Patient security in adult intensive therapy units: perception of nurses / Segurança do paciente em unidades de terapia intensiva adulto: percepção dos enfermeiros

Main Article Content

Daniela Barella
http://orcid.org/0000-0002-6846-3189
Patricia De Gasperi
http://orcid.org/0000-0002-8442-3515

Resumo

Objetivo: analisar o entendimento dos enfermeiros de Unidades de Terapia Intensiva Adulto sobre segurança do paciente. Métodos: estudo de abordagem qualitativa, caráter exploratório, descritivo e de corte transversal. Realizado em março de 2018, com 12 enfermeiros de unidades de terapia intensiva de um hospital público-privado do interior do Rio Grande do Sul. Resultados: os enfermeiros entendem que segurança do paciente é não causar danos aos pacientes, utilizam ferramentas para colocar em prática a mesma. O aumento do número de funcionários foi uma das estratégias elencadas para melhorar a segurança do paciente, os erros de medicação são os mais frequentes e metade da amostra é favorável à punição diante de um erro. Conclusão: o entendimento dos enfermeiros sobre o assunto está adequado perante à literatura, porém há a necessidade do desenvolvimento de uma cultura de segurança para um melhor entendimento do erro e para a promoção da segurança do paciente.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Barella D, De Gasperi P. Patient security in adult intensive therapy units: perception of nurses / Segurança do paciente em unidades de terapia intensiva adulto: percepção dos enfermeiros. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de junho de 2021 [citado 16º de maio de 2022];13:750-6. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9009
Seção
Research
Biografia do Autor

Daniela Barella, Universidade de Caxias do Sul

Enfermeira pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). Especialista em Terapia Intensiva Adulto pela UCS. Pesquisadora do Grupo de Ensino e Pesquisa em Segurança do Paciente – GEPESP UCS. 

Patricia De Gasperi, Universidade de Caxias do Sul

2Enfermeira pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Doutora e Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). MBA em produção Lean pela Universidade de Caxias do Sul (UCS). Especialista em Auditoria em Saúde pela CELER. Professora do Curso de Enfermagem e da Especialização em Terapia Intensiva da UCS. Líder do Grupo de Ensino e Pesquisa em Segurança do Paciente GEPESP-UCS.

Plum Analytics

Referências

Kohn L, Corrigan J, Donaldson M. To err is human: building a safer health system. Washington, DC: National Academy Press; 2000.

World Health Organization [Internet] 2005. Geneva; [acesso em 05 jun 2018]. World Alliance for Patient Safety: forward programme. Disponível: http://www.who.int/patientsafety/en/brochure_final.pdf.

Ministério da Saúde. Portaria n. 529, de 1º de abril de 2013: institui o Programa Nacional de Segurança do Paciente (PNSP). Diário Oficial da União, [Internet] 02 abr 2013 [acesso em 05 jun 2018]. Disponível: http://www.jusbrasil.com.br/diarios/52582397/dou-secao-1-02-04-2013-pg-43.

Ministério da Saúde. Resolução n. 7, de 24 de fevereiro de 2010: Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências. Diário Oficial da União, [Internet] 25 fev 2010 [acesso em 05 jun 2018]. Disponível: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/DOU/2010/02/25.

Duarte SCM, Bessa ATT, Buscher A, Stipp MAC. Caracterização de erros na assistência de enfermagem em terapia intensiva. Cogitare Enferm. [Internet] 2016; 21(esp):01-08 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i5.45502.

Roque KE, Tonini T, Melo ECP. Eventos adversos na unidade de terapia intensiva: impacto na mortalidade e no tempo de internação em um estudo prospectivo. Cad. Saúde Pública. [Internet] 2016; 32(10):e00081815 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00081815.

Bardin L. Análise de conteúdo. 4ª ed. Lisboa: Edições 70, 2004. Definição e relação com as outras ciências. p. 33-51.

Andre, M. Etonografia da prática escolar. 17ª ed. Campinas: Papirus, 2011. A abordagem qualitativa. p. 24.

