Liliane Amazonas Camilo
http://orcid.org/0000-0002-9685-5542
Leila Leontina do Couto
http://orcid.org/0000-0002-8948-5045
Ana Cláudia Mateus Barreto
http://orcid.org/0000-0002-3519-6440
Aline Cerqueira Santana dos Santos
http://orcid.org/0000-0002-8119-3945
Isabel Cristina Ribeiro Regazzi
http://orcid.org/0000-0002-0662-9446
Layanne Fonseca Pinto
http://orcid.org/0000-0002-2362-8154

Resumo

Objetivos: descrever a organização familiar frente ao caso de violência contra a criança e analisar através da utilização do genograma e ecomapao risco de familiares em situação de violência. Método: estudo descritivo, tipo estudo de caso realizado no setor pediátrico de um Hospital Municipal da Baixada Litorânea do estado do Rio de Janeiro. Aplicado o Modelo de Calgary de avaliação de famílias. Resultados: através do genograma e ecomapa identificou-se a organização familiar, as relações familiares e as várias situações de violência vivenciadas pela criança e seus familiares. Conclusão: este estudo ratifica o papel da enfermagem na identificação de casos de violência, a importância destes profissionais em compreender a magnitude desta situação e seus desdobramentos no ambiente familiar. O enfermeiro deve desenvolver habilidades que protejam a criança e sua família em questões de violência intrafamiliar.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Camilo LA, do Couto LL, Barreto ACM, Santana dos Santos AC, Regazzi ICR, Pinto LF. Family violence against children: approach to nursing through genogram and ecomapa / Violência familiar contra criança: abordagem de enfermagem através do genograma e ecomapa. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 27º de outubro de 2021 [citado 24º de janeiro de 2022];13:1554-1560. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/10443
Seção
Research
Biografia do Autor

Liliane Amazonas Camilo, Universidade Federal Fluminense

Acadêmica do 10° perído de enfermagem pela Universidade Federal Fluminense.

Leila Leontina do Couto, Universidade Federal Fluminense

Enfermeira pela Universidade Federal Fluminense. Doutora em enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – Professora adjunta da Universidade Federal Fluminense Rio das Ostras – Rio de Janeiro - Brasil

Ana Cláudia Mateus Barreto, Universidade Federal Fluminense

Enfermeira pela Universidade do Estado do Rio de Jnaieor. Doutora em enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – Professora adjunta da Universidade Federal Fluminense-Rio das Ostras – Rio de Janeiro -Brasil

Aline Cerqueira Santana dos Santos, Universidade Federal Fluminense

Enfermeira pela Universidade Gama Filho. Doutora pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – Professora adjunta da Universidade Federal Fluminense Rio das Ostras – Rio de Janeiro - Brasil.

Isabel Cristina Ribeiro Regazzi, Universidade Federal Fluminense

Enfermeira pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Médica pela Universidade do Grande Rio. Mestre em enfermagem pela Universidade do Rio de Janeiro. Professora adjunta da Universidade Federal Fluminense Rio das Ostras – Rio de Janeiro - Brasil.

Layanne Fonseca Pinto, Universidade Federal Fluminense

Graduanda de enfermagem da Universidade Federal Fluminense - Rio das Ostras – Rio de Janeiro - Brasil.

Plum Analytics

Referências

Organização Mundial de Saúde/ OMS.Relatório Mundial Sobre a Prevenção da Violência. [Internet]. Geneva: WHO. 2014. [Acessoem 3 de julho 2020].Disponivel em:https://nev.prp.usp.br/wp-content/uploads/2015/11/1579-VIP-Main-report-Pt-Br-26-10-2015.pdf

Nunes AJ, Sales MCV. Violência contra crianças no cenário brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva. 2016; 21(3):871-880. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232015213.08182014

Souto DF,Zanin L, Ambrosano GMB,FlórioFM. Violência contra crianças e adolescentes: perfi l e tendências decorrentes da Lei nº 13.010. RevBrasEnferm. 2017; 71(3): 1313-1323. DOI: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0048

Marinho RAQ, Aguiar RS. A atenção primária como eixo estruturante da redução dos indicadores de violência contra crianças e adolescentes. REVISA. 2019; 8(2): 228-41. DOI: https://doi.org/10.36239/revisa.v8.n2.p228a241

Wright LM, Leahey M. Enfermeiras e famílias: um guia para avaliação e intervenção na família. São Paulo: ROCA, 2009.

