Analysis of the leprosy cure indicator and basic care coverage in Santa Catarina / Análise do indicador de cura da hanseníase e da cobertura de atenção básica em Santa Catarina

Main Article Content

Ana Cláudia da Cunha
http://orcid.org/0000-0003-2292-3917
Sabrina da Silva de Souza
http://orcid.org/0000-0001-9046-6434
Katheri Maris Zamprogna
http://orcid.org/0000-0002-5987-1025
Dione Lúcia Prim Laurindo
http://orcid.org/0000-0001-6233-2527
Samara Eliane Rabelo Suplici
http://orcid.org/0000-0002-0334-7195

Resumo

Objetivo: avaliar a cobertura populacional das equipes de Atenção Básica nos municípios de Santa Catarina e sua correlação com a Proporção de cura dos casos novos de hanseníase diagnosticados nos anos das coortes. Métodos: estudo ecológico transversal que utilizou dados secundários dos bancos de dados oficiais do Estado de Santa Catarina, nos anos de 2017 e 2018. Resultados: o indicador de proporção de cura de hanseníase é inversamente correlacionado aos indicadores de cobertura populacional de equipes de atenção básica e de cobertura populacional de saúde da família, mantendo a correlação para os anos de 2017-2018 e obteve bom desempenho nos municípios catarinense nos anos estudados. Conclusão: o Estado de Santa Catarina apresentou um bom desempenho no cumprimento da meta pactuada no ano de 2017 com relação à proporção de cura da hanseníase. Entretanto, apresentou um desempenho regular em 2018.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Cunha AC da, Souza S da S de, Zamprogna KM, Laurindo DLP, Suplici SER. Analysis of the leprosy cure indicator and basic care coverage in Santa Catarina / Análise do indicador de cura da hanseníase e da cobertura de atenção básica em Santa Catarina. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 28º de setembro de 2021 [citado 29º de novembro de 2021];13:1486-92. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/10194
Seção
Research
Biografia do Autor

Ana Cláudia da Cunha, Secretaria Municipal de Saúde de São José - SC

Especialista em Enfermagem na Saúde da Família, UFSC, Florianópolis – Santa Catarina – Brasil, Enfermeira da Secretaria Municipal de Saúde, Setor de Planejamento em Saúde, São José - Santa Catarina – Brasil.

Sabrina da Silva de Souza, Secretaria Municipal de Saúde de São José - SC Hospital Universitário - UFSC - SC

Doutora em Enfermagem, Docente do Programa de Pós Graduação em Gestão do Cuidado/UFSC, Enfermeira da Emergência Adulto do HU/UFSC, Florianópolis - Santa Catarina – Brasil, e do Planejamento em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de São José – Santa Catarina - Brasil.

Katheri Maris Zamprogna, Secretaria Municipal de Saúde de São José - SC

Doutora em Enfermagem, UFSC, Florianópolis – Santa Catarina – Brasil.

Dione Lúcia Prim Laurindo, Secretaria Municipal de Saúde de São José - SC

Especialista em Saúde da Família, UFSC, Florianópolis – Santa Catarina - Brasil. Enfermeira da Secretaria Municipal de Saúde, Setor de Controle e Avaliação, São José – Santa Catarina - Brasil.

Samara Eliane Rabelo Suplici, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC.

Doutora em Enfermagem, UFSC. Membro do Laboratório de Pesquisas e Tecnologias em Enfermagem e Saúde à Pessoas em Condição Crônica (NUCRON/UFSC), Florianópolis – Santa Catarina – Brasil.

Plum Analytics

Referências

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da hanseníase [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2002 [acesso em 18 de maio 2020]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_de_hanseniase.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico Hanseníase: 2018 [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde [acesso em 12 de maio 2020]. Disponível em: http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/janeiro/31/2018-004-Hanseniase-publicacao.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2016 [acesso em 18 de maio 2020]. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/DiretrizesdoManuaTcnicoOperacionaldeHansenase.pdf.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Estratégia Global para Hanseníase 2016-2020: Aceleração rumo a um mundo sem hanseníase. [Internet]. 2016 [acesso em 02 de junho 2020]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/208824/9789290225201-pt.pdf?sequence=17.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº. 95, de 26 de janeiro de 2001. Aprova, na forma do Anexo desta Portaria, a Norma Operacional da Assistência à Saúde – NOAS-SUS 01/2001 que amplia as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica; define o processo de regionalização da assistência; cria mecanismos para o fortalecimento da capacidade de gestão do Sistema Único de Saúde e procede à atualização dos critérios de habilitação de estados e municípios [portaria na internet]. Diário Oficial da União 29 jan 2001 [acesso em 12 maio 2020]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2001/prt0095_26_01_2001.html.

Vieira NF. Fatores relacionados ao desempenho da atenção primária à saúde nas ações de controle da hanseníase. [Doutorado em Enfermagem]. Belo Horizonte (Brasil): Universidade Federal de Minas Gerais; 2019. [acesso em 12 de maio 2020]. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/ANDO-9VMJKS/1/nayara_figueiredo_vieira.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) [portaria na Internet]. Diário Oficial da União 22 set 2017 [acesso em 12 maio 2020]; Seção 1, (68). Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.

Saltarelli RMF, Seixas DHT. Limites e possibilidades na atenção ao portador de hanseníase no âmbito da estratégia saúde da família. Rev. APS. [Internet]. 2016 [acesso em 12 de maio 2020]; 19(4). Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15557.

Word Health Organization (WHO). Neglected tropical diseases. [Internet]. 2020 [cited 2020 may 12]. Available from: http://www.who.int/neglected_diseases/diseases/en/.

Organização das Nações Unidas (ONU). Cartilha sobre os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. [Internet]. 2020 [acesso em 02 de junho 2020]. Disponível em: www.br.undp.org/content/dam/brazil/docs/ODS/undp-br-ods-FAQ.pdf.

Organização das Nações Unidas (ONU). Agenda 2030. [Internet]. 2020 [acesso em 02 de junho 2020]. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/.

Al Awaidy ST. Progress towards a leprosy-free country: The experience of Oman. PLoS Negl Trop Dis. [Internet]. 2017 [cited 2020 Jun 01]; 11(11). Available from: https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0006028.

Ribeiro MDA, Castilho IS, Silva JCA, Oliveira SB. A visão do profissional enfermeiro sobre o tratamento da hanseníase na atenção básica. Rev Bras Promoç Saúde. [Internet]. 2017 [acesso em 18 de maio 2020]; 30(2). Disponível em: https://periodicos.unifor.br/RBPS/article/view/6349.

Oliveira RG de. Sentidos das Doenças Negligenciadas na agenda da Saúde Global: o lugar de populações e territórios. Ciênc. saúde coletiva. [Internet]. 2018 [acesso em 12 de maio 2020]; 23(7). Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v23n7/1413-8123-csc-23-07-2291.pdf.

Cruz A. Uma cura controversa: a promessa biomédica para a hanseníase em Portugal e no Brasil. Physis. [Internet]. 2016 [acesso em 03 de junho 2020]; 26(1). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312016000100025&lng=pt.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Articulação Interfederativa. Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores: 2013 – 2015. Brasília: Ministério da Saúde; 2013. 156 p.