Dating violence experienced by young people from a public university in Brazil / Violência no namoro vivenciada por jovens de uma universidade pública no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v16.13125

Palavras-chave:

Violência de gênero, Violência por parceiro íntimo, Universidades, Estudantes, Adulto jovem

Resumo

Objetivos: identificar a violência no namoro vivenciada por jovens universitárias e discutir as formas de violência vivenciadas Materiais e Métodos: Descritivo, exploratório e qualitativo, com 50 jovens universitárias de 19 a 24 anos, que afirmaram estar ou já ter estado em um relacionamento com homem ou mulher por no mínimo 6 meses, matriculadas em uma universidade pública no município do Rio de Janeiro, Brasil. As entrevistas foram semiestruturadas, individuais, entre setembro de 2019 e fevereiro de 2020. Tratamento dos dados realizado por análise temática. Resultados: A maioria era parda ou preta, possuía religião e heterossexuais. Do total de participantes, 39 afirmaram vivenciar alguma forma de violência no namoro perpetrada por homens. A violência psicológica foi relatada pela maioria das participantes, seguida da moral, física, sexual e patrimonial. Discussão: As jovens universitárias não estão isentas de vivenciar a violência de gênero nas relações de namoro. Situação que reforça a importância de desmistificar mitos e estereótipos sobre essa etapa no relacionamento do casal. Conclusão: A violência no namoro em universitárias é uma realidade sustentada por moldes patriarcais, favorecendo repercussões negativas na saúde e vida acadêmica das jovens. Destaca-se a necessidade de se promover no meio universitário, ações de prevenção e enfrentamento a violência de gênero. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Lourenço Fernandes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira. Pós graduada em Terapia Intensiva pela instituição Albert Einstein. Pós graduada em Auditoria em Enfermagem pela UniBF. Especialista em clínica médica e cirúrgica nos moldes de residência pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro ( UNIRIO). Mestranda pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro ( UNIRIO).

Selma Villas Boas Teixeira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduação em Enfermagem. Habilitação em Obstetrícia pela Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro, em 1989. Especialista em Administração hospitalar em 1994. Mestrado em Enfermagem na área da Saúde da Mulher Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO em 2005. Doutora em Enfermagem na área da saúde da Escola da Enfermagem Anna Nery - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFJ) desde 2013. Professora Adjunta nível IV do Departamento Materno-Infantil da Escola de Enfermagem Alfredo Pinto - UNIRIO. Integra os Grupos de Pesquisa: Estudos em Enfermagem nas Áreas Perinatal e da Mulher no Ciclo da Vida e Laboratório de Estudos em Gênero, Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos. Professora responsável pelo disciplina do Curso de Graduação: Enfermagem na Atenção à Saúde da Mulher. Atual Chefe do Departamento de Enfermagem Materno Infantil. Professora do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Stricto Sensu da UNIRIO - (Prigo). Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UNIRIO. Associada à ABENFO-RJ (Associação Brasileira de Obstetrô e Enfermeiros Obstetra)

Yamê Regina Alves, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense (2018). Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2023).Pós graduanda em saúde materno-infantil com enfoque em aleitamento materno, pelo Instituto Mame Bem

Luíza Pereira Maia de Oliveira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense (2018). Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2023). Pós graduada (modalidade residência) em Obstetrícia pela Universidade Federal Fluminense (2021)

Andressa Teoli Nunciaroni, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Graduada em enfermagem pela Universidade Estadual de Campinas (Bacharelado e Licenciatura em 2009). Mestre em Ciências da Saúde pela Faculdade de Enfermagem da Unicamp (2013). Doutora em Ciências da Saúde na área de Enfermagem e Trabalho pelo Programa de Pós Graduação em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Estadual de Campinas (2017). Professora do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio).

Leila Rangel da Silva, Centro Universitário Serra dos Órgãos

Graduação em Enfermagem e Obstetrícia - Universidade Federal Fluminense (1988), Especialista em Enfermagem Obstétrica - Universidade Federal Fluminense (2003), Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1995) e Doutorado em Enfermagem na Área da Saúde da Mulher pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2003). Professora do curso de graduação em Enfermagem do Centro Universitário Serra dos Órgãos.

Referências

World Health Organization. Violence against women prevalence estimates, 2018: global, regional and national prevalence estimates for intimate partner violence against women and global and regional prevalence estimates for non-partner sexual violence against women. Genebra; 2021. [citado em 15 out 2023]. Disponível em: https://www.who.int/publications/i/item/9789240022256

Ataíde MA. Namoro: uma relação de afetos ou de violência entre jovens casais? INTERthesis. 2018; 12(1): 248-70. http://dx.doi.org/10.5007/1807-1384.2015v12n1p248

Instituto Avon. Violência contra a Mulher no Ambiente Universitário. Data popular/Instituto Avon. Instituto Patrícia Galvão; 2015. [citado em 15 mar 2023]. Disponível em: https://dossies.agenciapatriciagalvao.org.br/dados-e-fontes/pesquisa/violencia-contra-a-mulher-no-ambiente-universitario-data-popularinstituto-avon-2015/

Tassinari TT, Honnef F, Arboit J, Langendorf TF, Paula CC, Padoin SMM. Violência de gênero em mulheres estudantes universitárias: evidências sobre a prevalência e sobre os fatores associados. Acta Colombiana de Psicologia. 2022; 25(1): 105-120. https://doi.org/10.14718/acp.2022.25.1.8

