Evaluation of the third stage of the kangaroo method in primary health care / Avaliação da terceira etapa do método canguru na atenção primária a saúde

Main Article Content

Marcos Vilhena Bittencourt da Silva
http://orcid.org/0000-0002-3893-2845
Zeni Carvalho Lamy
https://orcid.org/0000-0002-9332-0542
Cintia Maria de Melo Mendes
https://orcid.org/0000-0002-9803-2611
Alvaro Francisco Lopes de Sousa
https://orcid.org/0000-0003-2710-2122
Zulmira Hartz
Carmen Viana Ramos
https://orcid.org/0000-0003-3378-0149

Resumo

Objetivo: avaliar a assistência prestada às crianças pela Atenção Primária à Saúde na terceira etapa do método canguru. Métodos: estudo transversal realizado com as mães, com o uso de questionário estruturado contendo variáveis sócio-demográficas, clínicas e variáveis relacionadas à assistência prestada na atenção primária à saúde. Resultados: participaram 156 crianças, das quais 54,5% tinham idade acima de seis meses, 50,6% pesaram ao nascer entre 1500 a 1999g considerados de muito baixo peso, 9,6% nasceram  extremos, peso inferior a 1000 g, 62,2% nasceram com idade gestacional entre 28 a 33 semanas e 12,2%, idade gestacional inferior a 28 semanas. Quanto à assistência prestada: 59,6% não receberam visita domiciliar, 74,4% não fizeram consulta na Unidade Básica de Saúde, 55% das mães desconheciam os sinais de risco da criança e 58,8% não receberam essa orientação. Conclusão: a assistência na terceira etapa do método canguru prestada pela Atenção Primária à Saúde apresenta fragilidades.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Silva MVB da, Lamy ZC, Mendes CM de M, Sousa AFL de, Hartz Z, Ramos CV. Evaluation of the third stage of the kangaroo method in primary health care / Avaliação da terceira etapa do método canguru na atenção primária a saúde. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 13º de setembro de 2022 [citado 4º de outubro de 2022];14:e-11116. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/11116
Seção
Research
Biografia do Autor

Marcos Vilhena Bittencourt da Silva, UniNovaFap

Centro Universitário UNINOVAFAPI, Teresina, PI, Brasil.

Zeni Carvalho Lamy, Universidade Federal do Maranhão

Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil.

Cintia Maria de Melo Mendes, Centro Universitário UNINOVAFAPI

Centro Universitário UNINOVAFAPI, Teresina, PI, Brasil.

Alvaro Francisco Lopes de Sousa, Centro Universitário UNINOVAFAPI

Centro Universitário UNINOVAFAPI, Teresina, PI, Brasil

Zulmira Hartz, Universidade Federal do Maranhão

Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil.

Carmen Viana Ramos, Centro Universitário UNINOVAFAPI

Centro Universitário UNINOVAFAPI, Teresina, PI, Brasil.

Plum Analytics

Referências

Berger AZ, Zorzim VI, Pôrto EF, Alfieri FM. Parto prematuro: características das gestantes de uma população da zona sul de São Paulo. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant. (Online). [internet]. 2016 [acesso em 18 de maio 2021]; 16(4). Disponível em: https://doi.org/10.1590/1806-93042016000400005.

Berres R, Baggio MA. (Des)continuidade do cuidado ao recém-nascido pré-termo em região de fronteira. Rev. bras. enferm. [internet] 2020 [acesso em 18 de maio 2021]; 73(3). Disponível em: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0827.

Ministério da Saúde (BR). Sistema de Nascidos Vivos (SINASC). Data SUS. [Internet] 2019. Brasília: Ministério da Saúde [acesso em 21 de março 2019]. Disponível em: http://sinasc.saude.gov.br/.

Silva RMM, Zilly A, Nonose ERS, Fonseca LMM, Mello DF. Care opportunities for premature infants: home visit and telefone support. Rev. latinoam. enferm. (Online). [internet]. 2020 [acesso em 18 de maio 2021]; 28. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1518-8345.3520.3308.

Ferreira DO, Silva MPC, Galon T, Goulart BF, Amaral JB, Contim D. Método canguru: percepções sobre o conhecimento, potencialidades e barreiras entre enfermeiras. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. [internet]. 2019 [acesso em 18 de maio 2021]; 23(4). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2019-0100.

Pereira LB, Abrão ACFV, Ohara CVS, Ribeiro CA. Vivências maternas frente às peculiaridades da prematuridade que dificultam a amamentação. Texto & contexto enferm. [internet]. 2015 [acesso em 18 de maio 2021]; 24(1). Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-07072015000540014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Método Canguru: manual da terceira etapa do Método Canguru na tenção Básica 1 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

Donabedian, A. The definition of quality: A conceptual exploration. In explorations in quality assessment and monitoring. [internet]. 1980 [cited 2021 may 18]; I:77-125. Available from: https://psnet.ahrq.gov/issue/definition-quality-and-approaches-its-assessment-vol-1 explorations-quality-assessment-and.

