Work process and disposal of stress between teachers of biological sciences and health / Processo de trabalho e disposição ao estresse entre docentes de ciências biológicas e da saúde

Cristina Berger Fadel, Makielle Tadei Flores, Sabrina Brigola, Camila Zanesco, Danielle Bordin, Alessandra de Souza Martins

Resumo


OBJETIVO: Explorar a relação entre disposição ao estresse e processo de trabalho junto a docentes universitários. MÉTODOS: Pesquisa quanti-qualitativa, realizada com docentes das Ciências Biológicas e da Saúde, utilizando instrumentos auto-aplicáveis. RESULTADOS: A prevalência do estresse entre os docentes foi de 35%. Considerando os diferentes aspectos investigados do processo de trabalho: curso de graduação e pós-graduação, regime de trabalho, carga horária, atividade administrativa; nenhuma condição apresentou relação significativa com o estresse, suas fases de evolução e sintomatologia. Grande parte dos docentes atribui a determinação do estresse a questões administrativas inerentes ao trabalho e ao atrito com estudantes e colegas de trabalho. Para o enfrentamento do estresse, os docentes manifestam com frequência a prática de atividades físicas e de atividades de lazer, a busca pelo contato com amigos e familiares e o aprimoramento de habilidades pessoais. CONCLUSÃO: O estresse esteve significativamente presente no meio docente, independente do processo de trabalho exercido.


Palavras-chave


Estresse Psicológico; Docentes; Ciências da Saúde;

Texto completo:

PDF-EN PDF-PT

Referências


Santos AMS. Estresse e qualidade de vida no ambiente de trabalho. RACI. 2014; 8 (18): 32 – 39. 2. Silva MG da, Barros BP de. Percepção de estresse de servidores na atenção básica de saúde de dourados-ms. Saúde em Redes. 2015; 1 (4): 35 – 52. 3. Zille LP, Cremonezi AM. Estresse no trabalho: estudo com professores da rede pública estadual de minas gerais. REUNA. 2013; 18 (4): 111-128. 4. Santos JAA dos, CallesAC do N. A avaliação do nível de estresse e a consequência sobre a variabilidade da frequência cardíaca em docentes. Ciências Biológicas e da Saúde. 2016; 3 (3): 215-226. 5. Souza CC de, Guimarães AC de A, Araujo C da CR de A. Estresse no trabalho em docentes universitários. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2013; 11 (35): 1-8.

Received in: 26/07/2017 Required revisions: did not have Approved in: 11/09/2017 Published in: 01/07/2019

Corresponding author Camila Zanesco Address: Rua Valério Ronchi, nº 160, Bairro Uvaranas, Paraná, Brazil Zip Code: 84.830-000 E-mail address: camila_zanesco@hotmail.com Telephone number: +55 (49) 2049-2946

Disclosure: The authors claim

to have no conflict of interest.

Diehl L, Marin AH. Adoecimento mental em docentes brasileiros: revisão sistemática da literatura. Estudos Interdisciplinares em Psicologia. 2016; 7 (2): 64-85. 7. Cortez PA, Souza MVR, Amaral LO, Silva LCA. A saúde docente no trabalho: apontamentos a partir da literatura recente. Cad. Saúde Colet. 2017; 25 (1): 113-122. 8. Vale PCS do, Aguillera F. O estresse dos professores de ensino fundamental em escolas públicas: uma revisão de literatura. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde. 2016; 5 (1): 86-94. 9. Petto J, Santos GM, Nonato JB, Santiago MV, Mota V da S, Nascimento WLC do, et al. Percepção de estresse em docentes do ensino superior. Revista Diálogos Possíveis. 2016; 15 (1): 70-84. 10. Lipp MEN. Manual do inventário de sintomas de stress para adultos de Lipp. São Paulo, SP: Casa do psicólogo,2000. 11. Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal; Edições 70, LDA; 2009. 12. Silveira KA, Enumo SRF, Paula KMP de, Batista EP. Estresse e enfrentamento em professores: uma análise da literatura. Educação em Revista. 2014; 30 (4): 15-36. 13. Gasparini SM, Barreto SM, Assunção AA. O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa. 2015; 31 (2): 189-199. 14. Carvalho L, Malagris LEN. Avaliação do nível de stress em profissionais da saúde. Estudos e Pesquisas em Psicologia. 2007; 7 (3): 570-582. 15. Cruz RM, Lemos JC, Welter MM, Guisso L. Saúde docente, condições e carga de trabalho. Revista Electrónica de Investigación y Docencia . 2010; 4 (1): 147-160. 16. Margis R, Picon P, Cosner AF, Silveira R de O. Relação entre estressores, estresse e ansiedade. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul. 2003; 25 (1): 65-74. 17. Camelo SHH, Angerami ELS. Riscos psicossociais no trabalho que podem levar ao estresse: uma análise da literatura. Ciência, Cuidado e Saúde. 2008; 7 (2): 234-240. 18. Yaegashi SFR, Benevides-Pereira AMT, Alves ICB, Lara S de. Estresse e prática docente: a qualidade de vida dos educadores em questão. VIII Congresso Nacional de Educação da PUCPR (EDUCERE) – Edição Internacional e IIIi Congresso Ibero – Americano Sobre Violências Nas Escolas – “Formação de Professores”. ANAIS 2008. [acesso em: 25 jun 2017]; 3339-3349. Available at: http://www.pucpr.br/eventos/ educere/educere2008/anais/pdf/847_899.pdf. 19. Carlotto M. Burnout e o trabalho docente: considerações sobre a intervenção. Revista Eletrônica Interação Psy. 2003; 1 (1): 12-18. 20. Cooper CL, Payne R. Causes, coping and consequences of stress at work. Edited by Cary. 1989; 33 (4): 414- 525.




DOI: http://dx.doi.org/10.9789/2175-5361.2019.v11i4.836-841 

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

Novas regras para submissão de artigos na RPCFO a partir de 01/07/2018. Clique aqui.

O atendimento telefônico da secretaria funciona de 06:00 as 09:00, de segunda a sexta feira.

 

        

Crossref Metadata User Badge