Fragility profile of elderly care in primary health care / Perfil de fragilidade de idosos atendidos na atenção primária à saúde

Main Article Content

Josefa Raquel Luciano da SILVA
http://orcid.org/0000-0003-1791-5541
José Antonio da Silva Júnior
http://orcid.org/0000-0001-7965-3095
Mayse Cristelle De Sales Melo
http://orcid.org/0000-0002-9402-0752
Ana Elisa Pereira Chaves
http://orcid.org/0000-0002-1960-0984
Fabíola de Araújo Leite Medeiros
http://orcid.org/0000-0002-0834-1155
Ana Claudia Torres de Medeiros
http://orcid.org/0000-0002-3695-9745

Resumo

Objetivo: avaliar a prevalência e os graus da fragilidade em idosos atendidos na Atenção Primária à Saúde, através da Edmonton Frail Scale. Método: os dados foram obtidos por meio de um questionário previamente elaborado. Excetuando-se as perdas e recusas amostrais, participaram do estudo 118 idosos. A coleta de dados foi realizada na Unidade Básica de Saúde ou no domicílio dos idosos. Resultados: obteve-se predominância de pessoas do sexo feminino (72%), a idade média foi de aproximadamente 71,55 anos. No tocante a fragilidade de forma geral, 28% (n=3) dos entrevistados obtiveram escores comuns à fragilidade, 32,2% (n=38) foram considerados aparentemente vulneráveis e 39,8% (n=47) não frágeis. Conclusão: considerando as alterações que o idoso fragilizado pode enfrentar com o avanço desse problema, são necessárias intervenções precoces, as quais a Atenção Primária à Saúde é capaz de priorizar, contudo são necessários estudos maiores para avaliarem variáveis relacionadas à fragilidade em diferentes realidades.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
SILVA JRL da, Silva Júnior JA da, Melo MCDS, Chaves AEP, Medeiros F de AL, Medeiros ACT de. Fragility profile of elderly care in primary health care / Perfil de fragilidade de idosos atendidos na atenção primária à saúde. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 27º de outubro de 2021 [citado 17º de maio de 2022];13:1603-9. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/10560
Seção
Research
Biografia do Autor

Josefa Raquel Luciano da SILVA, Universidade Federal de Campina Grande

Bacharela em Enfermagem pela Universidade Federal de Campina Grande

José Antonio da Silva Júnior, Universidade Federal de Campina Grande

Bacharel em Enfermagem pela Universidade Federal de Campina Grande

Mayse Cristelle De Sales Melo, Universidade Federal de Campina Grande

Bacharela em Enfermagem pela Universidade Federal de Campina Grande

Ana Elisa Pereira Chaves, Universidade Federal de Campina Grande

Docente na Unidade Acadêmica de Enfermagem da Universidade Federal de Campina Grande

Fabíola de Araújo Leite Medeiros, Universidade Estadual da Paraíba

Docente do Departamento de Enfermagem da Universidade Estadual da Paraíba

Ana Claudia Torres de Medeiros, Universidade Federal de Campina Grande

Docente na Unidade Acadêmica de Enfermagem da Universidade Federal de Campina Grande

Plum Analytics

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa [Internet]. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2006 [acesso em 02 de fevereiro 2019]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/evelhecimento_saude_pessoa_idosa.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (homepage na internet). Projeção da população do Brasil e das Unidades da Federação [acesso em 25 fev 2019]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao/index.html

Valer DB, Bierhals CCBK, Aires M, Paskulin LMG. O significado de envelhecimento saudável para pessoas idosas vinculadas a grupos educativos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. [Internet]. 2015 [acesso em 25 de fevereiro 2019]; 18(4). Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/1809-9823.2015.14042.

Martins AB, D’Avila OP, Hilgert JB, Hugo FN. Atenção Primária a Saúde voltada as necessidades dos idosos: da teoria à prática. Cienc. Saúde Colet. [Internet]. 2014 [acesso em 25 de fevereiro 2019]; 19(8). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014198.13312013.

Tavares RE, Jesus MCP, Machado DR, Braga VAS, Tocantins FR, Merighi MAB. Envelhecimento saudável na perspectiva de idosos: uma revisão integrativa. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. [Internet]. 2017 [acesso em 25 de fevereiro 2019]; 20(6). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1981-22562017020.170091.

Ramos LR. Fatores determinantes do envelhecimento saudável em idosos residentes em centro urbano: Projeto Epidoso, São Paulo. Cad. Saúde Pública. [Internet]. 2003 [acesso em 25 de fevereiro 2019]; 19(3). Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0102-311X2003000300011.

Melo EMA, Marques APO, Leal MCC, Melo HMA. Síndrome da fragilidade e fatores associados em idosos residentes em instituições de longa permanência. Saúde Debate. [Internet]. 2018 [acesso em 25 de fevereiro 2019]; 42(117). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201811710.

