Disinfection conditions of inanimate surfaces in intensive therapy units / Condições de desinfecção de superfícies inanimadas em unidades de terapia intensiva

Mayara Esquivel de Souza, Helder Ferreira, Adriana Zilly, Andréa Luciana Araújo de Mattos, Loreni Silva Groth Pereira, Rosane Meire Munhak Silva

Resumo


Objetivo: Descrever as condições de limpeza de superfícies inanimadas comuns ao toque dos pacientes e equipe de saúde após limpeza terminal em unidade de terapia intensiva. Método: Estudo prospectivo, experimental, desenvolvido entre novembro e dezembro de 2016. Foram avaliadas 44 superfícies próximas ao paciente, por meio da inspeção visual e método microbiológico. Resultados: Visualmente, todas as superfícies encontravam-se secas e limpas. Pelo método de coloração de Gram, verificaram-se microrganismos em 81,8% dos leitos. Foram encontrados microrganismos em 40,9% de superfícies, principalmente nas grades de camas. Em bombas infusoras não foram observados microrganismos. Em 38,8% das amostras encontrou-se Bacilos Gram negativos. Conclusão: Há necessidade de mudanças no comportamento da equipe de saúde, assim como, a revisão dos protocolos de desinfecção como formas de reduzir às Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde.


Palavras-chave


Infecção Hospitalar; Serviço Hospitalar de Limpeza; Contaminação de Equipamentos; Enfermagem

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Isla. Instituto Latino Americano de Sepse. Conselho Federal de Medicina. Sepse: um problema de saúde pública. Brasília (DF): Conselho Federal de Medicina; 2016. 2. Deptula A,Trejnowska E, Ozorowski T, Hryniewicz W. Risk factors for healthcare-associated infection in light of two years of experience with the ECDC point prevalence survey of healthcare-associated infection and antimicrobial use in Poland. J hosp infec. 2015;90:310-5. 3. Cardoso AM, Reis, C. Contaminação de superfícies inanimadas de UTI por bactérias Gram negativas multirresistentes em hospital universitário de Goiânia, GO. Rev bras an clin [internet]. 2016 [acesso 2017 Mai 20];48(3 supl.1):59-65. Available at: http://www.rbac.org. br/wp-content/uploads/2016/09/RBAC_-2016-supl.-01-completacorrigida.pdf 4. Kelly D, Kutney-Lee A, Lake ET, Aiken LH. The critical care work environment and nurse-reported health care-associated infections. Am J crit care [internet]. 2013 [acesso em 2016 Out 20];22(6):482-8.

Available at: 5. Ferreira AM, Andrade D, Rigotti MA, Ferreira MVF. Condições de limpeza de superfícies próximas ao paciente, em uma unidade de terapia intensiva. Rev latino-am Enferm [internet]. 2011 mai/jun[acesso 2016 Out 01];19(3):[08 telas]. Disponível: 6. Oliveira HM, Silva CPR, Lacerda RA. Políticas de controle e prevenção de infecções relacionadas à assistência à saúde no Brasil: análise conceitual. Rev esc enferm USP [internet]. 2016 [acesso 2017 Jul 01];50(3):502-8. Available at: 7. Renner JDP, Carvalho ED. Microrganismos isolados de superfícies da UTI adulta em um hospital do Vale do Rio Pardo - RS. Rev epidemiol cont infec [internet]. 2013 [acesso 2017 Mai 21];3(2):40-4. Available at: 8. Sales VM, Oliveira E, Célia R, Gonçalves FR, Melo CC. Análise microbiológica de superfícies inanimadas de uma unidade de terapia intensiva e a segurança do paciente. Rev enferm ref [internet]. 2014 [acesso 2017 Jul 02];4(3):45-53. Available at: 9. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do paciente em serviços de saúde: limpeza e desinfecção de superfícies. Brasília (DF): Anvisa; 2010. 10. Griffith CJ, Obee P, Cooper RA, Burton NF, Lewis M. The effectiveness of existing and modified cleaning regimens in a Welsh hospital. J hosp infect [internet]. 2007 [acesso 2017 Jun 28];66:352-9. Available at: 11. Ferreira AM, Andrade D, Rigotti MA, Almeida MTG, Guerra OG, Santos Junior AG. Avaliação da desinfecção de superfícies hospitalares por diferentes métodos de monitoramento. Rev latino-am enferm [internet]. 2015 [acesso 2017 Jun 29];23(3):466-74. Available at: 12. Ferreira H, Garcia LB, Carrara-Marrone FE, Tognim MCB, Cardoso CL. Susceptibilidade de amostras clínicas de pseudomonas aeruginosa a antibióticos e a clorexidina. Rev epidemiol control infect [internet]. 2014 [acesso 2017 Jun 30];4(4):243-8. Available at:

Rosado AV, Silva FL. A avaliação da eficácia de antissépticos nas mãos dos profissionais. Rev Saúde Foco [internet]. 2016 jan/jun [acesso 2017 Jun 30];3(1):01-19. Available at: 14. Gonçalves LR, Luz PCT, Azevedo ALO. Avaliação microbiológica de incubadoras: antes e depois a limpeza em uma maternidade de Teresina – PI. R interd [internet] 2016 [acesso em 2017 Jun 10];9(2):57-64. Available at: 15. Oliveira AC, Paula AO. A percepção dos profissionais de saúde em relação a higienização das mãos. Rev pesq cuid fundam [internet]. 2017 abr/jun [acesso 2017 Jul 04];9(2):321-6. Available at: 16. Pereira JG, Zan RA, Jardin CF, Meneguetti DUO. Análise de fungos anemófilos em hospital da cidade de Ariquemes, Rondônia, Amazônia Ocidental, Brasil. Rev epidemiol control infect [internet]. 2014 [acesso 2017 Jun 15];4(1):18-22. Available at: 17. Lucchetti-Miganeh C, Redelberger D, Chambonnier G, Rechenmann F, Elsen S, Bordi C, et al. Pseudomonas aeruginosa genome evolution in patients and under the hospital environment. Pathogens [internet]. 2014 jun [acesso 2017 Jun 20];3(2):309-40. Available at: 18. Dereli N, Ozayar E, Degerli S, Sahin S, Koç F. Três anos de avaliação das taxas de infecção nosocomial em UTI. Rev bras anestesiol [internet]. 2013 [acesso 2017 Jun 20];63(1):73-84. Available at: 19. Bathke J, Cunico PA, Maziero ECS, Cauduro FLF, Sarquis LMM, Cruz EDA. Infraestrutura e adesão à higienização das mãos: desafios à segurança do paciente. Rev gaúcha enferm [internet]. 2013 [acesso 2017 Jun 30];34(2):78-85. Available at: 20. Fernandes ACL, Lima DWC, Lima LCS, Oliveira LK, Vieira NA. Sistematização da assistência de enfermagem na prevenção de infecção na unidade de terapia intensiva. Rev pesq cuid fundam [internet]. 2014 [acesso em 2017 Jun 10];6(4):1580-9. Available at: 21. Conde KAP, Silva ES, Silva CO, Ferreira E, Freitas FGR, Castro I, et al. Differences in sepsis treatment and outcomes between public and private hospitals in Brazil: a multicenter observational study. Plos One [internet]. 2013 jun [acesso em 2017 Jul 10];8(6):e64790. Available at: 22. CDC – Centers for Diseases Control. Healthcare-associated Infections (HAI). 2017 [acesso em 2017 Jun 10]. Available at:




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i4.951-956 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.

O atendimento telefônico da secretaria funciona de 06:00 as 09:00, de segunda a sexta feira.

 

        

Crossref Metadata User Badge