Acesso e vínculo ao tratamento de tuberculose na atenção primária em saúde Acess and link to treatment of tuberculosis in primary health care

Main Article Content

Rubia Rodrigues Neves
Priscila dos Santos Ferro
Laura Maria Vidal Nogueira
Ivaneide Leal Ataíde Rodrigues

Resumo

 Objetivo: Avaliar o acesso aos serviços de atenção primária à saúde para o controle da tuberculose, identificando as facilidades e dificuldades, além de analisar a forma como os doentes são acolhidos pela equipe multidisciplinar. Método: Estudo operacional realizado em cinco Unidades Básicas de Saúde do município de Belém. Constituíram a amostra 34 doentes com tuberculose. Estudo aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa, sob Parecer nº 206.875.Resultados: Constatou-se como facilidades para o acesso ao tratamento a proximidade da Unidade Básica de Saúde à residência dos doentes, o pouco tempo de espera para a consulta e o vínculo com a equipe de saúde. Como dificuldade identificou-se a não realização de visitas domiciliares. Conclusão: O fortalecimento do vínculo, a garantia de acesso e o acolhimento pela equipe de saúde são fatores que podem contribuir para o sucesso do tratamento. Descritores: tuberculose; acesso aos serviços de saúde; atenção primária em saúde. 


Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Neves RR, Ferro P dos S, Nogueira LMV, Rodrigues ILA. Acesso e vínculo ao tratamento de tuberculose na atenção primária em saúde Acess and link to treatment of tuberculosis in primary health care. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 4º de outubro de 2016 [citado 20º de outubro de 2021];8(4):5143-9. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/4313
Seção
Research
Biografia do Autor

Rubia Rodrigues Neves, Universidade do Estado do Pará.

Enfermeira, graduada pela Universidade do Estado do Pará. Mestranda em Enfermagem pelo programa de Mestrado em Enfermagem Associado UEPA-UFAM. Linha de pesquisa: Saúde pública e epidemiologia de doenças na Amazônia. Especialista em Gestão e Auditoria em Serviços de Saúde pelo IPOG.

Priscila dos Santos Ferro, Universidade do Estado do Pará.

Enfermeira graduada pela Universidade do Estado do Pará. Especialista em Enfermagem Neonatal pela Universidade Federal do Pará. Especialista em Enfermagem do Trabalho pelo Curso de Pós-graduação - CPÓS. Tem experiência com enfermagem em saúde pública e UTI.

Laura Maria Vidal Nogueira, Universidade do Estado do Pará.

Possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Pará (1982), Habilitação em Saúde Pública pela Universidade Federal do Pará (1983), Licenciatura Plena em Enfermagem pela Universidade Federal do Pará (1985), Mestrado em Educação Docência Universitária pelo Instituto Pedagógico Latino Americano e Caribenho - IPLAC - CUBA (2000) e Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011). Atualmente é professora Adjunto II da Universidade do Estado do Pará - Departamento de Enfermagem Comunitária. Coordena o projeto de pesquisa Tuberculose e Parasitoses Intestinais em Populações Indígenas do Pará. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde Pública, atuando principalmente nos seguintes temas: tuberculose, atenção primária em saúde, populações indígenas, cultura.

Ivaneide Leal Ataíde Rodrigues, Universidade do Estado do Pará.

Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2011). Professora Adjunto II da Universidade do Estado do Pará. Graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Pará (1982) e mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003). Membro dos grupos de pesquisa: Enfermagem e Representações Sociais na Atenção à Saúde- ERAS e Grupo interdisciplinar de pesquisas em saúde coletiva e controle de endemias na Amazônia. Tem experiência na área de ensino e pesquisa, atuando principalmente nos seguintes temas: controle da tuberculose, planejamento e gestão em saúde pública.

Plum Analytics