The nursing professionals’ knowledge with regards to the nursing care systematization / Conhecimento dos profissionais de enfermagem sobre a sistematização da assistência de enfermagem

Rachel Mola, Megliane Lopes Dias, Josely de França Costa, Flávia Emília Cavalcante Valença Fernandes, Gerlene Grudka Lira

Resumo


Objetivo: Avaliar o conhecimento dos profissionais de Enfermagem sobre Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE). Métodos: Pesquisa exploratória, quantitativa, descritiva e analítica, realizada com 105 profissionais de Enfermagem assistenciais em Hospital Universitário no período de Janeiro à Maio de 2017. Foi aplicado questionário semiestruturado cujos dados foram apresentados por estatística descritiva e analítica adotando-se 5% de significância e 95% de confiança. Foram utilizados os testes de Mann-Whitney, Exato de Fisher e Qui-quadrado de Person para associação bivariada. Pesquisa aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa, CAAE 57875216.2.0000.5207. Resultados: Amostra constituída de 74,3% Técnicos de Enfermagem e 25,7% Enfermeiros, prevalência do sexo feminino, solteiros, que não realizaram aperfeiçoamento sobre SAE. Conclusão: Existem lacunas no conhecimento sobre SAE, sendo necessário aprimorar o ensino nas instituições de formação técnica e superior, estimular a qualificação profissional e treinamento da equipe para utilização dos instrumentos relacionados ao Processo de Enfermagem.

Palavras-chave


Sistematização da Assistência de Enfermagem

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Santos WN. Systematization of nursing care: the historical context, the process and obstacles to deployment. J. Manag. Prim Health Care, 2014; v.5 n.2 p.153-8. 2. Neco KKS. et al. Sistematização da assistência de enfermagem em instituições de saúde no Brasil: revisão integrativa, Rev enferm UFPE on line; Recife, jan., 2015; 9(1):193-200. 3. Horta WA. Processo de Enfermagem. São Paulo; EPU, 1979. 4. Carpenito LJ. Diagnósticos de enfermagem: aplicação a pratica clínica, 11º ed; Porto Alegre, Artmed, 2009; p 25. 5. Meneses SRT, Priel MR, Pereira LL. Autonomia e vulnerabilidade do enfermeiro na prática da Sistematização da Assistência de Enfermagem. Rev. esc. enferm. USP São Paulo, ago, 2011; v.45, n.4. 6. COFEN. Resolução COFEN-358/2009. Brasília, 2009. Available at: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html Acesso em: 22/06/2017. 7. Ministério da Educação. EBSERH Hospitais Universitários Federais. Hospital Universitário da Universidade do Vale do São Francisco. Brasília, 2016. Available at: http://www.ebserh.gov.br/web/hu-univasf. Acesso em: 16 de Junho de 2017. 8. CNES - Cadastramento Nacional dos Estabelecimentos de Saúde, DATASUS. Available at: http://cnes.datasus.gov.br. Acesso em: jun de 2017. 9. COREN-SP. Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo. Cresce a presença masculina na Enfermagem. Enfermagem revista. abr, 2014; 48-51. Available at: . Acesso em: 07 de jun. de 2017. 10. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Síntese de Indicadores Sociais Uma análise das condições de vida da população brasileira 2015. Rio de Janeiro – RJ, 2015. ISSN 1516-3296. 11. Machado MH, et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sociodemográfico. Enferm. Foco. RJ, 2016; 7 (ESP): 09-14. 12. Fiocruz. Conselho Federal de Enfermagem. Conselho Regional de Enfermagem. Perfil da Enfermagem no Brasil. Brasília 2016. 13. Ministério da Educação. EBSERH Hospitais Universitários Federais. Plano de cargos, carreiras e salários. Diretoria de gestão de pessoas. Brasília, 2016. Available at: www.ebserh.gov.br/web/portal-ebserh/ empregados. Acesso em: 16 de Junho de 2017. 14. Macêdo DF, Gomes CMF, Costa ACS, Finger AB. Análise do concurso público como instrumento de seleção de pessoal no setor público: percepção de um grupo de servidores de instituições federais de ensino superior. Sociais e humanas; Santa Maria, 2016 jan/abr; 29(1):92-110. 15. Lima DWC, Silveira LC, Vieira AN, Cunha BMC, Almeida ANS, Guerreiro EM. Referenciais teóricos que norteiam a prática de enfermagem em saúde mental. Esc. Anna Nery. 2014; 18(2):336-42. 16. Moreira, LHD. Identificação das principais teorias de enfermagem utilizadas nos diferentes níveis de atenção à saúde no município de Assis-SP. FEMA. Monografias. SP, 2016. 17. Felix NN, Rodrigues CDS, Oliveira VDC. Desafios encontrados na realização da Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) em unidade de pronto atendimento Arq Ciênc Saúde 2009 out-dez; 16(4):155-60. 18. Silva EGC, Oliveira VC, Neves GBC, Guimarães TMR. O conhecimento do enfermeiro sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem: da teoria à prática. Rev Esc Enferm USP 2011; 45(6):1380-6. 19. Matté VM, Thofhern MB, Muniz, RM. Opinião dos enfermeiros quanto à aplicabilidade do processo de enfermagem em uma unidade de tratamento intensivo. R. gaúcha Enferm. Porto Alegre, jan 2001; v.22, n.1, p.101-21. 20. Reppetto MA, Souza MF. Avaliação da realização do registro da sistematização da assistência de enfermagem em um hospital universitário. Rev Bras Enferm. SP, 2005 maio-jun; 58(3):325-9. 21. Lima FET; Mendonça LBA, Farias LMVC, Pinheiro FR, Dantas KB. Processo de Enfermagem: aplicação em hospitais de Fortaleza – Ceará. 17º SENPE. Natal 2013. 22. Vasconcelos CP, Boaventura PP, Lima LR de et al. Nurses’ knowledge about Systematization… Rev enferm UFPE on line. 2011 jan/fev; 5(1):10-9 16 ISSN: 1981-8963 DOI: 10.5205/reuol.1137-10464-1LE.0501201102.