Tucci BFM, Oliveira MLF. Famílias de usuários de bebida alcoólica: aspectos estruturais e

funcionais fundamentados no Modelo Calgary. Rev Rene. [Internet]. 2019; 20:e40226. (Acesso em 15 de julho 2020]. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/40226/pdf

Nascimento LC; Dantas IRO; Andrade RD; Melo DF. Genograma e ecomapa: contribuições da enfermagem brasileira. Texto contexto-enferm. 2014; 23(1): 211-220. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072014000100025

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. [Acesso em 10 de julho de 2020. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm#art266

Stake RE. Investigación com estúdio de casos. Madrid (ES): EdicionesMorata. [Internet] 2007; 4ª ed. [Acesso em 15 de julho 2020]. Disponível em: https://www.uv.mx/rmipe/files/2017/02/Investigacion-con-estudios-de-caso.pdf

Andrade SR; Ruoff AB; Piccoli T; Schmitt MD; Ferreira A; Xavier ACA.O estudo de caso como método de pesquisa em enfermagem:uma revisão integrativa. Texto Contexto Enferm. 2017; 26(4):e5360016. DOI: https://doi.org/10.1590/0104-07072017005360016

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre (RS): Bookman. ed 2°, [Internet] 2001. [Acesso em 15 de julho 2020]. Disponível em: https://saudeglobaldotorg1.files.wordpress.com/2014/02/yin-metodologia_da_pesquisa_estudo_de_caso_yin.pdf

Silva JCT; Melo SCA. Violência infantil: atuação do psicólogo no processo de auxílio à criança. Psicologia E Saúde Em Debate. 2017;4(1):61-84. DOI: https://doi.org/10.22289/2446-922X.V4N1A4

Frota MA,Lima LB, Oliveira MGP, Nobre CS, Couto CS, Noronha CV.Perspectiva materna acerca da repercussão da violência doméstica infantil no desenvolvimento humano. Enferm. Cent. O. Min. 2016; 6(2):2180-2189. DOI: https://doi.org/10.19175/recom.v6i2.976

Melo RA, Peralva TR, Araújo AKC, Souza DO, Bezerra CS, RafaelLC. Violência doméstica na percepção de enfermeiros de serviço de emergência. ReonFacema[Internet]. 2016; 2(3): 221-228. [Acesso e 20 de julho 2020]. Disponível em: https://www.facema.edu.br/ojs/index.php/ReOnFacema/article/view/117

Balaguera C G, Alonso AM. Violencia de género enel departamento del meta 2015. Hacia la Promoción de la Salud. 2017; 22(2):26-37. DOI: http://dx.doi.org/10.17151/hpsal.2017.22.2.3

Borburema TLR, Pacheco AP, Nunes AA, Moré CLOO, Krenkel S. Violência contra

mulher em contexto de vulnerabilidade social na Atenção Primária: registro de violência em prontuários. RevBrasMedFam Comunidade. 2017;12(39):1-13. DOI: http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc12(39)1460

Oliveira FS, L. M, Araújo LM, Silva LL, Crispim ZM, Lucindo VBDB, OliveiraLN. Violência doméstica e sexual contra a mulher: revisão integrativa. HOLOS. 2017; 8(33):275-284. DOI: https://doi.org/10.15628/holos.2017.1903

Nader MB, Amorim EO. Silêncio, denúncia e enfrentamento: a violência contra a mulher no interior de minas gerais. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s Worlds Congress (Anais Eletrônicos), Florianópolis [Internet] 2017. [Acesso em 20 de julho 2020]. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499365112_ARQUIVO_SILENCIO,DENUNCIAEENFRENTAMENTOAVIOLENCIACONTRAAMULHERNOINTERIORDEMINASGERAIS.pdf

Martins DC, Gois OJO, Silva JOM, Rosa MPRS, Gonçalves MC. Violência: abordagem, atuação e educação em enfermagem.Ciências Biológicas e de Saúde Unit.[Internet] 2017; 4(2): 155-168. [Acesso em 13 de julho 2020]. Disponível em: https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernobiologicas/article/view/4603

França MS, Lopes MVO, Frazão CMFQ, Guedes TG, Linhares FMP, Pontes CM.Características da rede social de apoio ineficaz: revisão integrativa. Rev. Gaúcha Enferm. 2018; 39:e20170303. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2018.20170303

Holanda CMA, Andrade FLJP, Bezerra MA, Nascimento JPS, Neves RF, Alves SB, et al. Redes de apoio e pessoas com deficiência física: inserção social e acesso aos serviços de saúde. Ciênc. Saúde Coletiva. 2015; 20(1): 175-184. DOI:https://doi.org/10.1590/1413-81232014201.19012013

Quadros MN, Kirchner RM, Hildebrandt LM, Leite MT, Costa MC, Sarzi DM. Situação da violência contra crianças e adolescentes no Brasil. Rev. Eletr. Trimestral de Enfermagem [Internet]. 2016; 44:175-185. [Acesso em 23 de julho 2020]. Disponível: http://scielo.isciii.es/pdf/eg/v15n44/pt_docencia2.pdf

Durães BA, Camacho BS, Gomes JMS, Silva MK, Oliveira GP, Maia JS, et al. A mulher contemporânea e a violência: o desafiodo rompimento do silêncio. Revista Recien. 2020; 10(30): 54-61. DOI: https://doi.org/10.24276/rrecien2020.10.30.54-61

Peralva TR, Araújo AKC, Bezerra CS, Souza OD, Rafael LC, Melo RA. Violência doméstica na percepção de enfermeiros de serviço deemergência. ReonFacema. [Internet]. 2016; 2(3):221-228. [Acesso em 23 de julho 2020] Disponível em:http://www.facema.edu.br/ojs/index.php/ReOnFacema/article/download/117/54

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)