Kisa S, Zeyneloğlu S. Perceptions and predictors of dating violence among nursing and midwifery students. Journal of Advanced Nursing. 2019; 75(10): 2099-109. https://doi.org/10.1111/jan.13982

Wong JS, Bouchard J, Lee C. The effectiveness of college dating violence prevention programs: a meta-analysis. Trauma, Violence e Abuse. 2023; 24(2): 684-701. https://doi.org/10.1177/15248380211036058

Kim Y, Lee E, Lee H. Sexual double standard, dating violence recognition, and sexual assertiveness among university students in South Korea. Asian Nursing Research. 2019; 13(1): 47-52. https://doi.org/10.1016/j.anr.2019.01.003

Glass NE, Clough A, Messing JT, Bloom T, Brown ML, Eden KB et al. Longitudinal Impact of the my Plan App on Health and Safety Among College Women Experiencing Partner Violence. Journal of Interpersonal Violence. 2022; 37(13-14): NP11436-NP11459. https://doi.org/10.1177/0886260521991880

Fialla MRPM, Larocca LM, Chaves MMN, Lourenço RG. As violências na percepção de jovens universitários. Acta Paul Enferm. 2022; 35:eAPE039012734. http://dx.doi.org/10.37689/acta-ape/2022AO012734

Souza DC, Silva MA, Beiras A. Violência entre homens que se relacionam com homens – Revisão Da Literatura. Estudos e Pesquisas em Psicologia. 2022; 22(4): 1709-1728. http://dx.doi.org/10.12957/epp.2022.71775

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2010.

Brasil. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2006 [citado em 4 jan 2023]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm

Graham LM, Jensen TM, Givens AD, Bowen GL, Rizo CF. Intimate partner violence among same-sex couples in college: a propensity score analysis. Journal of Interpersonal Violence. 2019; 34(8): 1583-610. https://doi.org/10.1177/0886260516651628

Instituto de Segurança Pública. Dossiê Mulher 2022. Rio de Janeiro, 2022; 17 (2). [citado em 10 abr 2023]. Disponível em : https://arquivo.proderj.rj.gov.br/isp_imagens/uploads/DossieMulher2022.pdf

Nunes ACA, Souza TMC. Análise das vivências de violência doméstica em mulheres evangélicas pentecostais e neopentecostais. Revista da SPAGESP. 2021; 22(2): 58-72. http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rspagesp/v22n2/v22n2a06.pdf

Carvalho AAD, Barreto RCV. A invisibilidade das pessoas LGBTQIA+ nas bases de dados: novas possibilidades na Pesquisa Nacional de Saúde 2019. Ciência e Saúde Coletiva. 2021; 26(9): 4059-64. https://doi.org/10.1590/1413-81232021269.12002021

Neves S, Jamal S, Peixoto S, Borges J. Estudo nacional sobre a violência no namoro no ensino superior: crenças e práticas – 2017/2021. Fundo Europeu no âmbito do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego do Portugal; 2021. Disponível em: https://www.cig.gov.pt/wp-content/uploads/2021/02/EstudoNacional_2017_21.pdf

Brito JCDS, Eulálio MDC, Júnior EGDS. A presença de transtorno mental comum em mulheres em situação de violência doméstica. Contextos Clínicos. 2020; 13(1): 198-220. https://dx.doi.org/10.4013/ctc.2020.131.10

Luis EC, Landazabal MG. Bullying y cyberbullying: diferencias de sexo en víctimas, agresores y observadores. Pensamiento Psicológico. 2019; 17(2): 57-71. doi:10.11144/Javerianacali.PPSI17-2.bcds

Souza TMC, Pascoaleto TE, Mendonça ND. Violência contra mulher no namoro: percepções de jovens universitários. Revista Psicologia e Saúde. 2021; 10(3): 31-43. https://doi.org/10.20435/pssa.v10i3.695

Garrido-Antón MJ, Arribas-Rey A, Miguel JM, García-Collantes Á. La violencia en las relaciones de pareja de jóvenes: prevalencia, victimización, perpetración y bidireccionalidad. Rev Logos Cienc Tecnol. 2020; 12(2): 8-19. https://doi.org/10.22335/rlct.v12i2.1168

-67.http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.4041656Rev Cuid 2017; 8(2): 1656-67

Guerreiro MFR. Violencia física contra la mujer: una propuesta de abordaje desde un servicio de salud. Rev Cuidarte, 2017; 8(2): 1656-1667. http://dx.doi.org/10.15649/cuidarte.v8i2.404

Cavalcanti G de MB, de Amorim AVB, de Queiroz GS, Cruz NM, Costa RL, Bezerra KF de O. Violence against women in the single health system / A violência contra a mulher no sistema único de saúde. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online) [Internet]. 1º de maio de 2021 [citado 21º de fevereiro de 2024];12:146-54. Disponível em: https://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/7148

https://doi.org/10.9789/2175-5361.rpcfo.v12.7148

Publicado

2024-07-10 — Atualizado em 2024-07-18

Versões

Como Citar

1.
Lourenço Fernandes B, Villas Boas Teixeira S, Regina Alves Y, Pereira Maia de Oliveira L, Teoli Nunciaroni A, Rangel da Silva L. Dating violence experienced by young people from a public university in Brazil / Violência no namoro vivenciada por jovens de uma universidade pública no Brasil . Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online) [Internet]. 18º de julho de 2024 [citado 23º de julho de 2024];16:e-13125. Disponível em: https://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/13125

Edição

Seção

Artigo Original

Plum Analytics