Characterization of Patients Eligible for Palliative Care in Hospital Admission Units of a University Hospital / Caracterização de Pacientes Elegíveis para Cuidados Paliativos em Unidades de Internação de um Hospital Universitário

Adriana Coutinho Leite

Resumo


Objetivo: Caracterizar pacientes elegíveis para cuidados paliativos internados em um hospital universitário Método: Estudo descritivo, transversal, quantitativo. Adotou-se amostra populacional, por conveniência, selecionando pacientes maiores de 18 anos, internados num hospital universitário, apresentando diagnóstico de doenças crônicas, no período de junho a julho de 2019. Resultados: Participaram 44 pacientes: 21 (47,7%) acima de 60 anos, 29 (65,9%) do sexo feminino, 28 (63,6%) não casados, 36 (81,8%) morando com familiares; 23 (52,3%) internados na clínica médica, 39 (88,6%) relataram internações anteriores, 20 (45,5%) apresentaram doença cardíaca, câncer ou diabetes, 37 (84,1%) com comorbidades, 40 (90,9%) com medicações de uso contínuo, 24 (54,5%) tabagistas e 18 (40,9%) etilistas. Foram elegíveis pela Palliative Care Screening Tool, 95,5% dos participantes para cuidados paliativos e 4,5% ficaram em observação clínica. Conclusão:O estudo verificou que a maioria dos participantes deste estudo, acometidos por doenças crônicas e internados no hospital, foi indicado como elegíveis para os cuidados paliativos, segundo a escala Palliative Care Screnning Tool.


Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Malta DC, Morais Neto OLM, Silva Júnior JB. Apresentação do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2011 a 2022. Epidemiol Serv Saúde. 2011; 20(4): 425-438. DOI: 105123/51679-49742011000400002.

Veras RP. Estratégias para o enfrentamento das doenças crônicas: um modelo em que todos ganham. Rev Bras Geriatr e Gerontol. 2011; 14(4): 779-786. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=40384044017.

Etkind SN, Bone AE, Gomes B, Lovell N, Evans CJ, Higginson IJ et al. How many people will need palliative care in 2040? Past trends, future projections and implications for services. BMC Medicine. 2017; 15:102. DOI: 10.1186/s12916-017-0860-2.

Baumgartel C, Onofrei M, Lacerda LLV, Grillo LP, Mezadri T. Fatores de risco e proteção de doenças crônicas em adultos: estudo de base populacional em uma cidade de médio porte do Sul do Brasil. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2016; 11(38):1-13. http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc11(38)1248.

Malta DC, Moura L, Prado RP, Escarlate JC, Schmidt MI, Duncan BB. Mortalidade por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil e suas regiões, 2000 a 2011. Epidemiol Serv Saúde, 2014; 23(4): 599-608. DOI: 10.5123/51679-49742014000400002.

Marcucci FCI, Perilla AB, Brun MM, Cabrera MAS. Identificação de pacientes com indicação de cuidados paliativos na estratégia de saúde da família: estudo exploratório. Cad Saúde Colet. 2016; 24(2):145-152. DOI: 10.1590/1414-462X201600020012

Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Agência de notícias: sala de imprensa: População brasileira envelhece em ritmo acelerado. 2008. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/13577-asi-ibge-populacao-brasileira-envelhece-em-ritmo-acelerado

Cassettari AJ, Moritz RD. Pacientes críticos elegíveis para ação paliativista. ACM Arq Catarin Med. 2015; 44(2):60-73.

Maia FV, Santos TR, Ribeiro IM. Ortotanásia em unidade de terapia intensiva sob a ótica dos profissionais. Rev Cuidarte Enferm. 2015; 9(1):36-43.

World Health Organization. Definition of palliative care [internet]. Geneva: WHO, 2019. Available from: https://www.who.int/cancer/palliative/definition/en/

Rodrigues LA, Ligeiro C, Silva M. Cuidados paliativos, diagnósticos e terminalidade: indicação e início do processo de paliação. Rev Cuidarte Enferm. 2015; 9(1):26-35.

Lucchetti G, Badan Neto AM, Ramos SAC, Faria LFC, Granero ALO, Pires SL, et al. Uso de uma escala de triagem para cuidados paliativos nos idosos de uma instituição de longa permanência. Rev Geriatria & Gerontologia. 2009; 3(3):104-108.

– Maciel MGS, Carvalho RT. Palliative performance scale. Versão 2. Tradução brasileira para língua portuguesa. 2009; São Paulo. Disponível em: https://www.victoriahospice.org/sites/default/files/pps_portugese_0.pdf

D’Arco C, Ferrari CMM, Carvalho LVB, Priel MR, Pereira, LL. Obstinação terapêutica sob o referencial bioético da vulnerabilidade na prática da enfermagem. O Mundo da Saúde. 2016; 40(3): 382-389. DOI: 10.15343?0104-7809.20164003382389.

Santos MAS, Oliveira MM, Andrade SSCA, Nunes ML, Malta DC, Moura L. Tendências da mortalidade hospitalar por doenças crônicas não transmissíveis no Brasil, 2002 a 2012. Epidemiol Serv Saúde. 2015; Brasília. 24(3): 389-398. DOI: 10.5123/51679-49742015000300005.

Duncan BB, Chor D, Aquino EML, Bensenor IM, Mill JG, Schmidt MI, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública. 2012; 46 (Supl): 126-34. Disponível em: www.scielo.br/rsp.

Faria JAM, Ferreira LG, Vieira MAB, Cosenza NN, Alvarenga PP, Figueiredo PL. Perfil dos pacientes com indicação de cuidados paliativos no Hospital Júlia Kubstchek. Rev Med Minas Gerais. 2015; 25(1):25-29.

Carey TA, Arundell M, Schouten K, Humphereys JS, Miegel F, Murphy S et al. Reducing hospital admissions in remote Australia through the establishment of apalliative and chronic disease respite facility. BMC Palliative Care. 2017; 16(1):54 DOI: 1001186/s12904-017-0247-3.

Gulini JEHMB, Nascimento ERPN, Moritz RD, Vargas MAO, Matte DL, Cabral RP. Fatores preditores de óbito em unidade de terapia intensiva: contribuição para a abordagem paliativista. Rev Esc Enf da USP. 2018; 52:e 03342. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1980-220X20170023203342.

Carvalho MIL. Cuidados paliativos em Portugal: configuração e desenvolvimento da formação breve graduada e pós-graduada. Re. Kairós Ger São Paulo. 2012; 15(2): 05-12.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.9454 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2020 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

SCImago Institutions Rankings

 

  

 

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.