Characteristics of children with cancer and failure of peripheral intravenous cateterization / Características de crianças com câncer e insucesso da cateterização intravenosa periférica

Main Article Content

Pamela Da Cruz Machado
http://orcid.org/0000-0001-6005-9141
Flávia Pimentel Miranda
http://orcid.org/0000-0001-5508-2056
Luciano Marques dos Santos
http://orcid.org/0000-0001-7866-6353
Bianka Sousa Martins Silva
http://orcid.org/0000-0003-0199-1451

Resumo

Objetivo: descrever características demográficas, clínicas, da terapia intravenosa prévia e cateterização intravenosa periférica em crianças com câncer e insucesso do procedimento. Método: trata-se de um estudo descritivo do tipo transversal, realizado com 18 crianças com insucesso da punção intravenosa periférica, internadas na clínica oncológica pediátrica do Hospital Estadual da Criança, em Feira de Santana-Bahia, entre Abril de 2015 e Dezembro de 2016. Resultados: evidenciou-se o insucesso em 11,7% das crianças. A maioria tinha 01 a 49 meses, pardas, sexo masculino, eutróficas, e o principal motivo de insucesso foi transfixação da veia. Os fatores predisponentes relativos ao insucesso foram história de dificuldade de inserção de cateter intravenoso periférico, complicação anterior à terapia intravenosa, internação anterior e antecedente de infiltração. Conclusão: o percentual de insucesso da punção intravenosa periférica é semelhante aos valores encontrados em estudos sobre o contexto, relacionado com o perfil das crianças, a terapia utilizada, e os fatores predisponentes.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Da Cruz Machado P, Pimentel Miranda F, Marques dos Santos L, Sousa Martins Silva B. Characteristics of children with cancer and failure of peripheral intravenous cateterization / Características de crianças com câncer e insucesso da cateterização intravenosa periférica. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 23º de junho de 2021 [citado 29º de novembro de 2021];13:1142-7. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9152
Seção
Research
Biografia do Autor

Pamela Da Cruz Machado, Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Enfermeira. Residente em Enfermagem em Saúde da Criança e do Adolescente no Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (CHC/UFPR). Experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Pediatria e Neonatologia.

Flávia Pimentel Miranda, Universidade Salvador (UNIFACS) e Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE).

Enfermeira. Especialista em UTI Neonatal e Pediátrica. Mestra em Medicina e Saúde Humana pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Professora Assistente da Universidade Salvador (UNIFACS) e Centro Universitário Jorge Amado (UNIJORGE) da disciplina de Saúde da Criança.

Luciano Marques dos Santos, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Enfermeiro. Doutorando em Ciências pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo. Mestre em Enfermagem. Especialista em Enfermagem Obstétrica e Neonatologica. Título de Enfermeiro Pediatra pela Sociedade Brasileira de Enfermeiros Pediatras. Professor Assistente da Universidade Estadual de Feira de Santana.

Bianka Sousa Martins Silva, Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Enfermeira. Doutoranda em Ciências pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo. Mestra em Saúde Coletiva. Professora substituta da Universidade Estadual de Feira de Santana.

Plum Analytics

Referências

Santos FC, Camelo SHHH, Laus AM, Andrian LL. O enfermeiro que atua em unidades hospitalares oncológicas: perfil e capacitação profissional. Enferm Global. 2015; 14(2).

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2014 - incidência de câncer no Brasil. [citado em 2015 jul 16]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2014/estimativa-24042014.pdf

Leandro TA, Silva VM, Lopes MVO, Guedes NG, Nunes MM, Sousa TM, et al. Impaired comfort in children and adolescents with cancer. Rev Bras Enferm [Internet]. 2018;71(3):934-41. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0050.

Benedetti GMS, Garanhani ML, Sales CA. O tratamento do câncer infantojuvenil: desvelando as vivências dos pais. Rev Latino-Am. Enfermagem maio-jun. 2014;22(3):425-31. DOI: 10.1590/0104-1169.3264.2433.

Soares VA, Silva, LF, Cursino EG, Goes FGB. The use of playing by the nursing stafl on palliative care for children with cancer. Rev Gaúcha Enferm [on line]. 2014 [cited 2015 jul 15]; 35(3):111-6.

Santos PM, Silva LF, Depianti JRB, Cursino EG, Ribeiro CA. Nursing care through the perception of hospitalized children. Rev Bras Enferm [Internet]. 2016;69(4):603-9. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167.2016690405i.

Danski MTR, Mingorance P, Johann DA, Vayego SA, Lind J. Incidence of local complications and risk factors associated with peripheral intravenous catheter in neonates. Rev Esc Enferm USP. 2016;50(1):22-8. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000100003.

