Analysis of maternal mortality ratio pattern by hypertension / Análise de padrão da razão de mortalidade materna por hipertensão

Emanuel Thomaz de Aquino Oliveira, Antônio Eduardo Osório Cavalcante, Luisa Chrisdayla Macedo Santos, Ana Christina de Sousa Baldoino, Jardeliny Corrêa da Penha, Jailson Alberto Rodrigues

Resumo


Objetivo: Analisar o padrão da razão de mortalidade materna através dos óbitos por hipertensão associados à gestação nos municípios do Estado do Piauí, dos anos 2012 a 2016. Método: Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo, comparativo, longitudinal de abordagem quantitativa, realizado a partir de registros de óbitos maternos ocorridos por distúrbios hipertensivos no Piauí, de 2012 à 2016. Resultados: Foram identificados 46 óbitos maternos por hipertensão, destes 12 mulheres possuíam escolaridade de 8 a 11 anos de estudo (26,1%), 19 (41,3%) tinham de 30 a 39 anos, eram 33 (71,7%) pardas e 12 (26,1%) solteiras. Conclusão: É fundamental que haja comprometimento de gestores e profissionais, para desenvolver ações de promoção a saúde das mulheres no ciclo gravídico-puerperal nos diversos serviços de saúde, de forma descentralizado, por meio de uma atenção qualificada, humanizada e integral.


Palavras-chave


Mortalidade Materna; Hipertensão Induzida pela Gravidez; Sub-Registro; Saúde da Mulher; Cuidados de Enfermagem.

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


World Health Organization. Trends in Maternal Mortality: 1990-2015: Estimates by WHO, UNICEF, UNFPA, World Bank Group and the United Nations Population Division; 2015.

Mourão LF, Mendes IC, Marques ADB, Cestari VRF, Braga RMBB. Internações em UTI por causas obstétricas. Enferm glob. 2019. 18(1): 304-345.

Pereira GT, Santos AAP, Silva JMO, Nagliate PC. Perfil epidemiológico da mortalidade materna por hipertensão: análise situacional de um estado nordestino entre 2004-2013. Rev pesqui cuid fundam (Online). 2017. 9(3): 653-658.

Martins EF, Almeida PFB, Paixão CO, Bicalho PG, Errico LSP. Causas múltiplas de mortalidade materna relacionada ao aborto no Estado de Minas Gerais, Brasil, 2000-2011. Cad Saúde Pública (Online). 2017. [acesso em 14 fev 2019]; 33(1): e00133115. Disponível em .

Santos DR, Nogueira LMV, Paiva BL, Rodrigues ILA, Oliveira LF, Caldas SP. Mortalidade materna na população indígena e não indígena no Pará: contribuição para a vigilância de óbitos. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2017. 21(4): 1-9.

Szwarcwald CL, Escalante JJC, Rabello Neto DL, Souza Junior PRB, Victoria CG. Estimação da razão de mortalidade materna no Brasil, 2008-2011. Cad Saúde Pública (Online). 2014. [acesso em 16 fev 2019]; 30(Suppl 1): S71-S83. Disponível em: .

Amorim FCM, Neves ACN, Moreira FS, Oliveira ADS, Nery IS. Perfil de gestantes com pré-eclâmpsia. Revista de enfermagem UFPE on line. 2017. 11(4): 1574-83.

Gower JC. A general coefficient of similarity and some of its properties. Biometrics. 1971. 27(3): 857-871.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial da União 2016. [acesso em: 19 fev 2019]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2016/res0510_07_04_2016.html.

Lima DR, Ribeiro CL, Garzon AMM, Henriques TRP, Souza KV. Análise dos fatores intervenientes da mortalidade materna. Enfermagem Obstétrica. 2016. 3: e25.

Guimarães TA Rocha AJSC, Rodrigues WB, Pasklan ANP. Mortalidade materna no Brasil entre 2009 e 2013. Revista de Pesquisa em Saúde. 2018. 18(2): 81-84.

Dias JMG, Oliveira APS, Cipolotti R, Monteiro BKSM, Pereira RO. Mortalidade materna. Rev méd Minas Gerais. 2015. 25(2): 173-179.

Araújo AJS, Sena AA, Santana IT, Barreto ES. A magnitude da mortalidade materna na Bahia nos últimos 10 anos. Rev enferm UFPI. 2017. 6(2): 10-15.

Medeiros, LT, Sousa AM, Arinana LO, Inárcio AS, Prata MLC, Vasconcelos MNG. Mortalidade materna no estado do Amazonas: estudo epidemiológico. Rev baiana enferm. 2018. 32: e26623.

Theophilo RL, Rattner D, Pereira EL. Vulnerabilidade de mulheres negras na atenção ao pré-natal e ao parto no SUS: análise da pesquisa da Ouvidoria Ativa. Ciênc Saúde Colet. 2018. [acesso em 20 fev 2019]; 23(11): 3505-3516. Disponível em: .

Portela, NLC, Araújo NJ, Monte LRS. Mortalidade materna no estado do Maranhão no período de 2006 a 2010. Rev Inter. 2015. 8(3): 75-82.

Rodrigues MP, Nascimento CMBV, Melo RHV, Oliveira DA, Ferreira MAF, Oliveira AP. Percepções sobre os efeitos psicossociais da gravidez na adolescência no cenário da Estratégia Saúde da Família. Rev Ciênc Plur. 2017. 3(1): 81-97.

Leal MC, BittencourtI SDA, Torres RMC, Niquini RP, Souza Junior PRB. Determinantes do óbito infantil no Vale do Jequitinhonha e nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. Rev Saúde Pública. 2017. 51(12): 1-9.

Souza JP. A mortalidade materna e os novos objetivos de desenvolvimento sustentável (2016-2030). Rev Bras Ginecol Obstet. 2015. 37(12): 549-551.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.8970 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2020 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

SCImago Institutions Rankings

 

  

 

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.