Epidemiological and financial profile of congenital syphilis in northeast brazil / Perfil epidemiológico e financeiro da sífilis congênita no nordeste brasileiro

Main Article Content

Edison Vitório de Souza Júnior
http://orcid.org/0000-0003-0457-0513
Cristiane dos Santos Silva
http://orcid.org/0000-0003-3822-1397
Laís Emily Souza Trindade
http://orcid.org/0000-0002-8760-5736
Raissa Brito Teixeira
http://orcid.org/0000-0002-3228-7689
Sílvio Nascimento Santos
http://orcid.org/0000-0002-5262-1330
Júlia Maria Nascimento Penha
http://orcid.org/0000-0002-2334-7504

Resumo

Objetivo: descrever o perfil epidemiológico e econômico da sífilis congênita no nordeste brasileiro, entre 2013 e 2017. Métodos: estudo quantitativo, descritivo e ecológico construído com dados secundários indexados no Sistema de Informações Hospitalares. Selecionou-se as variáveis internações, óbitos, sexo, cor/raça, e os valores dos serviços hospitalares. Adotou-se análise estatística descritiva simples e os resultados foram expressos por meio de frequências absolutas e relativas. Resultados: houve 19.539 internações e 62 óbitos por sífilis congênita no nordeste brasileiro. Não obstante, a doença gerou um impacto financeiro superior a R$ 9,1 milhões de reais aos cofres públicos. Conclusão: a sífilis congênita apresentou comportamento crescente nas internações, favorecendo maior oneração aos serviços de saúde. Destaca-se, ainda, a imprescindibilidade de fortalecimento da precocidade diagnóstica e terapêutica nos programas de pré-natal, especialmente em Pernambuco, por evidenciar maior prevalência em todas as variáveis estudadas.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Souza Júnior EV de, Silva C dos S, Trindade LES, Teixeira RB, Santos SN, Penha JMN. Epidemiological and financial profile of congenital syphilis in northeast brazil / Perfil epidemiológico e financeiro da sífilis congênita no nordeste brasileiro. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 9º de junho de 2021 [citado 24º de janeiro de 2022];13:874-9. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9596
Seção
Research
Biografia do Autor

Edison Vitório de Souza Júnior, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié - Bahia - Brasil.

Enfermeiro. Graduado em Enfermagem pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié - Bahia - Brasil.

Cristiane dos Santos Silva, Universidade Norte do Pará. Jequié – Bahia – Brasil.

Profissional de Educação Física. Graduada em Educação Física pela Universidade Norte do Pará. Jequié – Bahia – Brasil.  

Laís Emily Souza Trindade, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié - Bahia - Brasil.

Enfermeira. Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié - Bahia - Brasil. 

Raissa Brito Teixeira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié - Bahia - Brasil.

Enfermeira. Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié - Bahia - Brasil. 

Sílvio Nascimento Santos, Faculdade Independente do Nordeste. Vitória da Conquista - Bahia - Brasil.

Odontólogo. Graduado em Odontologia pela Faculdade Independente do Nordeste. Vitória da Conquista - Bahia - Brasil.

Júlia Maria Nascimento Penha, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié - Bahia - Brasil.

Graduada em Enfermagem pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Jequié - Bahia - Brasil.

Plum Analytics

Referências

Bottega A, Canestrini T, Rodrigues MA, Rampelotto RF, Santos SO, Silva DC et al. Abordagem das doenças sexualmente transmissíveis na adolescência: revisão de literatura. Rev Saúde (St. Maria) [internet]. 2016 [citado 2019 fev 3]; (Supl):91-104. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/revistasaude/article/view/21481

Andrade ALMB, Magalhães PVVS, Moraes MM, Tresoldi AT, Pereira RM. Diagnóstico tardio de sífilis congênita: uma realidade na atenção à saúde da mulher e da criança no Brasil. Rev Paul Pediatr. 2018; 36(3): 376-81. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1984-0462/;2018;36;3;00011

Cavalcante PAM, Pereira RBL, Castro JGD. Sífilis gestacional e congênita em Palmas, Tocantins, 2007-2014. Epidemiol Serv Saúde (Online). 2017; 26(2):255-64. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742017000200003

Yui FM, Melo SCCS, Costa AB, Sila NMMG, Massan F, Tashima CM et al. Prevalência de sífilis congênita: uma revisão integrativa. UNINGÁ Rev [internet]. 2017 [citado 2018 out 27]; 53(2):149-55. Disponível em: http://revista.uninga.br/index.php/uninga/article/view/1427

Santos VC, Anjos KF. Sífilis: uma realidade prevenível. Sua erradicação, um desafio atual. Saude e pesqui (Impr.). [internet]. 2009 [citado 2018 out 28];2(2):257-63. Disponível em: http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/1027/790

Cardoso ARP, Araújo MAL, Cavalcante MS, Frota MA, Melo SP. Análise dos casos de sífilis gestacional e congênita nos anos de 2008 a 2010 em Fortaleza, Ceará, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2018; 23(2):563-74. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232018232.01772016