Tanaka, O. Y. et al. Avaliação da atenção básica em saúde: uma nova proposta. Saúde soc. [internet]. 2011 [acesso em 18 de maio 2021]; 20(4). Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000400010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Guia de orientações para o Método Canguru na Atenção Básica: cuidado compartilhado. 1 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

Dias JPV, Costa MC, Sette DS, Nobre LN. Perfil clínico de neonatos internados em uma unidade de tratamento intensivo neonatal. Brazilian Journal of Development. [internet]. 2019 [acesso em 18 de maio 2021]; 5(10). Disponível em: https://doi.org/10.34117/bjdv5n10-356.

Costa LD, Andersen VF, Perondi AR, França VF, Cavalheiri JC, Broloti S. Fatores preditores para a admissão do recém-nascido na unidade de terapia intensiva neonatal. Rev. baiana enferm. [internet]. 2017 [acesso em 18 de maio 2021]; 31(4). Disponível em: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v31i4.20458.

Ofman G, Pradarelli B, Caballero MT, Bianchi A, Grimaldi LA, Sancilio A, et al. Respiratory failure and death in vulnerable premature children with lower respiratory tract illness. J infect Dis. [internet]. 2020 [cited 2021 may 18]; 222(7). Available from: https://doi.org/10.1093/infdis/jiaa046.

Rocha FPS, Patrício FB, Passos MNS, Lima SWO, Nunes MGS. Caracterização do conhecimento das puérperas acerca do aleitamento materno. Rev. enferm. UFPE on line. [internet]. 2018 [acesso em 18 de maio 2021]; 12(9). Disponível em: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i9a235911p2386-2392-2018.

Formiga CKMR, Silva LP, Linhares MBM. Identificação de fatores de risco em bebês participantes de um programa de Follow-up. Rev. CEFAC. [internet]. 2018 [acesso em 18 de maio 2021]; 20(3). Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-021620182038817.

Gonzaga ICA, Santos SLD, Silva ARV, Campelo V. Atenção pré-natal e fatores de risco associados à prematuridade e baixo peso ao nascer em capital do nordeste brasileiro. Ciênc. Saúde Colet. [internet]. 1974 [acesso em 18 de maio 2021]; 21(6). Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232015216.06162015.

Lima SS, Silva SM, Avila PES, Nicolau MV, Neves PFM. Aspectos clínicos de recém-nascidos admitidos em Unidade de Terapia Intensiva de hospital de referência da Região Norte do Brasil. ABCS health sci. [internet]. 2015 [acesso em 18 de maio 2021]; 40(2). Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-754816.

Reis ZS, Aguiar RALP, Ferreira AAT, viegas AC, Anchieta LM. Análise do conteúdo do sumário de alta obstétrica em maternidade de referência. Uma oportunidade para repensar a estratégia da continuidade do cuidado materno e neonatal. Rev. méd. Minas Gerais. [internet]. 2015 [acesso em 18 de maio 2021]; 25(4). Disponível em: http://www.dx.doi.org/10.5935/2238-3182.20150111.

Careti CM, Furtado MCC, Barreto JC, Vincente JB, Lima PR. Ações em saúde na atenção básica para redução da mortalidade infantil. Rev Rene (Online). [internet]. 2016 [acesso em 18 de maio 2021]; 17(1). Disponível em: https://doi.org/10.15253/2175-6783.2017000500006.

Casey PH, Irby C, Withers W. Home visiting and the health of preterm infants. Clin Pediatr. [internet]. 2017 [cited 2021 may 18]; 56(9). Available from: https://doi.org/10.1177%2F0009922817715949.

D’Agostinho JA, Passarella M, Saynisch P, Martin AE, Macheras M, Lorch SA. Preterm infant attendanceat health supervision visits. Pediatrics. [internet]. 2015 [cited 2021 may 18];136(4). Available from: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26416939/.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual da terceira etapa do Método Canguru na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

Diniz SG, Damasceno SS, Coutinho SED, Toso BRGO, Collet N. Avaliação do atributo integralidade na atenção à saúde da criança. Rev. gaúch. enferm. 2016 [acesso em 18 de maio 2021]; 37(4). [internet]. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2016.04.57067.

Oliveira IA, Cutolo LRA. Integralidade: algumas reflexões. Rev. bras. educ. méd. [internet]. 2018 [acesso em 18 de maio 2021]; 42(3). Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-52712015v42n3rb20170102r1.

Silva MS, Lamy ZC, Simões VMFS, Pereira MUL, Campelo CMC, Gonçalves LLM. Acompanhamento na terceira etapa do método canguru: Desafios na articulação de dois níveis de atenção. Rev. baiana saúde pública. [internet]. 2018 [acesso em 18 de maio 2021]; 42(4). Disponível em: https://doi.org/10.22278/2318-2660.2018.v42.n4.a3033.

Valadão PAS, Lins L, Carvalho FM. Melhor no passado: a verdadeira Saúde da família. Saúde Soc. [internet]. 2019 acesso em 18 de maio 2021]; 28(1). Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0104-12902019180284.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>