ANVISA. Os Relatórios de Eventos adversos notificados à Anvisa. Disponível em: <https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/category/relatorios-dos-estados>. Acesso em: 30/10/2017.

Negri DC, Avelar AFM, Andreoni S, Pedreira MLG. Fatores predisponentes para insucesso da punção intravenosa periférica em crianças. Rev Latino- Am Enfermagem. 2012; 20 (6): 1-8.

Moreno EAC, Carvalho AAS, Paz EPA. Dor na criança submetida à punção venosa periférica: efeito de um creme anestésico. Esc. Anna Nery vol.18 no.3 Rio de Janeiro July/Sept. 2014.

Batista OMA, Coelho SNOA, Oliveira GM, Madeira MZA, Vieira CPB, Santos AMR. Risk factors for local complications of peripheral intravenous therapy factores. Rev Enferm UFPI. 2014; 3(3): 88-93. DOI: 10.26694/reufpi.v3i3.1540.

Doniger, SJ, Ishimine, P, Fox, JC, Kanega,Y.E. Randomized controlled trial of ultrasound-guided peripheral intravenous catheter placement versus traditional techniques in difficult-access pediatric patients. Pediatr Emerg Care. 2009;25(3):154-159.

Avelar AFM, Peterlini MAS, Pedreira MLG. Assertividade e tempo de permanência de cateteres intravenosos periféricos com inserção guiada por ultrassonografia em crianças e adolescentes. Rev esc enferm. 2014. USP 47(3): 539-546.

Gonçalves A, Baptista A, Escobar C, Paulo M, Silva M, Carraco S. et al. Caraterização e determinantes do risco de efeito adverso em crianças com cateter venoso periférico: um passo para a melhoria dos cuidados de enfermagem. Revista da UIIP 2015 v.3, n.5.

Duarte JG, Gomes SC, Pinto MT, Gomes MASM. Perfil dos pacientes internados em serviços de pediatria no município do Rio de Janeiro: mudamos? Physis [online]. 2012, vol.22, n.1, pp.199-214. ISSN 0103-7331. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312012000100011.

Freitas RGBON, Nogueira RJN, Saron MLG, Lima AES, Hessel G. Should pediatric parenteral nutrition be individualized? Rev Paul Pediatr. 2014 Dec; 32(4): 326–332. DOI: 10.1016/j.rpped.2014.06.006.

Santos FC, Camelo SHHH, Laus AM, Andrian LL. O enfermeiro que atua em unidades hospitalares oncológicas: perfil e capacitação profissional. Enferm Global. 2015; 14(2).

Jacinto AKL, Avelar AFM, Wilson AMMM, Pedreira MLG. Flebite associada a cateteres intravenosos periféricos em crianças: estudo de fatores predisponentes. Rev Esc Anna Nery. 2014; 18(2): 220-6.

Batalha LMC, Costa LPS, Almeida DMG, Lourenço PAA, Gonçalves AMFM, Teixeira ACG. Fixação de cateteres venosos periféricos em crianças: estudo comparativo. Esc Anna Nery [online]. 2010, vol.14, n.3, pp.511-518. ISSN 1414-8145. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-81452010000300012.

New KA, Webster J, Marsh NM, Hewer B. Intravascular device use, management documentation and complications: a point prevalence survey. Aust Health Rev. 2014; 38(3):345-9.

Braga LM, Oliveira ASS, Henriques MAP, SENA CA, Albergaria VMP, Parreira PMS. Cateterismo venoso periférico: compreensão e avaliação das práticas de Enfermagem. Texto e Contexto. v. 28, p. e20180018, 2019.

Torres, M. M.; Andrade, D.; Santos, C. B. Punção venosa periférica: avaliação de desempenho dos profissionais de enfermagem. Rev. LatinoAm. Enferm., v. 13, n.3, p.299-304, mai./jun. 2005.

Silva JMC, Valente Ribeiro PPS. Estratégias de autocuidado das pessoas com doença oncológica submetidas a quimioterapia/radioterapia e a sua relação com o conforto. Enferm Global. 2015; 14(1): 372-83.

Sena C, Carvalho E. Classificação de veias superficiais periféricas de adolescentes, adultos e idosos pela técnica Delphi. Rev Latinoam Enferm. 2008;16(1):86-94.

Batalha LMC, Correia, MMM. Prevenção da dor na punção venosa em crianças: estudo comparativo entre anestésicos tópicos. Rev Enf Ref. 2018, vol.serIV, n.18, pp.93-101. ISSN 0874-0283. http://dx.doi.org/10.12707/RIV18021.

Danski MTR, Johann DA, Vayego AS, Oliveira GRL, Lind J. Complications related to the use of peripheral venous catheters: a randomized clinical trial. Acta Paul Enferm. 2016; 29(1): 84-92. DOI: 10.1590/1982-0194201600012.