Augusti ACV, Falsarella GR, Coimbra AMV. Análise da síndrome da fragilidade em idosos na atenção primária - Estudo transversal. Rev. Bras. Med. Fam. Comunidade. [Internet]. 2017 [acesso em 25 de fevereiro 2019]; 12(39). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201811710.

Oliveira DR, Bettinelli LA, Pasqualotti A, Corso D, Brock F, Erdmann AL. Prevalência de síndrome da fragilidade em idosos de uma instituição hospitalar. Rev. Latino-am. Enfermagem. [Internet]. 2013 [acesso em 25 de fevereiro 2019]; 21(4). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692013000400009.

Freire JCG, Nóbrega IRAP, Dutra MC, Silva LM, Duarte HA. Fatores associados à fragilidade em idosos hospitalizados: uma revisão integrativa. Saúde Debate. [Internet]. 2017 [acesso em 25 de fevereiro 2019]; 41(115). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0103-1104201711517.

Fabricio-Wehbe SCC, Schiaveto FV, Vendrusculo TRP, Haas VJ, Dantas RAS, Rodrigues RAP. Adaptação cultural e validade da Edmonton Frail Scale – EFS em uma amostra de idosos brasileiros. Rev. Latino-am. Enfermagem. [Internet]. 2009 [acesso em 01 de março 2019]; 17(6). Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-11692009000600018.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução n°. 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União 13 jun 2013;Seção 1.

Liberalesso TEM, Dallazen F, Bandeira VAC, Berlezi EM. Prevalência de fragilidade em uma população de longevos na região Sul do Brasil. Saúde Debate. [Internet]. 2017 [acesso em 28 de fevereiro 2020]; 41(113). Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-1104201711316.

Amaral FLJS, Guerra RO, Nascimento AFF, Maciel ACC. Apoio social e síndrome da fragilidade em idosos residentes na comunidade. Cienc. Saúde Colet. [Internet]. 2013 [acesso em 28 de fevereiro 2020]; 18(5). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232013000600034.

Marchiori GF, Tavares DMF. Mudanças nas condições de fragilidade e componentes do fenótipo em idosos após hospitalização. Rev. Latino-am. Enfermagem. [Internet]. 2017 [acesso em 03 de março 2019]; 25(2905). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.1417.2905.

Vieira IRA, Guerra RO, Giacomin KC, Vasconcelos KSS, Andrade ACS, Pereira LSM, Dias JMD, Dias RC. Prevalência de fragilidade e fatores associados em idosos comunitários de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil: dados do estudo FIBRA. Cad. Saúde Pública. [Internet]. 2013 [acesso em 10 de fevereiro 2020]; 29(8). Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311X00126312.

Pegorari MS, Tavares DMS. Fatores associados à síndrome de fragilidade em idosos residentes em área urbana. Rev. Latino-am. Enfermagem. [Internet]. 2014 [acesso em 03 de março 2019]; 22(5). Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-1169.0213.2493.

Santos PHS, Fernandes MH, Casotti CA, Coqueiro RS, Carneiro JAO. Perfil de fragilidade e fatores associados em idosos cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família. Cienc. Saúde Colet. [Internet]. 2015 [acesso em 10 de fevereiro 2020]; 20(6). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015206.17232014.

Moreira VG, Lourenço RA. Prevalência e fatores associados à fragilidade em uma população idosa da cidade do Rio de Janeiro, Brasil: o Estudo FIBRA-RJ. Clínicas [Internet]. 2013; [acesso em 10 de fevereiro 2020]; 68(7). Disponível em: http://dx.doi.org/10.6061/clinics/2013(07)15.

Castell MV, Sánchez M, Julián R, Queipo R, Martín S, Otero A. Frailty prevalence and slow walking speed in persons age 65 and older: implications for primary care. BMC Fam. Pract. [Internet]. 2013; [cited 2019 apr 03]; 14(86). Available from: https:// dx.doi.org/10.1186/1471-2296-14-86.

Solfrizzi V, Scafato E, Frisardi V, Sancarlo D, Seripa D, Logroscino G, Baldereschi M, Crepaldi G, Di Carlo A, Galluzzo L, Gandin C, Inzitari D, Maggi S, Pilotto A, Panza Francesco. Frailty syndrome and all-cause mortality in demented patients: the Italian Longitudinal Study on Aging. Age (Dordr). [Internet]. 2012; [cited 2019 mar 26]; 34(2). Available from: https://dx.doi.org/10.1007/s11357-011-9247-z.

Buttery AK, Busch MA, Gaertner B, Scheidt-Nave C, Fuchs J. Prevalence and correlates of frailty among older adults: findings from the German health interview and examination survey. BMC Geriatrics. [Internet]. 2015; [cited 2020 feb 10]; 15(22). Available from: https://dx.doi.org/10.1186/s12877-015-0022-3.

Tribess S, Oliveira RJ. Síndrome da fragilidade biológica em idosos: revisão sistemática. Rev. salud pública. [Internet]. 2011; [acesso em 05 de março 2019]; 13(5). Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0124-00642011000500014.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)