Received in: 01/08/2017 Required revisions: 12/09/2017 Approved in: 14/09/2017 Published in: 01/07/2019

Corresponding author Rachel Mola Address: Rodovia BR 203, Km 2, S/N – Vila Eduardo, Petrolina, Pernambuco, Brazil Zip Code: 56.328-903 Telephone number: +55 (87) 3866-6470 E-mail address: rachelmola@yahoo.com.br

Disclosure: The authors claim

to have no conflict of interest.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Federal de Enfermagem – COFEN. Resolução nº 358/2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 24. DUARTE APP, ELLENSOHN L. A operacionalização do processo de enfermagem em terapia intensiva neonatal. Rev Enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2007 out-dez; 15(4): 521-6. 25. Bonadia PR. A Relação Entre o Nível de Escolaridade e a Renda no Brasil. Faculdade de Economia e Administração. São Paulo- SP. 2008. 26. Ruas LHS, Silva LMR, Aguiar MF, Costa FM. Sistematização da assistência de enfermagem: conhecimento da equipe de enfermagem de uma unidade de terapia intensiva. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, setembro 2013; Ano 18, nº 184. 27. Oguisso T, Schmidt MJ. O exercício da Enfermagem: uma abordagem ético-legal. 3.ed. Atual. e Ampl. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. 28. Andrade JSD, Vieira MJ. Prática assistencial de enfermagem: problemas, perspectivas e necesidade de sistematização. Rev. bras. enferm.

[Internet]. 2005 june [cited 2017 jun 11]; 58(3): 261-5. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid= S003471672005000300002&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/S003471672005000300002. 29. Oliveira D, Processo sistematizado de enfermagem fundamentado na teoria de Wanda Horta - possibilidades e limites. Dissertação apresentada ao Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i4.887-893 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.

O atendimento telefônico da secretaria funciona de 06:00 as 09:00, de segunda a sexta feira.

 

        

Crossref Metadata User Badge