Tecnologia da espuma de poliuretano com prata iônica e sulfadiazina de prata: aplicabilidade em feridas cirúrgicas infectadas / Polyurethane foam technology with ionic silver and silver sulfadiazine: applicability in infected surgical wounds

Main Article Content

Vanessa Queli Franco
Norma Valéria Dantas de Oliveira Souza
Ariane da Silva Pires
Ricardo de Mattos Russo Rafael
Dayse Carvalho do Nascimento
Maristela Lopes Gonçalves Nunes

Resumo

Objetivo: descrever o processo cicatricial de feridas cirúrgicas infectadas com a utilização de espuma de poliuretano com prata iônica e sulfadiazina de prata. Métodos: trata-se de estudo observacional, descritivo, prospectivo do tipo série de dados, realizada em um ambulatório de curativos de um hospital público, no município do Rio de Janeiro. Os 4 participantes possuíam infecção de ferida operatória. A coleta de dados ocorreu de março a maio de 2016, após aprovação no Comitê de Ética em Pesquisa CAAE n° 53562516.600005259. O instrumento de coleta de dados foi o PUSH. Resultados: evidenciaram que todos os participantes do estudo acompanhados do início ao término do tratamento apresentaram alterações significativas em relação ao tamanho da lesão com rápido processo de cicatrização, diminuição da quantidade de exsudato e surgimento dos tecidos de granulação e epitelial. Conclusão: a espuma apresentou melhores resultados por apresentar todas as propriedades de um curativo ideal. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Franco VQ, Souza NVD de O, Pires A da S, Rafael R de MR, Nascimento DC do, Nunes MLG. Tecnologia da espuma de poliuretano com prata iônica e sulfadiazina de prata: aplicabilidade em feridas cirúrgicas infectadas / Polyurethane foam technology with ionic silver and silver sulfadiazine: applicability in infected surgical wounds. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 2º de abril de 2018 [citado 2º de julho de 2022];10(2):441-9. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/6081
Seção
Research
Biografia do Autor

Vanessa Queli Franco, Faculdade de Enfermagem - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Graduada em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Enfermeira da Clínica de Estomaterapia na Policlínica Piquet Carneiro. Rio de Janeiro – RJ/Brasil.

Norma Valéria Dantas de Oliveira Souza, Faculdade de Enfermagem - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Doutora em Enfermagem. Diretora da ENF/UERJ. Procientista da UERJ. Professora Permanente do PPGEnf - Stricto Sensu da ENF/UERJ. Professora Associada do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da ENF/UERJ. Rio de Janeiro – RJ/Brasil.

Ariane da Silva Pires, Faculdade de Enfermagem - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Mestre em Enfermagem. Especialista em Enfermagem do Trabalho e Estomaterapia. Professora Assistente do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da ENF/UERJ. Rio de Janeiro – RJ/Brasil.

Ricardo de Mattos Russo Rafael, Faculdade de Enfermagem - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Doutor em Ciências Médicas. Professor Adjunto do Departamento de Enfermagem de Saúde Pública da ENF/UERJ. Rio de Janeiro – RJ/Brasil.

Dayse Carvalho do Nascimento, Hospital Universitário Pedro Ernesto - Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Mestre em Enfermagem. Coordenadora da Comissão de Curativos do Hospital Universitário Pedro Ernesto - HUPE/UERJ

Maristela Lopes Gonçalves Nunes, COLOPLAST

Mestranda do Programa de PósGraduação em Enfermagem na Saúde do Adulto - EEUSP. Enfermeira TiSOBEST.

Plum Analytics

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>