FATIGUE ALARMS IN INTENSIVE CARE: DESCRIBING THE PHENOMENON THROUGH INTEGRATIVE LITERATURE REVIEW

Adriana Carla Bridi, Roberto Carlos Lyra da Silva, Jorge Leandro Souto Monteiro

Resumo


Objetivo: Analisar as publicações científicas acerca de alarmes de monitorização e do fenômeno Fadiga de alarmes em terapia intensiva. Métodos: Revisão integrativa de literatura realizada nas bases de dados Lilacs, PubMed e SciELO. Resultados: Após análise das produções elucidaram-se os conceitos e definições do fenômeno; fatores de predisposição e estratégias para sua minimização; a relação com a segurança do paciente, alcançando recorte temporal de 1993 a junho 2010. A fadiga de alarmes ocorre quando um grande número de alarmes encobre aqueles clinicamente significativos, possibilitando que alarmes relevantes sejam desabilitados, silenciados ou ignorados pela equipe. O número excessivo de alarmes torna a equipe indiferente, reduzindo seu estado de alerta, levando à desconfiança do sentido de urgência dos alarmes, resultando em falta de resposta a alarmes relevantes. Conclusão: O aparato tecnológico exige atenção dos profissionais para garantir a segurança do doente grave.

Descritores: Terapia Intensiva, Monitorização, Alarmes Clínicos, Iatrogenia, Segurança do Paciente


Palavras-chave


Terapia Intensiva, Monitorização, Alarmes Clínicos, Iatrogenia, Segurança do Paciente

Texto completo:

PDF-En PDF-Pt


DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2013.v5i3.27-41 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

SCImago Institutions Rankings

 

  

 

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.