Merhy EE, Onocko R. Agir em saúde: um desafio para o público. 2ª ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

World Health Organization [Internet] 2009. Geneva; [acesso em 05 jun 2018]. World Alliance for Patient Safety Taxonomy: The Conceptual Framework for the International Classification for Patient Safety: final technical report. Disponível: http://www.who.int/patientsafety/taxonomy/icps_full_report.pdf.

Gomes ATL, Assis YMS, Ferreira LL, Bezerril MS, Chiavone FBT, Santos VEP. Tecnologias aplicadas à segurança do paciente: uma revisão bibliométrica. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. [Internet] 2017; 7(1943) [acesso em 25 jun 2018]. Disponível: https://doi.org/10.19175/recom.v7i0.1473.

Deus, AR. Qualidade na assistência à saúde: um olhar sobre a literatura. Congresso Nacional de Excelência em Gestão. [Internet] 2016 [acesso em 25 jun 2018]. Disponível: http://www.inovarse.org/sites/default/files/T16_M_07.pdf.

Minuzzi AP, Salum NC, Locks MOH, Amante LN, Matos E. Contribuições da equipe de saúde visando à promoção da segurança do paciente no cuidado intensivo. Esc. Anna Nery. [Internet] 2016; 20(1):121-129 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160017.

Joint Commission International. Padrões de acreditação da joint commission international para hospitais. 2ª ed. Rio de Janeiro: CBA; 2011. Metas internacionais de segurança do paciente (IPSG). p.31-36.

Bastos LFL, Ciampone MHT, Mira VL. Avaliação de suporte à transferência e impacto de treinamento no trabalho dos enfermeiros. Rev Latino-Am. Enfermagem. [Internet] 2013; 21(6):1274-81 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.2913.2364.

Costa DB, Garcia SD, Vannuchi MTO, Haddad MCL. Impacto do treinamento de equipe no processo de trabalho em saúde: revisão integrativa. Rev enferm UFPE online. [Internet] 2017; 9(4):7439-47 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v9i4-2015.

Chavaglia SRR, Borges CM, Amaral SEM, Iwamoto HH, Ohl RIB. Ambiente do centro de terapia intensiva e o trabalho da equipe de enfermagem. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet] 2011; 32(4):654-661 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/S1983-14472011000400003.

Almeira MJGG, Figueiredo BB, Salgado HC, Torturella IM. Discussão ética sobre o prontuário eletrônico do paciente. Rev. bras. educ. méd. [Internet] 2016; 40(3):521-527 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v40n3e01372015.

Pires NO, Brasileiro ME. Virtudes essenciais da equipe de enfermagem em unidade de terapia intensiva: revisão literária. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. [Internet] 2017;2(7):18-29 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/saude/enfermagem-unidade-de-terapia-intensiva

Eugenio CS, Souza EN. Visita aberta em uti adulto: utopia ou realidade? Rev Enferm UFSM. [Internet] 2017; 7(3):539-549 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.5902/2179769222692

Rodriguez EOL, Silva LSL, Menezes MO, Oliveira JKA, Currie LM. Assistência segura ao paciente no preparo e administração de medicamentos. Rev Gaúcha Enferm. [Internet] 2017; 38(4):e2017-0029 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.04.2017-0029.

Ribeiro GSR, Silva RC, Ferreira MA, Silva GR. Slips, lapses and mistakes in the use of equipment by nurses in an intensive care unit. Rev Esc Enferm USP. [Internet] 2016; 50(3):419-426 [acesso em 20 jun 2018]. Disponivel: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000400007.

Teixeira AKS, Nascimento TS, Souza ITL, Sampaio LRL, Pinheiro ARM. Incidência de lesões por pressão em unidade de terapia intensiva em hospital com acreditação. Estima. [Internet] 2017; 15(3):152-160 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.5327/Z1806-3144201700030006.

Lima CSP, Barbosa SFF. Ocorrência de eventos adversos como indicadores de qualidade assistencial em unidade de terapia intensiva. Rev enferm UERJ. [ Internet] 2015; 23(2):222-228 [acesso em 20 jun 2018]. Disponível: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2015.6076.

Wachter RM. Compreendendo a segurança do paciente. 2ª ed. Porto Alegre: AMGH, 2013. Princípios básicos da segurança do paciente. p. 21-31.