Nursing diagnosis impaired mood regulation and depressive symptoms in institutionalized elderly people / Diagnóstico de enfermagem regulação do humor prejudicada e sintomas depressivos em pessoas idosas institucionalizadas

Main Article Content

Fabiana Medeiros Brito
http://orcid.org/0000-0003-3824-0168
Wiliana Aparecida Alves de Brito Fernandes
http://orcid.org/0000-0002-4287-8714
Kamyla Félix Oliveira dos Santos
http://orcid.org/0000-0002-1607-195X
Maria das Graças Melo Fernandes
http://orcid.org/0000-0001-6294-9930

Resumo

Objetivo: Verificar a prevalência do diagnóstico de enfermagem regulação do humor prejudicada e de sintomas depressivos em pessoas idosas institucionalizadas. Método: Estudo descritivo, transversal, quantitativo, realizado com 35 pessoas idosas, em uma instituição de longa permanência para idosos. Dados coletados por meio de entrevista subsidiada por instrumento estruturado. Para a análise, foi utilizada estatística descritiva e teste Qui-quadrado de Pearson. Resultados: Observou-se prevalência do diagnóstico de enfermagem regulação do humor prejudicada em 65,7% das pessoas idosas, e depressão leve a moderada em 57,1% destes, bem como significância estatística entre as variáveis. Conclusão: Considerando os efeitos maléficos da depressão para a saúde da pessoa idosa, é importante que os enfermeiros busquem identificar o diagnóstico de enfermagem regulação do humor prejudicada, assim como a presença de sintomas depressivos nesta população.




 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Article Details

Como Citar
1.
Brito FM, Fernandes WAA de B, Santos KFO dos, Fernandes M das GM. Nursing diagnosis impaired mood regulation and depressive symptoms in institutionalized elderly people / Diagnóstico de enfermagem regulação do humor prejudicada e sintomas depressivos em pessoas idosas institucionalizadas. R. pesq. cuid. fundam. online [Internet]. 9º de junho de 2021 [citado 29º de novembro de 2021];13:919-24. Disponível em: http://seer.unirio.br/cuidadofundamental/article/view/9639
Seção
Research
Biografia do Autor

Fabiana Medeiros Brito, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Enfermeira. Universidade Federal da Paraíba. Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Saúde do Adulto e do Idoso (GEPSAI/UFPB). João Pessoa-Paraíba-Brasil.

Wiliana Aparecida Alves de Brito Fernandes, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Enfermeira. Universidade Federal da Paraíba. Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Saúde do Adulto e do Idoso (GEPSAI/UFPB). João Pessoa-Paraíba-Brasil.

Kamyla Félix Oliveira dos Santos, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora do Centro Universitário de João Pessoa – UNIPÊ. Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Saúde do Adulto e do Idoso da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Maria das Graças Melo Fernandes, Universidade Federal da Paraíba (UFPB)

Enfermeira. Doutora em Sociologia. Professora do Departamento de Enfermagem Clínica da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Saúde do Adulto e Idoso da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Plum Analytics

Referências

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mudança Demográfica no Brasil início do século XXI: subsídio para as projeções das populações. Rio de Janeiro: IBGE, 2015. Disponível em: http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv93322.pdf. Acesso em: 07 nov. 2016.

Ozaki Y, Sposito APB, Bueno DRS, Guariento ME. Depression and chronic diseases in the elderly. Rev Soc Bras Clin Med. 2015; 13(2):149-53.

World Health Organization. International Statistical Classification of Diseases and Related Health Problems 10th Revision – ICD-10. Version: 2016.

Ho CS, Feng L, Fam J, Mahendran R, Kua EH, Ng TP. Coexisting medical comorbidity and depression: multiplicative effects on health outcomes in older adults. Int Psychogeriatr. 2014; 26(7):1221-9.

Aguiar AMA, Marques APO, Silva EC, Costa TR, Ramos RSP, Leal MCC. Prevalência e determinantes de sintomatologia depressiva em idosos assistidos em serviço ambulatorial. Revista Brasileira. Geriatria. Gerontologia. 2014;17(4):853-66.

