Chemotherapy-related fatigue: the perspective of women with breast câncer / Fadiga secundária à quimioterapia na perspectiva da mulher com câncer de mama

Cristiane Soares Campos, Taliana da Silva Gomes Oliveira, Anna Cláudia Yokoyama dos Anjos, Juliana Pena Porto

Resumo


Objetivo: Descrever os fatores coadjuvantes para ocorrência da fadiga secundária à quimioterapia e os recursos do conhecimento cultural, utilizados para seu alívio. Método: Estudo prospectivo, misto, realizado com 47 mulheres com câncer de mama e fadiga, em um hospital universitário. Foram analisadas as respostas das questões abertas da Escala de Fadiga de Piper Revisada, que foram submetidas à Análise de Conteúdo. Resultados: Como causas para a fadiga foram descritas seis categorias: medo e preocupação; quimioterapia; estado emocional/psicológico; desajustes no relacionamento familiar; alteração na autoimagem; esforço físico/atividades diárias. Cinco categorias foram apontadas como recursos para alívio: buscar a Deus; banho; repouso; medidas de distração; chorar. Considerações finais:  Diante da subvalorização das queixas, relacionadas à fadiga, pelos profissionais, as mulheres passam a buscar por estratégias de alívio no conhecimento cultural. A valorização dos saberes é essencial para definição de condutas efetivas, que possibilitem melhoria da qualidade de vida e redução dos efeitos negativos da fadiga.


Palavras-chave


Fadiga; Quimioterapia; Qualidade de vida; Câncer de mama; Pesquisa qualitativa

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Ministério da Saúde. Estimativa 2018: Incidência de Câncer no Brasil. Ministério da Saúde. 2017.

Ministério da Saúde. Manual de Bases Técnicas em Oncolocia. SIA/SUS. 2015;21a Edição:130.

Carr AC, Vissers MCM, Cook JS. The Effect of Intravenous Vitamin C on Cancer- and Chemotherapy-Related Fatigue and Quality of Life. Front Oncol. 2014.

Curt GA. Impact of Cancer-Related Fatigue on the Lives of Patients: New Findings From the Fatigue Coalition. Oncologist. 2000.

Campos MP de O, Hassan BJ, Riechelmann R, del Giglio A. Fadiga relacionada ao câncer: uma revisão. Rev Assoc Med Bras. 2011.

Anjos ACY dos, Campos CS, Cunha NF, Lopes CF, Alves LL, Porto JP. Fadiga secundária à quimioterapia em mulheres com câncer de mama: revisão integrativa da literatura. Perspect em Psicol. 2018.

Corbett T, Groarke AM, Walsh JC, McGuire BE. Cancer-related fatigue in post-treatment cancer survivors: Application of the common sense model of illness representations. BMC Cancer. 2016.

Mota DDCF, Pimenta CAM, Piper BF. Fatigue in Brazilian cancer patients, caregivers, and nursing students: A psychometric validation study of the Piper Fatigue Scale-Revised. Support Care Cancer. 2009.

Bardin L. BARDIN_análise de conteúdo_1977.pdf. 1977.

Mota D. Fadiga no doente com câncer colo-retal: fatores de risco e preditivos. Tese. 2008;0–128.

Padavini RL. Fadiga e qualidade de vida em pacientes sob quimioterapia antineoplásica. Diss. 2014;1–85.

Panobianco MS, Gozzo TDO. Depressão e fadiga na qualidade de vida de mulheres com câncer de mama. Rev Rene. 2011;12(2):247–52.

Azevedo DB, Moreira JC, Gouveia PA, Tobias GC, Morais Neto OL de. Perfil de mulheres com câncer de mama. UFPE online. 2017;11(6):1–9.

NCCN. NCCN Clinical Practice Guidelines in Oncology: Cancer-Related Fatigue. Natl Compr CANCER Netw. 2017;17(4):1–61.

Vidal R de QS, Silvany Neto AM. Trabalhadoras brasileiras: características socioeconômicas e ocupacionais e perfil de saúde, Brasil, 2003. Rev Bras Saúde Ocup. 2009.

Oliveira T da SG, Neris RR, Santos LNT dos, Teixeira RG, Magnabosco P, Dos Anjos ACY. Perfil de mulheres com câncer de mama tratadas com quimioterapia. REVOL: Rev enferm UFPE on line. 2016.

Alves JED, Cavenaghi SM, Barros LFW, Carvalho AA de. Distribuição espacial da transição religiosa no Brasil. Tempo Soc. 2017.

Silva RM da, Melo EM, Rodrigues MSP. Família como suporte para a mulher em tratamento quimioterápico. Família, Saúde e Desenvolv. 2016.

Soares LC, Burille A, Antonacci MH, Santana M da G, Schwartz E. A quimioterapia e seus efeitos adversos: relato de clientes oncológicos. Cogitare Enferm. 2014.

Silva MCM da, Lopes Júnior LC, Nascimento LC, Lima RAG de. Fatigue in children and adolescents with cancer from the perspective of health professionals. Rev Lat Am Enfermagem. 2016.

Ajuriaguerra J, Marcelli D. Manual de psicopatologia infantil. 1986.

Rios ERG, Franchi KMB, Silva RM da, Amorim RF de, Costa N de C. Senso comum, ciência e filosofia: elo dos saberes necessários à promoção da saúde. Cien Saude Colet. 2007.

Johnston MP, Coward DD. Cancer-Related Fatigue: Nursing Assessment and Management. Am J Nurs. 2011;101(Supplement):19–22.

Choumanova I, Wanat S, Barrett R, Koopman C. Religion and spirituality in coping with breast cancer: Perspectives of Chilean women. Breast J. 2006.

Gall TL, Charbonneau C, Florack P. The relationship between religious/spiritual factors and perceived growth following a diagnosis of breast cancer. Psychol Heal. 2011.

Boeira SF, Guimarães RM, Acioli L da R, Stipp MAC. Cluster de Sintomas e Câncer na Pesquisa em Enfermagem : Revisão Sistemática. Rev Bras Cancerol. 2014;60(4):351–61.

Kluthcovsky ACGC. Fadiga e qualidade de vida em sobreviventes de câncer de mama após um ano do diagnóstico. Tese Doutorado. 2011;1–158.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.9091 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2020 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

SCImago Institutions Rankings

 

  

 

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.