Motivations of user access in situations characterized as non-urgent ready / Motivações do acesso de usuários em situações caracterizadas como não urgência em pronto atendimento

Main Article Content

Ana Paula de Freitas Machado Gonçalves
http://orcid.org/0000-0001-5388-2578
Fernanda Almeida Fettermann
http://orcid.org/0000-0002-8234-2447
Andriele Berger da Rosa
http://orcid.org/0000-0001-5177-3060
Adalvane Nobres Damaceno
http://orcid.org/0000-0002-4681-0602
Juliana Silveira Bordignon
http://orcid.org/0000-0002-8229-8132
Daiany Saldanha da Silveira Donaduzzi
http://orcid.org/0000-0003-1233-8968

Resumo

Objetivo: identificar os motivos pelos quais os usuários em situações caracterizadas como não urgentes acessam o Pronto Atendimento em um município do estado do Rio Grande do Sul. Método: trata-se de um estudo descritivo e exploratório, desenvolvido a partir de uma abordagem qualitativa. Os dados foram coletados mediante entrevista semiestruturada com 21 usuários de um Pronto Atendimento em um município do estado do Rio Grande do Sul (RS), em novembro de 2016, e submetidos à análise de discurso. Resultados:  apontam que a Atenção Primária não tem sido efetiva como porta de entrada para o sistema de saúde. As justificativas pela busca ao serviço de urgência foram: falta de profissional médico nas unidades de saúde; Unidade Básica de Saúde com pouca resolutividade; horário de funcionamento inadequado aos usuários; filas; demanda maior que a oferta em relação às consultas médicas; facilidade em realizar exames e receber medicação. Conclusão: o acesso dos usuários aos serviços de saúde deve permear os planejamentos em saúde, preferencialmente a nível local, de modo a permitir a definição de ações que sejam aplicáveis em conformidade com a realidade da comunidade.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Gonçalves AP de FM, Fettermann FA, da Rosa AB, Damaceno AN, Bordignon JS, Donaduzzi DS da S. Motivations of user access in situations characterized as non-urgent ready / Motivações do acesso de usuários em situações caracterizadas como não urgência em pronto atendimento. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 1º de junho de 2021 [citado 29º de novembro de 2021];13:886-92. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9606
Seção
Research
Biografia do Autor

Ana Paula de Freitas Machado Gonçalves, Faculdade Integrada de Santa Maria (FISMA)

Enfermeira. Faculdade Integrada de Santa Maria, RS.

Fernanda Almeida Fettermann, Enfermeira na Prefeitura Municipal de Barra do Quaraí

Enfermeira, Doutoranda no PPG em Educação em Ciências UFRGS

Andriele Berger da Rosa, Universidade Federal de Santa Maria

Enfermeira, doutoranda em enfermagem pela Universidade Federal de Santa Maria

Adalvane Nobres Damaceno, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Enfermeiro. Mestre em Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Juliana Silveira Bordignon

Enfermeira, Doutoranda pela Universidade Federal de Santa Catarina

Daiany Saldanha da Silveira Donaduzzi, Faculdade Integrada de Santa Maria (FISMA)

Enfermeira, doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Maria

Plum Analytics

Referências

BRASIL. Universidade Federal do Maranhão. UNA-SUS/UFMA. Redes de Atenção à Saúde: a atenção à saúde organizada em redes/ Nerícia Regina de Carvalho Oliveira. - São Luís, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília; 2010 fev 31. Seção I, p. 88-93.

BRASIL. Portaria nº 1.600, de 7 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília; 2011 jul 08. Seção I

CASSETARI SSR, MELLO ALSF. Demanda e tipo de atendimento realizado em unidades de pronto atendimento do município de Florianópolis, Brasil. Texto contexto - enferm, Florianópolis, v. 26, n. 1, 2017.

BARDIN L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2016

BOTTON A, CÚNICO SD, STREY MN. Diferenças de gênero no acesso aos serviços de saúde: problematizações necessárias. Mudanças – Psicologia da Saúde, v. 25, n 1, p. 67-72, Jan.-Jun., 2017.

PESSOA BHS, GOUVEIA EAH, CORREIA IB. Funcionamento 24 horas para Unidades de Saúde da Família: uma solução para ampliação de acesso? Um ensaio sobre as “Upinhas” do Recife. Rev Bras Med Fam Comunidade, Rio de Janeiro, v. 12, n. 39, p. 1-9, Jan-Dez 2017.

GOMIDE MFS, PINTO IC, BULGARELLI AF, SANTOS ALP, GALLARDO MPS. User satisfaction with primary health care: an analysis of access and care. Interface, Botucatu, v. 22, n. 65, p. 387-98, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília; 2017 set 22. Seção I, p.68.

COUTINHO LRP, BARBIERI AR, SANTOS MLM. Acolhimento na Atenção Primária à Saúde: revisão integrativa. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 39, n. 105, p. 514-524, abr-jun 2015.

FORTE ECN, PIRES DEP, SCHERER MDA, SORATTO J. Muda o modelo assistencial, muda o trabalho da enfermeira na Atenção Básica? Tempus actas de saúde colet, Brasília, v. 11, n. 2, p. 53-68, jan, 2018.

COSTA JP, JORGE MSB, VASCONCELOS MGF, PAULA ML, BEZERRA I C. Resolubilidade do cuidado na atenção primária: articulação multiprofissional e rede de serviços. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 38, n. 103, p. 733-743, out-dez 2014.

SILVEIRA CB, COSTA LSP, JORGE MSB. Redes de Atenção à Saúde como produtoras de cuidado em saúde mental: Uma análise reflexiva. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Porto, n.19, jun. 2018.

OTAVIANO MDA, GONÇALVES KG, PEREIRA RCC, FELIX TA, DIAS MAS, OLIVEIRA EN. Tecendo informações sobre o serviço pré-hospitalar: relato de experiência. Sanare, Sobral, v. 15, n. 01, p. 98-104, Jan./Jun., 2016.

FACCHINI LA, TOMASI E, DILÉLIO AS. Qualidade da Atenção Primária à Saúde no Brasil: avanços, desafios e perspectivas. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 42, n. especial, p. 208-223, set 2018.

NONNENMACHER CL, WEILLER TH, OLIVEIRA SG. Acesso a saúde: limites vivenciados por usuários do SUS na obtenção do direito. Cienc Cuid Saude, v. 10, n. 2, p. 248-55, 2011.

OLIVEIRA JLC, GATTI AP, BARRETO MS, JUNIOR JAB, GÓES HLF, MATSUDA LM. Acolhimento com classificação de risco: percepções de usuários de uma unidade de pronto atendimento. Texto contexto. Florianópolis, v. 26, n. 1,2017.

RODRIGUES JB. O Acolhimento na Atenção Básica: desafios e avanços no Município de São Bernardo do Campo – SP. Dissertação [Mestrado] – Programa de Mestrado Profissional em Saúde Coletiva da Coordenadoria de Recursos Humanos da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. São Paulo, 2018. 164p.