Rocha TAH, Silva NC, Amaral PVM, Barbosa ACQ, Vissoci JRN, Thomaz EBAF et al. Geolocalização de internações cadastradas no Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde: uma solução baseada no programa estatístico R. Epidemiol Serv Saúde (Online). 2018;27(4):e2017444. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/s1679-49742018000400016

Moreira KFA, Oliveira DM, Alencar LN, Cavalcante DFB, Pinheiro AS, Orfão NH. Perfil dos casos notificados de sífilis congênita. Cogitare Enferm. 2017;(22)2:e48949. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v22i1.48949

Carvalho IS, Brito RS. Sífilis congênita no Rio Grande do Norte. Epidemiol Serv Saúde (Online). 2014; 23(2):287-94. DOI: https://doi.org/10.5123/S1679-49742014000200010

Nonato SM, Melo APS, Guimarães MDC. Sífilis na gestação e fatores associados à sífilis congênita em Belo Horizonte-MG, 2010-2013. Epidemiol Serv Saúde (Online). 2015;24(4):681-94. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000400010

Almeida PD, Araujo Filho ACA, Araújo AKL, Carvalho ML, Silva MGP, Araujo TME. Análise epidemiológica da sífilis congênita no Piauí. Rev Interdiscip [internet]. 2015 [citado 2019 jul 20];8(1):62-70. Disponível em https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/453/pdf_183

Cazarin KTL, Maciel MED. Incidência de Sífilis Congênita no Brasil. Revista saúde e desenvolvimento [internet]. 2018 [citado 2019 jul. 2019];12(10):160-72. Disponível em: https://www.uninter.com/revistasaude/index.php/saudeDesenvolvimento/article/viewFile/875/504

Oliveira JS, Santos JV. Perfil epidemiológico da sífilis congênita no Estado da Bahia, no período de 2010 a 2013. Rev Eletrôn Atualiza Saúde [Internet]. 2015 [citado 2019 jun 21];2(2):20–30. Disponível em: http://atualizarevista.com.br/article/perfil-epidemiologico-da-sifilis-congenita-no-estado-da-bahia-no-periodo-de-2010-a-2013-v-2-n-2/

Teixeira MA, Santos PP, Santos PN, Araújo RT, Souz AGJ. Epidemiological and sociodemographic profile of children infected congenital syphilis in Jequié/Bahia. Revista Saúde.com [Internet]. 2015 [citado 2018 fev 18];11(3):303–13. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/rsc/article/view/370

Silva IMD, Leal EMM, Pacheco HF, Souza Júnior JG, Silva FS. Perfil

epidemiológico da sífilis congênita. Rev enferm UFPE on line. 2019;13(3):604-13. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i03a236252p604-613-2019

Oliveira RBB, Peixoto AMCL, Cardoso MD. Sífilis em gestantes adolescentes de Pernambuco. Adolesc Saúde (Online). [internet]. 2019 [citado 2019 jun 21];16(2):47-56. Disponível em: http://www.adolescenciaesaude.com/detalhe_artigo.asp?id=783#

Lima SAV, Silva MRF, Carvalho EMF, Pessoa EAC, Brito ESV, Braga JPR. Elementos que influenciam o acesso à atenção primária na perspectiva dos profissionais e dos usuários de uma rede de serviços de saúde do Recife. Physis. 2015;25(2):635-56. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312015000200016

Sonda EC, Richter FF, Boschetti G, Casasola MP, Krumel CF, Machado CPH. Sífilis Congênita: uma revisão da literatura. Rev Epidemiol Controle Infecç. 2013;3(1):28-30. DOI: http://dx.doi.org/10.17058/reci.v3i1.3022

Reis GJ, Barcellos C, Pedroso MM, Xavier DR. Diferenciais intraurbanos da sífilis congênita: análise preditiva por bairros do Município do Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública (Online). 2018; 34(9):e00105517. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-311x00105517

Saraceni V, Pereira GFM, Silveira MF, Araujo MAL, Miranda AE. Vigilância epidemiológica da transmissão vertical da sífilis: dados de seis unidades federativas no Brasil. Rev Panam Salud Pública [internet]. 2017 [citado 2018 out 27];41:e44. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/rpsp/2017.v41/e44/

Rodrigues LS, Lima RHS, Costa LC, Batista RFL. Características das crianças nascidas com malformações congênitas no município de São Luís, Maranhão, 2002-2011. Epidemiol Serv Saúde (Online). 2014;23(2):295-304. DOI: http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742014000200011

Melo ACM, Silva GDM, Garcia LP. Mortalidade de homens jovens por agressões no Brasil, 2010-2014: estudo ecológico. Cad Saúde Pública (Online). 2017;33(11):e00168316. DOI: https://doi.org/10.1590/0102-311X00168316

Ferreira VES, Silva MAM, Araújo Júnior DG, Mesquita ALM, Tomaz AL. Avaliação de indicadores da assistência prénatal com ênfase na prevenção e controle da sífilis congênita. Sanare (Sobral, Online). [internet]. 2017 [citado 2019 jul 20]; 16(sup.1):68-73. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/1141

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)