Verçosa VSL, Cavalcanti SL, Freitas DA. Prevalência de sintomatologia depressiva em idosos institucionalizados. Rev enferm UFPE. 2016: 10(5);4264-70.

Silva ER, Sousa ARP, Ferreira LB, Peixoto HM. Prevalence and factors associated with depression among institutionalized elderly individuals: nursing care support. Rev. esc. enferm. USP. 2012; 46(6):1387-93.

North American Nursing Diagnosis Association (NANDA-I). Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificação 2015-2017. Porto Alegre: Artmed; 2015.

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci SR, Juliano Y. O Mini-Exame do Estado Mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq Neuropsiquiatr. 1994; 52(1):1-7.

Almeida OP, Almeida AS. Confiabilidade da versão brasileira da escala de depressão em geriatria (GDS) versão reduzida. Arq Neuropsiquiatr. 1999; 57(2):421-6.

Apóstolo JLA, Loureiro LMJ, Reis IAC, Silva IALL, Cardoso DFB, Sfetcu R. Contribuição para a adaptação da Geriatric Depression Scale -15 para a língua portuguesa. Rev enferm referência. 2014; (3):65-73.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese dos indicadores sociais, uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janiero: IBGE; 2014 [acesso 2017 mai 29]. Disponível em: http:// www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindic sociais2010/SIS_2010.pdf

Hajek A, Brettschneider C, Lange C, Posselt T, Wiese B, Steinmann S. Longitudinal Predictors of Institutionalization in Old Age. PLoSONE. 2015; 10(12):e0144203.doi:10.1371/journal.pone.0144203.

Rossett M, Maia KS, Silva VC, Pinto ÉC, Cosentino SF, Soler MG. Depressão em idosos de uma instituição de longa permanência. Rev Enferm UFSM 2012 Mai/Ago;2(2):347-52.

Domiciano BR. Escolaridade, idade e perdas cognitivas de idosas residentes em instituições de longa permanência. Rev Neurocienc. 2014;22(3):330-6.

Frank MH, Rodrigues NL. Depressão, ansiedade, outros transtornos afetivos e suicídio. In: Fretas EV, Py L, editores. Tratado de geriatria e gerontologia. 3a ed. Rio de Janeiro: Guanabara koogan; 2011. p.314-25.

Nazemi L, Skoog I, Karlsson I, Hosseini S, Hosseini M, Hosseinzadeh Mj, et al. Depression, prevalence and some risk factors in elderly nursing homes in Tehran, Iran. Iran J Publ Health. 2013;42(6):559-69.

Valcarenghi RV, Santos SSC, Barlem ELD, Pelzer MT, Gomes GC, Lange C. Alterações na funcionalidade/cognição e depressão em idosos institucionalizados que sofreram quedas. Acta Paul Enferm. 2011; 24(6):828-33.

World Health Organization (WHO). Conquering Depression. 2012. Disponível em: <http://www.searo.who.int/en/Section1174/Section1199/Section1567/Section1826.htm>. Acesso em: 01 jun. 2017.

Hales RE. Tratado de psiquiatria clínica. Trad. Cláudia Dornelles, Cristina Monteiro e Ronaldo Cataldo Costa. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2006.

Vicente F, Espirito-Santo H, Cardoso D, Silva F, Costa M, Martins S, et al . Estudo longitudinal dos fatores associados à evolução de sintomas depressivos em idosos institucionalizados. J. bras. psiquiatr. 2014; 63(4):308-16.

Frota NM, Santos ZMSA, Soares E, Moura JMG, Costa AC, Caetano JA.; Déficits de autocuidado de idosas institucionalizadas, Revista Rene. 2012; 3(5):983-94.

Biasoli TR, Moretto MC, Guariento ME. Baixa escolaridade e doenças mentais em idosos: possíveis correlações. Rev. Ciênc. Méd. 2016; 25(1):1-10.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)